Polícia Federal prende 18 acusados de desvio de R$ 6,6 milhões da Educação

Polícia
CURITIBA – A Polícia Federal prendeu na madrugada e na manhã desta quinta-feira, 8, 18 pessoas em Curitiba e Cascavel, no Paraná, e em São Carlos e Sorocaba, no interior paulista, acusadas de integrarem uma quadrilha especializada em desviar recursos públicos voltados para a educação técnica do Paraná.

O prejuízo com as fraudes pode ter atingido R$ 6, 6 milhões, somente no setor de ensino à distância do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado do Paraná (IFPR). A ação, batizada de "Operação Sinapse" envolveu 200 policiais e contou com o apoio da Controladoria Geral da União

e também promoveu prisões em São Carlos, onde uma pessoa foi levada para prestar esclarecimentos à PF, e em Sorocaba, que teve uma pessoa detida; no interior paulista. Apesar disso, a operação concentrou-se em Curitiba (PR), foco das operações do grupo.

Além das prisões (três detidos são professores do IFPR) foram executados dez mandados de condução coercitiva, 43 de busca e apreensão, além do pedido de apreensão de 30 veículos à Justiça (somente três pedidos foram autorizados).

Segundo o delegado Felipe Hayashi, que coordenou a ação, os recursos eram desviados por meio de diferentes atuações. "Eram desviados recursos por meio de inúmeras práticas criminosas desde superfaturamento até distribuição de recursos a empresas de fachada, empresas que efetivamente não prestavam serviços e identificamos também que esses recursos destinados a empresas eles retornavam a funcionários públicos por meio de propinas. Nós já temos indicativos neste momento de que houve um desvio de R$ 6,6 milhões", disse.

As investigações começaram em março de 2012 e algumas evidências indicam que as fraudes iniciaram em 2009. Ela agia por meio de termos de parceria firmados entre o IFPR e duas Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público – OSCIPs. Esses projetos para cursos à distância do IFPR eram superfaturados e os serviços previstos em contrato não eram prestados. Ainda nesse período, a quadrilha conseguiu que alguns de seus integrantes fossem aprovados em concursos públicos para o IFPR de forma fraudulenta.

Para encobrir essas ações, a quadrilha falsificava contratos e prestações de contas, e pagava propinas a funcionários da autarquia federal e integrantes das Oscips.

Mesmo com a análise preliminar que indica desvios de R$ 6,6 milhões, há a possibilidade desse valor aumentar, conforme o resultado da análise do material apreendido. "Nós colhemos mais evidências na data de hoje (8) mediante esses mandados de busca e apreensão, após a análise desse material e perícias que estão sendo realizadas é possível que esses valores sejam maiores. Foram apreendidos três carros de luxo com indicativo de que foram adquiridos por esses desvios de recursos, são valores que podem chegar a quase meio milhão de reais (foram apreendidos um Porsche Cayman, um Mercedes Benz e um Range Rover)", concluiu o delegado.

As pessoas detidas responderão pelos crimes de formação de quadrilha, peculato, corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, estelionato e crimes da lei de licitações.

Em comunicado, o IFPR informou que todos os documentos pedidos pela polícia foram entregues e que a entidade zela pelo ensino. "Todos os documentos solicitados foram prontamente entregues para investigação. Desde 2011, a atual gestão, iniciada em junho de 2011 toma providências internas para verificar a regularidade e averiguar todos os convênios firmados", diz um trecho da nota.

MEC. O Ministério da Educação divulgou nota em que afirma que a investigação da PF na Operação Sinapse ocorreu a partir de auditoria pedida pelo ministério, em 2011, à Controladoria Geral da União (CGU). O objetivo era apurar convênio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR).

O MEC informou também que os servidores do IFPR que "estão sob investigação serão imediatamente afastados de suas funções a fim de resguardar o andamento das investigações". O ministério vai abrir processo administrativo disciplinar para apurar as responsabilidades dos servidores.

Compartilhe este post
Macedo Carnes consultoria natura avon Sabores da Terra Citopatologista Dra Josilene Ari Clinica Afonsinho Amarante Finsol Comercial Sousa Neto clinica e laboratorio sao goncalo Cetec Amarante Educandario Menino Jesus Mercadinho Afonsinho Alternância de Banners Pax Uni~ão Amarante Pax Uni~ão Amarante Dr. Josias Pier Restobar Pax Uni~ão Amarante Hospital de Olhos Ideal Web, em Amarante Megalink Amarante Super Carnes Interativa

Deixe um comentário