UE oferece pacote de ajuda à Tunísia e busca controle mais rígido nas fronteiras

UE oferece pacote de ajuda à Tunísia e busca controle mais rígido nas fronteiras

Internacional

A UE está considerando um grande pacote financeiro para a nação sem dinheiro em meio a uma crescente crise de refugiados e migrantes.

A União Europeia está considerando oferecer à Tunísia cerca de 900 milhões de euros (US$ 967 milhões) para apoiar sua economia, além de 150 milhões de euros (US$ 161 milhões) imediatos em apoio orçamentário assim que um “acordo necessário for encontrado”, de acordo com a chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Junto com von der Leyen, o primeiro-ministro holandês Mark Rutte e o primeiro-ministro italiano Giorgia Meloni estiveram na Tunísia no domingo para conversas com o presidente do país, Kais Saied.

Meloni, que visitou a Tunísia sozinho em 6 de junho em uma missão semelhante, instou o Fundo Monetário Internacional (FMI) e outros países a ajudar a Tunísia.

Preocupações financeiras da Tunísia

A declaração vem dois dias depois de Meloni dizer que a Europa pode ver uma onda de refugiados e migrantes do norte da África se a estabilidade financeira na Tunísia não for salvaguardada.

A Itália é um destino comum para refugiados e migrantes que fugiram de toda a África e do Oriente Médio para se reunir em pontos de partida, como a Tunísia, para tentar chegar à segurança na Europa.

A Tunísia concordou com um empréstimo do FMI, mas posteriormente rejeitou as condições com Saied dizendo que os cortes exigidos nos subsídios e a reestruturação de empresas estatais arriscavam inflamar a agitação social.

do leyen
A partir da esquerda, o primeiro-ministro holandês Mark Rutte, a presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen, o presidente tunisiano Kais Saied e a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni em Tunis, 11 de junho de 2023 [Italian Premier Office/via AP]

Qualquer novo acordo baseado em diferentes reformas pode levar meses a mais para ser negociado, e Meloni pressionou o FMI a relaxar suas condições na Tunísia.

No início do mês, Saied propôs taxar os cidadãos mais ricos do país para evitar os “ditames estrangeiros” do FMI.

Uma série de investimentos europeus de longo prazo – incluindo planos em andamento para um link de cabo digital de 150 milhões de euros (US$ 161 milhões) para a Europa e um projeto de exportação de energia renovável de 300 milhões de euros – também foi discutida.

Von der Leyen disse que a UE também expandiria as oportunidades para os jovens tunisianos estudarem, trabalharem e treinarem na UE para ajudá-los a desenvolver habilidades que poderiam ser usadas para impulsionar a economia da Tunísia. Nenhuma menção foi feita à facilitação dos pedidos de visto.

Mortes na costa da Tunísia

Entre as prioridades mencionadas por von der Leyen estavam 100 milhões de euros (US$ 107 milhões) que a UE está pronta para dar à Tunísia este ano para gerenciamento de fronteiras, busca e salvamento e retornos “enraizados no respeito pelos direitos humanos” para lidar com a migração.

Um dia antes da visita, Saied fez uma visita surpresa à cidade costeira tunisiana de Sfax – ponto de partida para refugiados em busca de segurança na Europa – onde declarou que a Tunísia não se tornaria um guarda de fronteira para outros países.

Dias antes, cinco cidadãos africanos morreram e muitos outros desapareceram depois que três barcos que transportavam refugiados e migrantes afundaram em Sfax.

Guarda costeira recupera corpo, que segundo eles pertence a um imigrante, em Sfax, Tunísia, 26 de abril de 2023. REUTERS/Jihed Abidellaoui
Trabalhadores da guarda costeira recuperam o corpo de alguém que disseram ser refugiado ou migrante, em Sfax, Tunísia, em 26 de abril de 2023 [Jihed Abidellaoui/Reuters]

A costa perto de Sfax tornou-se um importante ponto de partida para pessoas que fogem da pobreza e dos conflitos na África e no Oriente Médio na esperança de um futuro na Europa.

Em março, 29 requerentes de asilo morreram tentando fazer a mesma viagem.

Refugiados e migrantes estão realizando a perigosa jornada da Tunísia em números sem precedentes, com as autoridades tunisianas dizendo que impediram 13.000 pessoas de tentar a travessia de Sfax nos primeiros três meses deste ano.


Com informações do site Al Jazeera

Compartilhe este post
Canal da SorteMacedo CarnesSabores da TerraCitopatologista Dra JosileneAri ClinicaAfonsinho AmaranteFinsolComercial Sousa Netoclinica e laboratorio sao goncaloCetec AmaranteEducandario Menino JesusMercadinho AfonsinhoPax Uni~ão AmarantePax Uni~ão AmaranteDr. JosiasPier RestobarPax Uni~ão AmaranteHospital de OlhosIdeal Web, em AmaranteMegalink AmaranteSuper CarnesInterativa