AMARANTE

Internacional

Tempestade deixa 400 mil sem energia

Avatar

Publicado em

Internacional

Quatrocentas mil casas no Canadá estão sem luz por causa das tempestades de gelo que caem no país desde sábado (21) e que provocaram importantes alterações nos tráfegos aéreo e terrestre, informaram fontes oficiais.

Na província de Ontário (sudeste), cerca de 350.000 casas estão sem luz, segundo as companhias elétricas.

Na região de Toronto, a quarta maior cidade da América do Norte e que pertence a Ontário, a empresa de abastecimento de energia Toronto Hydro informou no domingo que “cerca de 250.000 clientes estão sem eletricidade devido às adversidades das tempestades de gelo”.

Nas próximas horas se esperam fortes ventos que podem provocar “ainda mais cortes de eletricidade”, advertiu a companhia, destacando que seriam necessárias até 72 horas para restabelecer o abastecimento de toda a província.

Em Quebec, região situada no extremo leste, 50.000 casas estavam sem luz na manhã de domingo, principalmente no sul devido à queda de árvores e linhas elétricas, informou a Hydro Quebec.

A primeira-ministra de Ontário, Kathleen Whynne, ofereceu “assistência e apoio total” do governo da província.

Leia Também:  Sobe para 87 o número de mortos em terremoto no centro das Filipinas

“Se a situação continuar nas próximas horas, teremos que abrir centros de acolhida de urgência”, alertou o prefeito de Toronto, Rob Ford, assegurando que se trata da ‘pior tempestade da História’ na cidade.

O aeroporto de Toronto, que foi forçado a cancelar no sábado um grande número de voos, registrava muitos atrasos no domingo que podiam chegar a 10 horas.

A situação no aeroporto de Montreal foi menos alarmante, embora a maioria dos voos tenha saído com atraso.

As tempestades de neve complicaram o tráfego nas estradas, onde uma dezena de pessoas perdeu a vida durante o fim de semana em acidentes registrados entre Ontário e as províncias do Atlântico, segundo a imprensa local.

Fonte: G1

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Internacional

Situação do continente Africano na pandemia: entenda!

Avatar

Publicados

em

Desde que o coronavírus começou a se espalhar pelo mundo, os países tomaram atitudes diversas para reduzir a taxa de contaminação. Mas o que aconteceu na África? Entenda a situação do continente africano na pandemia.

O desenvolvimento da doença
Quando a pandemia mostrou seus primeiros sinais, ainda no ano passado, grandes líderes mundiais demonstraram preocupação com a situação do continente africano. Afinal, trata-se de uma região com recursos limitados.
Entretanto, para surpresa de todos, a África tem mostrado uma resposta diferente da prevista, com índices de contaminação e mortes muito menor do que visto em países como o Brasil, que tem uma população menor.
Os cientistas ainda estudam uma explicação para o baixo desenvolvimento da doença, e já conseguem elencar alguns fatores que podem impactar na situação.

Além de ter uma população mais jovem, a África passou recentemente pela epidemia do Ebola, o que fez com que os países tivessem planos emergenciais prontos.

A situação do continente africano na pandemia também não é tão grave pelo contato das pessoas com o exterior menor do que vemos em outras regiões.

Como fica o turismo no continente
Se a situação do continente africano na pandemia é surpreendentemente positiva, muita gente tem voltado sua atenção para os atrativos turísticos que a região oferece.
Os brasileiros, motivados pela alta do dólar e pelas restrições de viagens aos destinos mais famosos, começaram a perceber as possibilidades oferecidas pela África.
A maioria dos países do continente apresenta restrições moderadas quanto à entrada de turistas, o que faz com que haja a exigência da apresentação de resultado negativo para o teste de Covid-19 e quarentena de alguns dias na chegada ao destino.

Leia Também:  Tempestade Pax deixa 20 mortos nos Estados Unidos

Apesar disso, a situação do continente africano na pandemia permite que o turismo aconteça, ainda que tenha algumas adaptações.

Viajar para a África é possível?
Se você está pensando em viajar para a África e conhecer todas as belezas do local, saiba que essa é uma possibilidade.

Destinos como Egito, África do Sul, Etiópia e Zimbábue são alguns dos países que estão abertos aos turistas com restrições moderadas.

Já a Angola, que é um país com maior procura dos turistas, está com uma situação mais controlada.

Mas o setor de turismo mostra que é possível lidar com as restrições: os melhores hotéis em Benguela, por exemplo, utilizam medidas de proteção sanitária que colocam os turistas em uma condição de baixo risco.

O que saber antes de viajar para a África?
Além de ter certeza sobre a situação do continente africano na pandemia, é importante que o turista brasileiro se atente para alguns detalhes antes de embarcar em uma viagem.

O primeiro deles é o visto de entrada. Os maiores países da África não exigem um visto específico dos moradores do Brasil, mas existe uma parcela grande de destinos que solicita a apresentação da liberação de entrada.

Leia Também:  Tempestades deixam dezenas de mortos no México

A melhor forma de saber se o seu destino precisa ou não de visto é pelo Portal Consular do Itamaraty. Basta acessar o site e identificar o país que você pretende visitar para visualizar as informações.

Além disso, o continente africano exige o certificado internacional de vacina, que atesta que o turista foi vacinado contra a febre amarela.

Se você já foi vacinado, pode solicitar seu certificado pela internet. Para aqueles que não foram, a dica é fazer a solicitação no momento da vacinação, na agência de saúde.

Por fim, tenha em mente que apesar da situação do continente africano na pandemia ser positiva, é preciso tomar todos os cuidados para diminuir os riscos para você e para os outros.

Dessa forma, sua viagem será um momento para acumular boas lembranças e fazer uma imersão cultural – coisas que o continente africano tem experiência em oferecer.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA