Movimento lento da UE para política comum de asilo 'falha em evitar mortes'

Movimento lento da UE para política comum de asilo ‘falha em evitar mortes’

Internacional

Atenas, Grécia – Um avanço recente em uma política comum de asilo na União Europeia faz pouco para evitar a morte de requerentes de asilo que cruzam o Mar Mediterrâneo em navios perigosamente superlotados, disseram especialistas em migração à Al Jazeera.

Esse perigo veio à tona em 14 de junho, quando acredita-se que mais de 500 requerentes de asilo tenham se afogado após o naufrágio de sua traineira a 75 quilômetros da costa oeste da Grécia. A embarcação havia saído da Líbia com destino à Itália.

Uma semana antes, os governos da UE chegaram a um acordo inicial sobre as regras para o processamento de pedidos de asilo e para a divisão da carga de asilo em todo o bloco.

Estes são capítulos-chave de um pacto de migração em discussão nos últimos oito anos, mas o acordo envolve apenas como os Estados compartilham a responsabilidade quando alguém cruza a fronteira externa.

Não aborda a questão de como impedir essas travessias de países como a Turquia e a Líbia que fazem fronteira com a UE.

“Tem que haver engajamento contínuo com terceiros países, e tem que haver incentivos [for them to take people back]”, disse um especialista em imigração com conhecimento das negociações, que falou à Al Jazeera sob condição de anonimato. “Cabe a nós ir lá e conversar.”

Os signatários da Convenção de Genebra sobre o Estatuto dos Refugiados de 1951, que inclui a UE, podem conceder asilo aos refugiados ou devolvê-los a um terceiro país seguro.

Enviá-los para um local onde correm risco é chamado de repulsão.

“Muitos países – uma grande maioria de estados – querem fortalecer esse conceito… foi acordado que retornaremos à discussão em um ano”, disse um diplomata de Bruxelas envolvido nas negociações.

Em teoria, uma política de países terceiros seguros estaria em vigor até 2026, quando o pacto de migração entraria em vigor.

Até que a UE se envolva com terceiros países para negociar os termos de retorno, dizem os especialistas, o bloco terá pouca opção a não ser resgatar aqueles que partiram para o outro lado do mar, e essas pessoas terão um forte incentivo para fazê-lo.

“Quarenta e cinco por cento dos requerentes de asilo [in the EU] receber asilo”, disse o diplomata de Bruxelas à Al Jazeera sob condição de anonimato.

“Os demais devem voltar para casa, mas na prática isso não acontece porque o país deles não os aceita ou se recusam a ir. Noventa por cento dos asilados recusados ​​permanecem, e isso é um grande impulsionador do tráfico ilegal”, acrescentou o diplomata.

O pequeno milagre da solidariedade

Os acordos iniciais deste mês ainda são de vital importância porque resolvem uma tensão de anos entre os estados que absorvem fluxos migratórios nas fronteiras sul e leste da UE e aqueles que desfrutam da relativa calma do interior.

De acordo com as regras da UE, os refugiados devem solicitar asilo no estado da UE onde chegaram pela primeira vez.

A Grécia e outros estados da linha de frente no Mediterrâneo há muito buscam um mecanismo de solidariedade que obrigue os estados do interior a compartilhar o ônus dos solicitantes de asilo.

O acordo sobre esse mecanismo, denominado Regulamento de Gestão da Migração de Asilo (AMMR), foi um pequeno milagre, dado que a ideia foi rejeitada desde que foi apresentada pela primeira vez pela Comissão Juncker em fevereiro de 2015.

O AMMR propõe que um mínimo de 30.000 requerentes de asilo sejam realocados em toda a UE.

Países com populações maiores e economias maiores absorveriam mais candidatos do que aqueles com populações e produto interno bruto (PIB) menores.

Os Estados membros podem recusar (e Polônia, Hungria, Tchequia, Áustria, Dinamarca e Eslováquia se recusaram a participar de um esquema voluntário inicial em setembro de 2015), mas agora devem pagar 20.000 euros (quase US$ 22.000) por cada candidato que recusarem.

O dinheiro pagaria o retorno e a reabilitação dos refugiados em terceiros países seguros, diz o especialista.

Permitir aos países margem de manobra em relação ao tipo de ajuda que eles oferecem pode ter fechado o acordo, mas especialistas em direitos dizem que a flexibilidade prejudica a Convenção de Genebra.

“Um Estado decide de acordo com seus meios e ideologia, não de acordo com suas obrigações ou responsabilidades ou [legal] direitos”, disse Nadina Christopoulou, fundadora da Melissa Network, uma organização de mulheres migrantes em Atenas.

Agora, disse ela, “quem paga decide [whether to accept asylum applications]”.

“Todos nós temos o direito de pedir asilo – todos, em todos os lugares… aqui, esquecemos o que significa um direito”, disse Lefteris Papagiannakis, diretor do Conselho Grego para Refugiados, uma importante ONG de assistência jurídica.

Manifestantes seguram faixa durante manifestação
Manifestantes seguram faixa durante manifestação em Atenas [File: Louiza Vradi/Reuters]

Mas o que é um estado de linha de frente?

Um milhão de requerentes de asilo entraram na Europa em 2015, mais de 800.000 deles através da Grécia. O esquema de realocação voluntária naquele ano levou pouco menos de 30.000 requerentes de asilo da Grécia e da Itália.

Mas os eventos recentes complicaram a discussão sobre o que é um estado de linha de frente.

“Você não pode ter um mecanismo com peso voltado para o sul. O clima está mudando muito rápido”, disse o especialista.

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, forjou uma crise de refugiados nas fronteiras de seu país com a Polônia e a Lituânia em 2021, transportando requerentes de asilo iraquianos do Oriente Médio para Minsk e levando-os de ônibus até a fronteira. E a guerra na Ucrânia enviou seis milhões de refugiados ucranianos para a UE.

Polônia Bielorrússia
Refugiados e migrantes se reúnem na fronteira bielorrusso-polonesa em Kuznica [File: Oksana Manchuk/BELTA/AFP]

“Todo mundo quer ser um beneficiário líquido. Os tchecos, por exemplo, querem ser considerados um estado de linha de frente”, disse o especialista.

A migração secundária também turvou as águas. Os migrantes irregulares que entram na UE sem documentos aparecem nos estados do interior e solicitam asilo.

O mecanismo de solidariedade funcionará em todas as direções e poderá produzir resultados surpreendentes.

“Se a Grécia continuar a ter fluxos reduzidos … e os pedidos de asilo continuarem a fluir na Europa de requerentes indocumentados, a Grécia pode acabar sendo um destinatário líquido”, disse o especialista.

Grécia como ‘tubo de ensaio’

O pacto está codificando regras concebidas e aplicadas pela primeira vez na Grécia pelas autoridades gregas e da UE, disse o especialista.

“A Grécia tinha uma nova [border] procedimento que incluiu [the European Border and Coast Guard] Frontex, [the European Asylum Support Office] EASO, polícia, o [Greek] Serviço de Asilo, o [Greek First] Recepção [Service]então uma mistura de órgãos gregos e europeus”, disse o especialista.

“Houve uma triagem de segurança, um exame médico e uma avaliação de vulnerabilidade. O pedido de asilo foi então arquivado e houve um processo de streaming … algumas pessoas foram consideradas inelegíveis para solicitar asilo, outras eram elegíveis, mas tiveram que permanecer na ilha onde chegaram, outras foram classificadas como vulneráveis ​​e podiam viajar livremente na Grécia – uma triagem baseada nas regras que tínhamos. Isso é essencialmente o que o pacto está consolidando… A Grécia é um tubo de ensaio.”

Por que, se essas regras estão efetivamente em vigor há anos, demorou tanto para padronizá-las?

As crises podem ter desempenhado um papel. As crises da Ucrânia e da Bielo-Rússia foram precedidas por uma crise entre a Grécia e a Turquia em 2020, depois que a Turquia disse que não cumpriria mais um acordo com a UE para reter e readmitir migrantes indocumentados.

Muitos formuladores de políticas acreditam que as crises de refugiados turcos, bielorrussos e ucranianos tiveram como objetivo exercer pressão política sobre a UE.

“O critério básico é que a migração esteja constantemente em pauta”, disse o diplomata.

“Você tem crises uma após a outra, e o reconhecimento de que a migração faz parte da discussão política interna de cada país… saiu pela janela.

“E ainda não acabou”, disse ele. “Temos discussões muito difíceis pela frente.”


Com informações do site Al Jazeera

Compartilhe este post
Canal da SorteMacedo CarnesSabores da TerraCitopatologista Dra JosileneAri ClinicaAfonsinho AmaranteFinsolComercial Sousa Netoclinica e laboratorio sao goncaloCetec AmaranteEducandario Menino JesusMercadinho AfonsinhoPax Uni~ão AmarantePax Uni~ão AmaranteDr. JosiasPier RestobarPax Uni~ão AmaranteHospital de OlhosIdeal Web, em AmaranteMegalink AmaranteSuper CarnesInterativa