Juiz tunisiano liberta dois principais opositores do presidente Saied

Juiz tunisiano liberta dois principais opositores do presidente Saied

Internacional

Chaima Issa e Lazhar Akremi foram libertados quase 5 meses após a prisão por supostamente conspirar contra a segurança do Estado.

Um juiz tunisiano libertou dois proeminentes opositores políticos do presidente Kais Saied, quase cinco meses depois de terem sido presos por suspeita de conspirar contra a segurança do Estado, disse sua advogada Monia Bouali à agência de notícias Reuters.

Chaima Issa e Lazhar Akremi foram libertados na quinta-feira após sua detenção em fevereiro junto com outros 20 líderes políticos em uma repressão à oposição do país. Ambos foram acusados ​​de “conspiração contra a segurança do Estado”.

Issa é líder da Frente de Salvação, principal coalizão de oposição a Saied, que organizou protestos contra ele nos últimos dois anos. Akremi, um advogado que serviu como ministro após a revolução de 2011 na Tunísia, tem sido uma importante voz crítica contra Saied.

Antes do veredicto do juiz, dezenas de famílias de prisioneiros protestaram perto do tribunal em Túnis, exibindo fotos dos detidos e pedindo sua libertação.

Após sua libertação da prisão, Issa gritou: “Abaixo o golpe. Abaixo Kais Saied”.

“A injustiça contra o resto dos prisioneiros deve acabar… Prender os dissidentes não resolverá os problemas da Tunísia”, disse Issa à Reuters.

“Paguei o preço, mas devemos continuar”, acrescentou.

A equipe de defesa de Issa e Akremi disse em comunicado que o juiz de instrução decidiu “libertar Chaima Issa e também respondeu ao pedido do comitê de defesa para a libertação de Lazhar Akremi”.

O desembargador rejeitou o pedido da equipe para a libertação de outros opositores políticos.

Os principais partidos da oposição denunciaram as prisões de seus líderes como motivadas politicamente, e grupos de direitos humanos instaram as autoridades a libertar os detidos.

Saied os descreveu como “terroristas” e traidores e diz que os juízes que os libertarem estariam favorecendo seus supostos crimes.

Saied congelou o parlamento e demitiu o governo em um movimento dramático de julho de 2021 contra a única democracia a emergir dos levantes da Primavera Árabe. Ele governou por decreto de setembro de 2021 a março de 2023, que alegou ser necessário para salvar o país do caos e da corrupção.

Seus críticos apelidaram a medida de “golpe”, enquanto grupos de direitos humanos condenaram uma “caça às bruxas” destinada a “reprimir” a liberdade de opinião no país do norte da África.

Além da crise política desencadeada pela tomada do poder por Saied, a Tunísia foi abalada por uma grave crise financeira e está em busca de ajuda externa.

Na quarta-feira, parlamentares europeus expressaram sua oposição a qualquer “acordo incondicional” entre a União Europeia e a Tunísia, citando “os excessos” de Saied.

Eles pediram às autoridades tunisinas que “libertem os oponentes presos arbitrariamente, defendam os direitos dos cidadãos tunisinos e apoiem sua luta pela democracia”.


Com informações do site Al Jazeera

Compartilhe este post
Macedo CarnesSabores da TerraCitopatologista Dra JosileneAri ClinicaAfonsinho AmaranteFinsolComercial Sousa Netoclinica e laboratorio sao goncaloCetec AmaranteEducandario Menino JesusMercadinho AfonsinhoAlternância de BannersPax Uni~ão AmarantePax Uni~ão AmaranteDr. JosiasPier RestobarPax Uni~ão AmaranteHospital de OlhosIdeal Web, em AmaranteMegalink AmaranteSuper CarnesInterativa