Coreia do Norte critica decisão dos EUA de enviar submarinos nucleares à península

Coreia do Norte critica decisão dos EUA de enviar submarinos nucleares à península

Internacional

Pyongyang também acusou os aviões espiões dos EUA de violar seu espaço aéreo e alertou que tais aeronaves podem ser abatidas.

A Coreia do Norte condenou um plano dos Estados Unidos de implantar um submarino com mísseis nucleares em águas próximas à península coreana, alertando que a medida pode incitar um conflito atômico devastador.

Em um comunicado divulgado pela Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA) na segunda-feira, um porta-voz do Ministério da Defesa norte-coreano disse que o plano de Washington – acordado pelos líderes dos EUA e da Coreia do Sul durante uma cúpula de abril – introduziria armas nucleares estratégicas dos EUA à península coreana pela primeira vez desde 1981.

“Esta é uma situação muito perigosa, pois levará a tensão militar regional a um estado mais crítico e pode incitar a pior crise de conflito nuclear na prática”, disse o porta-voz não identificado.

O plano dos EUA é uma flagrante chantagem nuclear contra a Coreia do Norte, bem como contra os países da região, e representa uma grave ameaça à paz, disse a KCNA.

“Depende das ações futuras dos EUA se surgir uma situação extrema na região da península coreana que ninguém deseja, e os Estados Unidos serão totalmente responsabilizados se ocorrer qualquer situação inesperada”, afirmou.

O presidente dos EUA, Joe Biden, e seu homólogo sul-coreano, Yoon Suk-yeol, concordaram em Washington em abril que um submarino de mísseis balísticos com armas nucleares da Marinha dos EUA visitará a Coreia do Sul, embora nenhum cronograma tenha sido dado para tal visita.

A visita faz parte de um esforço para impulsionar a implantação de ativos estratégicos dos EUA para responder de forma mais eficaz ao programa de mísseis balísticos e nucleares da Coreia do Norte.

Um submarino de mísseis de cruzeiro movido a energia nuclear dos EUA chegou ao porto de Busan, na Coréia do Sul, no mês passado, enquanto em junho, um bombardeiro estratégico B-52 dos EUA participou de exercícios militares aéreos com a Coréia do Sul em uma demonstração de força após o lançamento fracassado da Coréia do Norte. de um satélite espião.

Pyongyang disse que a decisão dos EUA de usar submarinos nucleares criou uma “situação muito perigosa que nos torna impossível não aceitar realisticamente o pior cenário possível de um confronto nuclear”.

Também alegou que aviões de reconhecimento dos EUA violaram recentemente seu espaço aéreo perto da costa leste, alertando que “não há garantia de que um incidente chocante em que um avião de reconhecimento estratégico da força aérea dos EUA é abatido sobre o Mar do Leste não acontecerá”.

O comunicado citou incidentes anteriores em que a Coreia do Norte abateu ou interceptou aeronaves dos EUA na fronteira com a Coreia do Sul e ao largo da costa.

As ameaças norte-coreanas ocorreram enquanto Yoon se preparava para participar de uma cúpula anual da OTAN realizada este ano em Vilnius, Lituânia, na terça e quarta-feira.

É o segundo ano consecutivo em que o líder sul-coreano participará da cúpula, reforçando seu esforço para aprofundar os laços com a maior aliança militar do mundo.

Antes de sua partida, Yoon, em comunicado à agência de notícias Associated Press, disse que era hora de a comunidade internacional mostrar que sua “determinação de deter o programa de armas nucleares da Coreia do Norte é mais forte do que o desejo da Coreia do Norte de desenvolver armas nucleares”.

Yoon disse que a Coreia do Sul enfatizará na reunião da OTAN a importância da cooperação internacional contra “atos ilegais da Coreia do Norte”.

Ele também disse que um novo documento OTAN-Coreia do Sul entrará em vigor na cúpula para institucionalizar a cooperação em 11 áreas, incluindo não proliferação e segurança cibernética.

A discussão de Yoon sobre a Coreia do Norte com os líderes da OTAN pode desencadear uma reação de Pyongyang, que já chamou o aumento da cooperação entre a OTAN e os aliados dos EUA na Ásia como um processo para criar uma “versão asiática da OTAN” que, segundo ele, aumentaria as animosidades regionais.

A Coreia do Norte argumenta que sua onda de testes de armas é um esforço para aumentar a defesa diante da expansão dos exercícios militares sul-coreanos-americanos que ela vê como ensaios para a invasão. Yoon diz que quer optar pela paz pela força, mas permanece aberto ao diálogo com a Coreia do Norte.

“A paz nunca é tão certa e confiável quanto quando é apoiada por força e dissuasão poderosas”, acrescentou Yoon. “Fortes sanções internacionais contra a Coreia do Norte têm o efeito de impedir o avanço de suas capacidades nucleares e de mísseis.”

Yoon participará da cúpula da OTAN junto com os líderes do Japão, Austrália e Nova Zelândia, um sinal de fortalecimento dos laços entre a OTAN e as nações da região da Ásia-Pacífico. Os quatro países também foram convidados para a cúpula do ano passado.


Com informações do site Al Jazeera

Compartilhe este post
consultoria natura avonSabores da TerraCasa da Roca e PetCitopatologista Dra JosileneAri ClinicaAfonsinho AmaranteFinsolComercial Sousa Netoclinica e laboratorio sao goncaloCetec AmaranteEducandario Menino JesusMercadinho AfonsinhoAlternância de BannersPax Uni~ão AmarantePax Uni~ão AmaranteDr. JosiasPier RestobarPax Uni~ão AmaranteHospital de OlhosIdeal Web, em AmaranteMegalink AmaranteSuper CarnesInterativa