AMARANTE

Economia

Comparador gratuito de cartões de crédito chega ao mercado!

Publicado em

Economia

Comparador gratuito de cartões de crédito

Comparador gratuito de cartões de crédito – Quem realiza muitas compras no dia a dia sabe que escolher o próprio cartão de crédito está longe de ser uma tarefa simples. Além da dificuldade para encontrar opções com benefícios, quando a decisão é tomada sem cuidado, o consumidor pode acabar em uma situação complicada: o limite oferecido pelo banco pode não ser o melhor, há chances de o cartão não cobrir transações internacionais e, na pior das hipóteses, as taxas de anuidade e juros gerarão bastante stress. Mas, afinal, como fazer uma boa escolha sem medo?

Uma ferramenta lançada recentemente pela startup Melhor Plano promete auxiliar os consumidores a descobrir, em poucos cliques, quais opções de cartão oferecem os benefícios que estão procurando, como milhas e cashback.

Basta acessar o comparador de cartões de crédito do site e filtrar as ofertas pela barra lateral esquerda de acordo com critérios como: renda mínima mensal, anuidade, benefícios e cobertura. A ferramenta é totalmente gratuita e apresenta informações de mais de 200 cartões de 40 emissores diferentes.

Leia Também:  Mega-Sena: aposta de Teresina leva prêmio de R$ 41 milhões

O usuário interessado em informações adicionais sobre os cartões também pode conferir clicando no botão “Mais Detalhes”. Nesse espaço, é possível encontrar um panorama sucinto, mas completo, contendo suas características básicas, benefícios (tanto do cartão quanto da bandeira), dados relativos à sua anuidade e um botão para o site do banco em questão. Para facilitar ainda mais o processo de escolha, o internauta pode ordenar todas as ofertas sugeridas com o filtro superior à direita, que organiza os resultados pela menor anuidade, renda ou nome.

Lançamento marca nova aposta do Melhor Plano

Embora seja o primeiro comparador de um serviço financeiro da empresa, o Melhor Plano já é consolidado na comparação de planos de telecom. Para se ter uma ideia, até o momento, mais de 30 milhões de pessoas foram impactadas por seus comparadores, que variam entre planos de internet móvel, banda larga, TV por assinatura, combo e telefone fixo. A nova ferramenta, assim, marca os primeiros passos rumo à expansão de sua área de atuação e segue a missão da startup de ajudar os consumidores a tomarem decisões mais assertivas.

Leia Também:  Conab: Programa Modernização do Mercado Hortigranjeiro tem 1º boletim

“Mesmo após anos trabalhando apenas com o setor de telecomunicações, o investimento em novas vertentes tem sido um caminho natural, já que nosso maior foco sempre foi auxiliar as pessoas a economizarem”, destaca Felipe Byrro, co-fundador do Melhor Plano. “Sabemos que, com tantos bancos digitais surgindo nos últimos tempos, fica difícil compará-los e identificar qual é o melhor para si. Queremos nos consolidar ainda mais como esse espaço que dá ao consumidor mais clareza nas informações, lhe revelando oportunidades baratas e de qualidade”. E já adianta que, em breve, a ideia é ampliar a comparação de serviços financeiros ainda mais, por meio de novidades como um comparador para contas bancárias e empréstimo pessoal — ambos em desenvolvimento dentro da startup.

Comparador gratuito de cartões de crédito
COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Economia

Contas externas têm saldo negativo de US$ 5,9 bilhões em dezembro

Publicados

em


As contas externas tiveram saldo negativo de US$ 5,9 bilhões em dezembro, informou hoje (26) o Banco Central (BC). No último mês de 2020, o déficit foi de US$ 8,5 bilhões nas transações correntes, que são as compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda com outros países.

Com o resultado, o Brasil fechou 2021 com um déficit de US$ 28,1 bilhões em transações correntes, o que representa 1,75% do Produto Interno Bruto (PIB), ante US$ 24,5 bilhões (1,69% do PIB) em 2020.

O BC disse que o aumento no déficit, de US$ 3,6 bilhões, se deu em razão da ampliação de US$ 12,2 bilhões no déficit de renda primária, compensado parcialmente por aumentos de US$ 3,8 bilhões no superávit comercial e de US$ 1 bilhão no superávit da renda secundária e redução de US$ 3,8 bilhões no déficit em serviços.

Ainda de acordo com o Banco Central, o Investimento Direto no País (IDP) registrou uma saída líquida de US$ 3,935 bilhões em dezembro. No mesmo mês de 2020, houve ingresso líquido de US$ 1,1 bilhão. A estimativa do BC para o mês era de ingressos líquidos de US$ 3 bilhões.

O banco disse que a participação no capital, como compra de novas empresas e reinvestimentos de lucros, foi negativa em US$ 2,3 bilhões. Enquanto as operações intercompanhia (como os empréstimos da matriz no exterior para a filial no Brasil) registraram saídas líquidas de US$ 1,6 bilhão no mês.

No ano de 2021, o IDP totalizou ingressos líquidos de US$ 46,4 bilhões (2,89% do PIB), ante US$ 37,8 bilhões (2,61% do PIB) em 2020.

Quando o país registra saldo negativo em transações correntes, precisa cobrir o déficit com investimentos ou empréstimos no exterior. A melhor forma de financiamento do saldo negativo é o IDP, porque os recursos são aplicados no setor produtivo e costumam ser investimentos de longo prazo.

Assim, o resultado de 2021 do IDP é suficiente para cobrir o déficit em conta corrente de 1,75% do produto nos 12 meses.

Leia Também:  Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em agosto

Balança comercial e serviços

A balança comercial de bens foi superavitária em US$ 2,7 bilhões no mês de apuração, ante déficit de US$ 1,9 bilhão em dezembro de 2020. As exportações de bens totalizaram US$ 24,6 bilhões e as importações de bens, US$21,9 bilhões, incrementos de 32,2% e 6,7% em comparação a dezembro de 2020.

As importações no âmbito do Repetro (regime aduaneiro especial) somaram US$ 222 milhões em dezembro de 2021, ante US$ 3,8 bilhões em dezembro de 2020.

No ano de 2021 as exportações somaram US$ 283,3 bilhões, aumento de 34,7% ante os US$ 210,7 bilhões observados em 2020. As importações somaram US$ 247,6 bilhões, aumento de 38,9% em relação aos US$ 178,3 bilhões observados em 2020.

O Repetro é o regime aduaneiro especial que suspende a cobrança de tributos federais de exportação e de importação de bens que se destinam às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e gás natural, principalmente as plataformas de exploração.

O déficit na conta de serviços (viagens internacionais, transporte, aluguel de equipamentos e seguros, entre outros) somou US$ 1,9 bilhão em dezembro de 2021, aumento de 11,7% em relação a dezembro de 2020.

A conta de viagens internacionais registrou despesas líquidas de US$ 413 milhões, ante US$74 milhões em dezembro de 2020. Aluguel de equipamentos registrou despesas líquidas de US$ 640 milhões, redução de 31,9% na comparação com dezembro de 2020.

A conta de transportes registrou despesas líquidas de US$ 541 milhões, ante US$ 310 milhões em dezembro de 2020, seguindo a tendência de expansão da corrente de comércio exterior. No ano de 2021 o déficit em serviços somou US$ 17,1 bilhões, redução de 18,3% comparativamente ao déficit de 2020, US$ 20,9 bilhões.

O recuo de US$ 3,8 bilhões decorreu, principalmente, da redução nas despesas líquidas de aluguel de equipamentos (US$ 5,1 bilhões, contração de 42,6%), influenciada pela nacionalização de equipamentos no âmbito do Repetro.

Os investimentos diretos no exterior (IDE) apresentaram desinvestimentos líquidos de US$ 3,9 bilhões em dezembro de 2021, ante aplicações líquidas de US$ 1,1 bilhão em dezembro de 2020.

Leia Também:  Mega-Sena: aposta de Teresina leva prêmio de R$ 41 milhões

Em 2021, os fluxos de IDE totalizaram aplicações líquidas de US$ 19,2 bilhões, ante desinvestimentos líquidos de US$ 3,5 bilhões em 2020. O resultado deveu-se, principalmente, às aplicações em participação no capital, que somaram US$ 19,3 bilhões em 2021, ante desinvestimentos líquidos de US$ 4,8 bilhões em 2020.

Rendas

Em dezembro de 2021, o déficit em renda primária (lucros e dividendos, pagamentos de juros e salários) chegou a US$ 6,9 bilhões, ampliação de 37,6% ante os US$ 5 bilhões no mesmo mês de 2020.

Normalmente, essa conta é deficitária, já que há mais investimentos de estrangeiros no Brasil, que remetem os lucros para fora do país, do que de brasileiros no exterior.

As despesas líquidas de lucros e dividendos, associadas aos investimentos direto e em carteira, totalizaram US$ 4,6 bilhões, aumento de 105% em relação a dezembro de 2020. As despesas líquidas com juros somaram US$ 2,4 bilhões, ante US$ 2,8 bilhões em dezembro de 2020.

No ano de 2021 o déficit em renda primária totalizou US$ 50,5 bilhões, 31,9% acima do déficit de US$ 38,3 bilhões ocorrido em 2020. As despesas líquidas de lucros e dividendos somaram US$ 29,8 bilhões em 2021, 77,4% superiores ao valor observado em 2020, enquanto as despesas líquidas de juros somaram US$ 20,7 bilhões, patamar ligeiramente inferior aos US$ 21,6 bilhões de 2020.

Em dezembro, o estoque das reservas internacionais somou US$ 362,2 bilhões, redução de US$ 5,6 bilhões em comparação a novembro de 2021. O resultado decorreu, principalmente, em decorrência da liquidação de US$ 4,8 bilhões em vendas à vista e US$ 1,5 bilhão em concessão líquida em linhas com recompra. No ano, as reservas internacionais cresceram US$ 6,6 bilhões.

Edição: Denise Griesinger

COMENTE ABAIXO:



Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA