Cidade de tendas erguida fora do Knesset israelense antes da votação judicial

Cidade de tendas erguida fora do Knesset israelense antes da votação judicial

Internacional

Jerusalém Ocidental – Centenas de manifestantes montaram um acampamento fora do Knesset israelense em meio a esforços de última hora para interromper as controversas reformas judiciais do governo.

Os legisladores começaram um debate sobre a primeira parte importante das reformas no domingo, com uma votação prevista para ocorrer na segunda-feira.

O projeto de lei restringiria os poderes da Suprema Corte ao impedir que os juízes anulassem as decisões do governo por serem “irracionais”.

O governo diz que as reformas judiciais são necessárias para limitar os poderes dos juízes, mas os oponentes dizem que são uma ameaça à democracia.

O acampamento de protesto improvisado foi construído na noite de sábado em um grande parque municipal em frente ao Knesset, em Jerusalém Ocidental, depois que dezenas de milhares de israelenses completaram uma marcha de Tel Aviv a Jerusalém.

Sapir, um estudante de biologia da Universidade Bar-Ilan que se juntou à marcha de protesto de Tel Aviv a Jerusalém na sexta-feira, disse: “Estava muito quente e emocionante. [seeing] a oposição de toda a nação [along with] pessoas trazendo água e comida e cuidando de todas as nossas necessidades.”

Benny Gantz, um importante líder da oposição, visitou o acampamento e procurou tranquilizar os manifestantes de que a oposição continuaria a se opor à legislação.

“A hora da emergência não está a caminho, já chegou e todos nós precisamos entrar em greve agora”, implorou Tali Gilan a Benny Gantz.

Gilan, assistente social e arteterapeuta de Pardes Hannah, juntou-se à marcha na sexta-feira em sua etapa final para Jerusalém e passou a noite no acampamento.

“Não posso falar com minhas filhas… como posso dizer a elas para serem sionistas em um estado como este?” Gilan disse a Gantz, implorando-lhe para boicotar o debate do Knesset.

“Você conhece os números… é de 56 a 64”, respondeu Gantz à multidão reunida, referindo-se à situação numérica da oposição no Knesset ou parlamento de 120 assentos.

Ele defendeu sua decisão de seguir para o parlamento, citando a promessa da oposição de “[do] tudo o que pudermos” para retardar a votação, observando que, se um boicote fosse realizado, o projeto de lei poderia ser aprovado “em sete minutos”.

Cercado por manifestantes expressando sua frustração pelo fato de a oposição não estar fazendo o suficiente, ele tentou tranquilizar a multidão de que eles estavam unidos.

“Concordamos com os mesmos objetivos – um Israel judeu livre e democrático”, disse ele, encorajando-os a “manter [the] protesto”.

Gantz com os manifestantes
Líder da oposição israelense Benny Gantz falando com manifestantes [Eliyahu Freedman/Al Jazeera]

Ausente dos procedimentos do Knesset no domingo estava o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que estava sob supervisão no Sheba Medical Center depois de ter colocado um marca-passo.

Seu gabinete disse que o primeiro-ministro seria dispensado na segunda-feira, depois que o procedimento cardíaco de emergência atrasou sua reunião semanal de gabinete, uma reunião com o chefe do Estado-Maior do Exército de Israel, Herzl Halevi, e uma visita histórica planejada à Turquia.

A crise sobre as reformas se espalhou por toda a sociedade israelense, incluindo os militares, onde os reservistas ameaçaram não se apresentar ao serviço se as reformas não fossem interrompidas. Vários ex-oficiais de segurança e militares, incluindo três ex-chefes de gabinete do exército, alertaram que as reformas estavam prejudicando os militares e a segurança do país.

“Colocamos total responsabilidade em você, primeiro-ministro Netanyahu, por corroer o [army] e comprometendo a segurança de Israel”, escreveram eles em uma carta.

Reunião de apoiadores

Apoiadores de direita das reformas judiciais planejavam um grande protesto apoiando a legislação em Tel Aviv, onde os protestos antigovernamentais começaram há 29 semanas.

Haggai Matar, diretor executivo da revista +972, disse à Al Jazeera que “70% dos [advertised] ônibus para o [Tel Aviv] protestos vêm de assentamentos… e não são grandes assentamentos [like Ariel]… [but the] distantes pequenas cidades que são as mais extremas.”

“As pessoas que estão realmente dispostas a ir e lutar por isso é o direito religioso[-wing]” e seus apoiadores no governo, disse ele.

Comida foi preparada para os manifestantes
Cozinhas são montadas no acampamento de protesto [Eliyahu Freedman/Al Jazeera]

Ao redor do parque bem conservado pelo parlamento no domingo, a improvisada “cidade de tendas” viu mais comodidades em construção, como grandes persianas sendo construídas, já que a temperatura em Jerusalém está pairando em torno de 35C (95F) no meio do dia esta semana.

Cozinhas com enormes sobras de comida e uma estação elétrica para carregar telefones já foram montadas.

Observando as cenas da “cidade de tendas” estava um dos jardineiros do parque, um palestino de Jerusalém que não quis ser identificado para este artigo.

“Tenho esperança no futuro, mas não por causa dos protestos”, disse o jardineiro. “A democracia deixou há muito tempo para os palestinos.”

Manifestantes perto da cidade de tendas
Manifestantes perto da cidade de tendas em Jerusalém Ocidental [Eliyahu Freedman/Al Jazeera]


Com informações do site Al Jazeera

Compartilhe este post
Canal da SorteMacedo CarnesSabores da TerraCitopatologista Dra JosileneAri ClinicaAfonsinho AmaranteFinsolComercial Sousa Netoclinica e laboratorio sao goncaloCetec AmaranteEducandario Menino JesusMercadinho AfonsinhoPax Uni~ão AmarantePax Uni~ão AmaranteDr. JosiasPier RestobarPax Uni~ão AmaranteHospital de OlhosIdeal Web, em AmaranteMegalink AmaranteSuper CarnesInterativa