AMARANTE

Internacional

Robô mata o vírus do ebola usando o poder da luz

Avatar

Publicado em

Internacional

O ebola se tornou uma epidemia na África, devastando centenas de vidas. Também surgiram alguns casos isolados nos EUA e Europa, que estão mais preparados para lidar com a doença. Além de instalações médicas mais avançadas, eles podem contar com este robozinho que mata o vírus do ebola usando luz ultravioleta.

Você já conhece os raios UV-A e UV-B, que deixam a pele bronzeada ou causam queimaduras, dependendo de sua intensidade. No entanto, o robô da Xenex produz ultravioleta-C, que é normalmente filtrada pela camada de ozônio da Terra.

Por causa disso, bactérias e vírus não têm defesas contra os raios UV-C: o DNA deles absorve a luz e sofre danos, matando os germes e impedindo que eles infectem outras pessoas.

O vídeo acima demonstra como ele é utilizado: primeiro, o enfermeiro expõe todas as superfícies de contato – laterais da cama, gavetas etc. – para a luz ultravioleta ter mais eficácia. Depois, ele coloca um cone preto próximo à porta do quarto: dessa forma, o robô pode detectar movimentos e parar de funcionar caso entre alguém (raios UV-C são danosos para humanos também).

Leia Também:  País pode perder até R$ 331 bi com Libra, diz Ildo Sauer

Há ainda um cone laranja para colocar fora do quarto: ele alerta que ninguém pode entrar, e avisa quando o robô tiver terminado seu trabalho. Também é possível interromper manualmente a emissão de UV-C usando este cone. Vale notar que essa luz ultravioleta não pode atravessar paredes, vidro ou janelas.

Este robô está sendo usado em Dallas, onde os médicos estão tratando o primeiro paciente do ebola nos EUA. No entanto, ele pode matar outros germes, como C. difficile (que causa inflamação do cólon) e MRSA.

Fonte:MSN

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Internacional

Situação do continente Africano na pandemia: entenda!

Avatar

Publicados

em

Desde que o coronavírus começou a se espalhar pelo mundo, os países tomaram atitudes diversas para reduzir a taxa de contaminação. Mas o que aconteceu na África? Entenda a situação do continente africano na pandemia.

O desenvolvimento da doença
Quando a pandemia mostrou seus primeiros sinais, ainda no ano passado, grandes líderes mundiais demonstraram preocupação com a situação do continente africano. Afinal, trata-se de uma região com recursos limitados.
Entretanto, para surpresa de todos, a África tem mostrado uma resposta diferente da prevista, com índices de contaminação e mortes muito menor do que visto em países como o Brasil, que tem uma população menor.
Os cientistas ainda estudam uma explicação para o baixo desenvolvimento da doença, e já conseguem elencar alguns fatores que podem impactar na situação.

Além de ter uma população mais jovem, a África passou recentemente pela epidemia do Ebola, o que fez com que os países tivessem planos emergenciais prontos.

A situação do continente africano na pandemia também não é tão grave pelo contato das pessoas com o exterior menor do que vemos em outras regiões.

Como fica o turismo no continente
Se a situação do continente africano na pandemia é surpreendentemente positiva, muita gente tem voltado sua atenção para os atrativos turísticos que a região oferece.
Os brasileiros, motivados pela alta do dólar e pelas restrições de viagens aos destinos mais famosos, começaram a perceber as possibilidades oferecidas pela África.
A maioria dos países do continente apresenta restrições moderadas quanto à entrada de turistas, o que faz com que haja a exigência da apresentação de resultado negativo para o teste de Covid-19 e quarentena de alguns dias na chegada ao destino.

Leia Também:  Mais de 430 mortos em onda de calor na Índia

Apesar disso, a situação do continente africano na pandemia permite que o turismo aconteça, ainda que tenha algumas adaptações.

Viajar para a África é possível?
Se você está pensando em viajar para a África e conhecer todas as belezas do local, saiba que essa é uma possibilidade.

Destinos como Egito, África do Sul, Etiópia e Zimbábue são alguns dos países que estão abertos aos turistas com restrições moderadas.

Já a Angola, que é um país com maior procura dos turistas, está com uma situação mais controlada.

Mas o setor de turismo mostra que é possível lidar com as restrições: os melhores hotéis em Benguela, por exemplo, utilizam medidas de proteção sanitária que colocam os turistas em uma condição de baixo risco.

O que saber antes de viajar para a África?
Além de ter certeza sobre a situação do continente africano na pandemia, é importante que o turista brasileiro se atente para alguns detalhes antes de embarcar em uma viagem.

O primeiro deles é o visto de entrada. Os maiores países da África não exigem um visto específico dos moradores do Brasil, mas existe uma parcela grande de destinos que solicita a apresentação da liberação de entrada.

Leia Também:  Aeronave cai com 148 pessoas no sul da França

A melhor forma de saber se o seu destino precisa ou não de visto é pelo Portal Consular do Itamaraty. Basta acessar o site e identificar o país que você pretende visitar para visualizar as informações.

Além disso, o continente africano exige o certificado internacional de vacina, que atesta que o turista foi vacinado contra a febre amarela.

Se você já foi vacinado, pode solicitar seu certificado pela internet. Para aqueles que não foram, a dica é fazer a solicitação no momento da vacinação, na agência de saúde.

Por fim, tenha em mente que apesar da situação do continente africano na pandemia ser positiva, é preciso tomar todos os cuidados para diminuir os riscos para você e para os outros.

Dessa forma, sua viagem será um momento para acumular boas lembranças e fazer uma imersão cultural – coisas que o continente africano tem experiência em oferecer.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA