AMARANTE

Geral

Quase metade da população mundial se preocupa com emissão de carbono em viagens de avião, revela pesquisa

Publicado em

Geral

emissão de carbono pesquisa

A pesquisa Ipsos Global Advisor a respeito das visões globais sobre viagens aéreas e seu impacto ambiental, realizada para o Fórum Econômico Mundial, mostrou que 44% dos entrevistados se preocupam com a pegada de carbono em viagens aéreas. Embora a preocupação seja alta, apenas 14% dos respondentes disseram que usariam um meio de transporte com menor impacto no meio ambiente mesmo que fosse menos conveniente e mais caro. Um número maior de pessoas – 29% dos entrevistados – viajaria de outra maneira se fosse tão conveniente quanto o avião ou não mais caro do que voar.

O Brasil está abaixo da média global, com 34% dos entrevistados com essa preocupação. De acordo com a pesquisa, 13% dos brasileiros abririam mão do avião para reduzir o impacto no meio ambiente, mesmo que fosse menos conveniente e mais caro, e 22% escolheriam outro meio de transporte se fosse tão conveniente quanto o avião ou não fosse mais caro do que voar.

Os dados ainda indicam que a preocupação com o tema está bastante distante do brasileiro, já que mais da metade dos entrevistados (51%) não têm certeza sobre o que fariam.

Leia Também:  Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 70 milhões

A questão ambiental parece ter mais peso para os mais novos. O índice dos que se preocupam com a pegada de carbono das viagens aéreas é de 49% entre os menores de 35 anos, 44% dos entrevistados entre 35 e 49 anos e de 37% dos que têm entre 50 e 74 anos.

O estudo também mostrou que um em cada quatro entrevistados (26%) não escolheria o meio de transporte baseado na pegada de carbono.

“Falamos frequentemente de mudanças climáticas e da corresponsabilidade de muitos agentes: governo, indústria, sociedade etc., mas são poucas situações nas quais pensamos na aviação dentro desse tema. A maioria dos brasileiros não têm certeza do que faria a respeito da pegada de carbono da aviação e muitos podem ser os fatores, desde o desconhecimento à falta de opção, pois mobilidade é um tema de muita restrição ainda, com poucas alternativas”, afirma Rafael Lindemeyer, diretor de clientes na Ipsos.

Confiança

O público global está dividido em três grupos quase do mesmo tamanho quanto à confiança nas companhias aéreas em se comprometer e em ser hábil para reduzir o impacto ao meio ambiente: um terço diz confiar razoavelmente ou muito nessas capacidades das empresas, um terço confia pouco ou nada e um terço se mantém no meio. Essa confiança é mais comum entre os que voam com mais frequência (3 em cada 5).

Leia Também:  Programa de sustentabilidade do Planalto planta ipês em estacionamento

“Para quem voa, com frequência principalmente, existe uma confiança de que as companhias aéreas têm a capacidade de tratar o tema, o que é positivo, dado que estamos em um momento de muita desconfiança em instituições. É uma oportunidade para que a indústria de aviação seja um agente ativo no papel da conscientização dos temas sobre meio ambiente e possa assumir alternativas de resolução”, diz Lindemeyer.

A pesquisa online foi realizada com 19 mil entrevistados em 27 países, incluindo o Brasil, entre 21 de junho e 5 de julho de 2019. A margem de erro para o Brasil é de 3,5 p.p.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Geral

PRF afasta envolvidos na morte de homem sufocado dentro de viatura

Publicados

em

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) anunciou hoje (26) o afastamento dos agentes envolvidos na morte de Genivaldo de Jesus Santos, ocorrida durante uma abordagem feita ontem (25) por policiais rodoviários federais na BR-101, em Sergipe. Em nota, a corporação afirmou que instaurou um processo disciplinar “para elucidar os fatos” e os agentes foram afastados das atividades de policiamento.

“A Polícia Rodoviária Federal informa que está comprometida com a apuração inequívoca das circunstâncias relativas à ocorrência no estado de Sergipe, colaborando com as autoridades responsáveis pela investigação. A PRF instaurou processo disciplinar para elucidar os fatos e os agentes envolvidos foram afastados das atividades de policiamento”, afirmou a PRF em nota.

A Polícia Federal (PF) abriu inquérito para apurar o caso e já iniciou as diligências para esclarecer “o mais breve possível” o ocorrido, conforme afirmou em nota.

Por meio de suas redes sociais, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, disse nesta quinta-feira que determinou que a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal abrissem investigação sobre a ocorrência. “Nosso objetivo é esclarecer o episódio com a brevidade que o caso requer”, escreveu o ministro.

Leia Também:  Após 52 dias em greve, médicos peritos do INSS voltam a trabalhar hoje

Imagens veiculadas na internet mostram a vítima presa dentro de uma viatura esfumaçada. O homem se debate com as pernas para fora enquanto um policial rodoviário mantém a tampa do porta-malas abaixada, impedindo o homem de sair. As suspeitas são de que a fumaça era um gás disparado pelos policiais, o que teria resultado na morte de Genivaldo por asfixia.

Segundo o Instituto Médico Legal (IML) de Sergipe, foi realizada a necrópsia e o material coletado encaminhado ao Instituto de Análises e Pesquisas Forenses (IAPF) para elucidar a causa imediata da morte. Foi identificado de forma preliminar que a vítima teve como causa da morte insuficiência aguda secundária a asfixia.
 

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:



Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA