AMARANTE

Economia

Professoras da USP criam projeto de mentoria para mulheres economistas

Publicado em

Economia


Um grupo de professoras da Universidade de São Paulo (USP) criou um grupo de mentoria para ajudar jovens economistas a entrar no mercado de trabalho. A iniciativa surgiu a partir do grupo de estudo EconomistAs, que faz pesquisas sobre questões de gênero na Faculdade de Economia e Administração da USP.

“A gente sempre desenvolveu algumas iniciativas de mentoria para as alunas de pós-graduação da faculdade, mas tínhamos vontade de fazer um programa mais estruturado”, explica uma das coordenadoras do grupo, a professora Paula Pereda. Parceria firmada com uma plataforma vai permitir a conexão entre os mentores e as jovens profissionais.

São aceitas estudantes ou recém-formadas em economia, até cinco anos após a conclusão da graduação ou da pós (mestrado e doutorado). Os mentores, no entanto, podem ser de qualquer gênero, necessitando apenas de experiência profissional suficiente para auxiliar na inserção das iniciantes na profissão.

Segundo Paula, o projeto tem estrutura com roteiro para a mentoria, formação para os mentores, abordando conteúdos pré-definidos. “Além de aumentar a rede de contatos dos mentores, gerar um networking, a ideia é trabalhar a autoestima e as aspirações de carreira”, detalha.

Leia Também:  Procel economiza 22,7 bilhões de quilowatts-hora em 2021

Serão oferecidas abordagens diferentes para profissionais que querem trabalhar em empresas privadas ou no setor público e para aquelas que preferem seguir carreira acadêmica. “As mentorias vão ser separadas por experiência no setor privado e interesses acadêmicos. Então, vamos ter mentores acadêmicos e mentores que trabalham no setor privado e público, fora da academia”, acrescenta Paula.

O projeto pretende atingir jovens profissionais de localidades com menos disponibilidade de oportunidades. “Alunas de universidades mais renomadas, como a USP, já têm acesso à nossa rede. Então, a ideia é expandir um pouco para as que ficam fora do eixo Rio-São Paulo”, acrescenta a coordenadora.

No futuro, o grupo espera ampliar a proposta para outros com dificuldade de acesso, como pessoas negras.

Até o momento, já se inscreveram mais de 100 profissionais interessadas em receber o apoio e 30 dispostos a serem mentores.

O formulário de inscrição do programa ECONecta está disponível na página do grupo EconomistAs.

Edição: Graça Adjuto

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Não é verdade que bancos perdem dinheiro com PIX, diz presidente do BC

Publicados

em

O presidente do Banco Central (BC) do Brasil, Roberto Campos Neto, disse hoje (11) que não é verdade que os bancos estão perdendo dinheiro com o PIX. De acordo com ele, as instituições financeiras participaram do desenvolvimento da ferramenta de pagamento. Além disso, as eventuais perdas de receita nas transações são compensadas pela abertura de novas contas bancárias e pela menor circulação de papel-moeda.

“Eu quero já dizer que não é verdade que os bancos perdem dinheiro com o PIX. Inclusive, a gente deve, em algum momento, soltar algum tipo de estudo mostrando isso. Você tem uma perda de receita em transferência, mas, por outro lado, novas contas são abertas, novos modelos de negócio são gerados, você retira dinheiro de circulação, o que é um custo enorme para o banco, você aumenta a transação, então o transacional aumenta”, disse, em palestra na 32ª edição da Febraban Tech, evento da Federação Brasileira de Bancos, na capital paulista.

O presidente do BC ressaltou que os bancos entenderam, no processo de construção do PIX, que o sistema seria de “ganha-ganha”, ou seja, todos os participantes sairiam no lucro, e ajudaram na divulgação da ferramenta. “O sistema foi construído por todo o sistema financeiro. Os bancos ajudaram muito, botaram propaganda bonita, fizeram um marketing muito bom.”

Leia Também:  Empréstimo a distribuidoras de energia será de até R$ 10,8 bilhões

Campos Neto ressaltou que a intenção do BC é aumentar a participação da sociedade no sistema bancário nacional. “A gente quer ´bancarizar’, a gente quer competição com inclusão, não é sobre se está ganhando ou está perdendo, todo mundo está ganhando.”

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA