AMARANTE

POLÍTICA

‘Não tenho banqueiro me sustentando’, diz Dilma sobre Marina

Publicado em

POLÍTICA

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, fez provocação nesta terça-feira (9) a Marina Silva e rebateu declaração em que a candidata do PSB afirmou que o governo da petista criou “bolsa banqueiro”. Dilma disse, em evento de campanha em São Paulo, que não tem banqueiro a apoiando nem a sustentando.
A afirmação de Dilma foi feita após ela criticar a proposta defendida por Marina de autonomia do Banco Central. “Não adianta falar que eu fiz bolsa banqueiro. Eu não tenho banqueiro me apoiando. Eu não tenho banqueiro me sustentando”, disse a presidente. Uma das coordenadoras da campanha de Marina, Maria Alice Setubal, conhecida como Neca, é herdeira do banco Itaú.

Mais cedo, Marina havia afirmado, em evento de campanha em Betim (MG), que o governo da petista prometeu baixar os juros mas acabou beneficiando banqueiros. “Nunca os banqueiros ganharam tanto quanto no seu governo [de Dilma]. E agora, eles que fizeram a bolsa empresário, a bolsa banqueiro, a bolsa juros altos, estão querendo nos acusar, de forma injusta, nos seus programas de TV e rádio”, disse Marina.
Dilma também afirmou, durante evento em São Paulo, que a visão de seu governo sobre a economia não muda num eventual segundo mandato, mas admitiu a necessidade se “adaptar às circunstâncias”.

“Tem coisas que o governo não muda. Agora, quem não se adapta às circunstâncias não está fazendo uma política correta. Nós vamos nos adaptar às circunstâncias. Eu tenho certeza que um segundo mandato, se porventura eu for eleita, terá condições conjunturais completamente diversas, porque eu espero que a economia internacional se recupere. Não acho que ela vai continuar andando de lado”, disse Dilma.

Leia Também:  Dilma confirma saída de Mantega se for reeleita

A declaração de Dilma foi dada após ela ser questionada por jornalistas sobre como deve ser o perfil do novo ministro da Fazenda. Na segunda-feira(8), ela afirmou em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo” que o atual chefe da pasta, ministro Guido Mantega, já comunicou que, por motivos pessoais, não permanece no governo num eventual segundo mandato.

Nesta terça, a candidata disse que todo governo novo deve ter “uma equipe nova, um perfil novo”, mas se recusou a traçar o perfil de seu possível futuro ministro. “Eu não posso fazer uma comparação entre pessoas, entre perfis de pessoas. É algo extremamente desagradável. Vou falar para vocês qual o ponto fundamental da visão do meu governo: que não muda.”
Rebaixamento de nota por agência de risco
Dilma também foi questionada várias vezes sobre o rebaixamento, pela agência de classificação de risco Moody’s, do rating (nota) dos títulos do governo brasileiro de “estável” para “negativa”. A candidata não respondeu diretamente à questão, mas frisou que o Brasil é estável do ponto de vista macroeconômico e fez referência aos seus adversários na disputa presidencial.

Leia Também:  Em entrevista dura, Dilma afirma que política econômica está na ‘defensiva’

“A visão do meu governo não muda. Tem uma característica de cláusula pétrea. Nós temos um compromisso: garantir que o Brasil tenha inclusão social, redução da desigualdade, mais emprego e desenvolvimento e ao mesmo tempo ser um Brasil mais moderno, produtivo, competitivo. Agora, que ele seja inclusivo. Isso significa que a nossa posição é completamente diferente dos outros dois candidatos”, declarou.
Segundo ela, seus adversários falam que é objetivo imediato e fundamental pagar a dívida pública. “Eu não sei se vocês sabem, mas nós somos um dos poucos países do G20 que têm dívida pública do tamanho da nossa. Estamos entre o quinto e o sexto país que tem a menor dívida pública no G20. De todos os países do G20, nós temos o segundo maior superávit em termos de país.”
A presidente disse considerar muito fácil falar em diminuir as reservas cambiais, mas lembrou que isso pode trazer a possibilidade de, a cada vez que houver crise internacional, o país ter de voltar a recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI). “Faz 12 anos que não aparecemos para o Fundo Monetário como devedores. Reduzir a reserva para quê? Para voltar a dever ao Fundo Monetário? A troco de quê?”, questionou.

Fonte:G1

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

POLÍTICA

Teresa Britto solicita a compra de equipamentos para Hospital Veterinário da UFPI

Publicados

em


A deputada estadual Teresa Britto (PV) apresentou requerimento solicitando da reitoria da Universidade Federal do Piauí (UFPI) a aquisição e modernização dos aparelhos do Hospital Veterinário Universitário (HVU). O documento foi lido na sessão plenária desta quarta-feira (22) na Assembleia Legislativa.

“O Hospital Universitário está precisando de novos equipamentos como autoclave, lupa fotográfica e muitos outros que são essenciais para o atendimento dos animais que são levados até lá”, disse deputada Teresa Britto.

A parlamentar também apresentou requerimento solicitando da Secretaria Estadual del Desenvolvimento Rural (SDR) a perfuração de um poço tubular no assentamento Serra Dourado e nas localidades Bom Sossego e Soinho, zona rural de Teresina.

Os requerimentos apresentados pela deputada estadual serão votados pelo Plenário da Casa, e quando aprovados, encaminhados os órgãos competentes.

Laryssa Saldanha – Edição: Katya D’Angelles

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Presidente da Alepi recebe visita de cortesia do superintendente da Caixa
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA