Melhorar a cobertura de imunização infantil é crucial para a África

Melhorar a cobertura de imunização infantil é crucial para a África

Internacional

Os líderes africanos não devem permitir que as crianças percam as vacinas que salvam vidas.

Ao marcar a Semana Mundial de Imunização, o UNICEF divulgou na semana passada A Situação Mundial da Infância 2023: Para Cada Criança, Vacinação relatórioenviando um alerta vermelho sobre o declínio acentuado na cobertura de imunização infantil de rotina após a pandemia de COVID-19.

As vacinas provaram ser uma das intervenções de saúde pública mais bem-sucedidas para controlar as infecções mais mortais, mas na África Oriental e Austral, experimentamos um declínio de 6% na cobertura de imunização infantil em comparação com os tempos pré-COVID, com mais de 4,6 milhões de crianças desaparecidas em vacinas que salvam vidas nos últimos três anos, especialmente os marginalizados e os mais pobres.

A pandemia de COVID-19 expôs – e exacerbou – a falta de resiliência e as fragilidades persistentes nos serviços de saúde primários em África. Mesmo antes do início da pandemia, muitos países sofriam com a falta de profissionais de saúde qualificados, acesso limitado a suprimentos e equipamentos essenciais, fraca capacidade de coletar e usar dados e conduzir a vigilância de doenças, escassez local de medicamentos e vacinas essenciais e barreiras ao uso eficiente e eficaz dos recursos disponíveis. Em meio a essa situação já terrível, os esforços de recuperação e recuperação são agora urgentemente necessários para vacinar crianças perdidas e interromper o declínio.

A imunização não é apenas uma questão de saúde, é também uma questão política, socioeconômica e de gênero que requer soluções políticas e econômicas. A UNICEF apela aos líderes africanos em toda a região para agirem agora e tomarem medidas políticas fortes para reduzir a lacuna na vacinação e garantir que todas as crianças sejam imunizadas e protegidas. As decisões políticas corretas e maiores alocações orçamentárias para cuidados primários de saúde para crianças, incluindo imunização, em comunidades carentes na África podem impulsionar nossos esforços em direção a um continente mais saudável, seguro e próspero.

As consequências de não vacinar as crianças podem se tornar mais graves nos próximos anos. O recente ressurgimento do sarampo, cólera e poliovírus na África é um aviso de que precisamos intensificar nossos esforços. A mudança será muito lenta se não reunirmos a vontade política de proteger as crianças contra doenças evitáveis ​​por vacinas. Esforços mais deliberados para investir em programas de imunização de rotina sustentáveis ​​e resilientes salvarão a vida de milhões de crianças.

Além do imperativo moral de fazer o que é melhor para cada criança, investir em imunização também se baseia na percepção de que faz sentido econômico. Apesar da redução dos orçamentos nacionais em alguns países, a imunização deve continuar sendo uma prioridade porque é uma estratégia comprovada para reduzir custos futuros de saúde e apoiar o crescimento econômico.

Embora a África possa e deva fazer mais para melhorar a vacinação, a comunidade global também tem a responsabilidade de fazer um esforço conjunto para alinhar seu apoio às prioridades nacionais e promover soluções caseiras que sejam culturalmente sensíveis e respondam às necessidades das comunidades. Os dias de tamanho único para todas as soluções acabaram – é hora de investir em intervenções de saúde que respondam às necessidades socioeconômicas das crianças e de seus cuidadores. Os doadores podem apoiar mudando de iniciativas específicas para doenças para o fortalecimento de sistemas. Devemos encontrar formas inovadoras de educar os cuidadores, especialmente os pais, e promover o seu envolvimento na imunização de rotina.

Vacinar todas as crianças do continente exigirá um forte compromisso dos governos. Os líderes políticos devem estar prontos para as conversas às vezes difíceis sobre financiamento e compensações desafiadoras sobre a melhor forma de financiar a saúde primária e a imunização e como torná-los mais resistentes a choques futuros. Por quase 80 anos, o UNICEF trabalhou na África com governos e muitos outros parceiros para proteger as crianças contra doenças evitáveis ​​por vacinas. Nossa jornada para salvar vidas deve continuar de mãos dadas com nossos colegas do governo.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.


Com informações do site Al Jazeera

Compartilhe este post
Macedo CarnesSabores da TerraCitopatologista Dra JosileneAri ClinicaAfonsinho AmaranteFinsolComercial Sousa Netoclinica e laboratorio sao goncaloCetec AmaranteEducandario Menino JesusMercadinho AfonsinhoAlternância de BannersPax Uni~ão AmarantePax Uni~ão AmaranteDr. JosiasPier RestobarPax Uni~ão AmaranteHospital de OlhosIdeal Web, em AmaranteMegalink AmaranteSuper CarnesInterativa