AMARANTE

POLÍTICA

Maluf se diz “envaidecido” por ser citado como “Sr. Propina”

Avatar

Publicado em

POLÍTICA

O deputado federal Paulo Maluf (PP) afirmou nesta quarta-feira, durante carreata de campanha pela zona leste de São Paulo, que se sente “até envaidecido” por ter tido seu nome citado em uma campanha internacional como ícone de político corrupto.

Batizada de “Desmascare a corrupção”, a campanha é promovida pela ONG Transparência Internacional, instituição fundada em 1993, com sede em Berlim, na Alemanha. Na página oficial da campanha, Maluf foi chamado de “Mr. Kickback” (“Sr. Propina”, em português).

“De uma certa maneira, eu fico até envaidecido de estar importunando uma ONG na Europa, porque eu pensava que só importunava os picaretas brasileiros. Agora vejo que (importuno também) um picareta da Suíça, porque esses dias eu recebi uma informação de que dois diretores deles estão sendo até processados por coisas indecorosas”, afirmou o parlamentar. “Eu não me incomodo com isso, eu me incomodo com o fato de que o Brasil precisa crescer mais. E se tiver mais Paulo Maluf trabalhando, é melhor para o Brasil”, discursou.

Leia Também:  TCE-MG rebate acusações de Dilma contra Aécio

Entre as propostas da ONG, com a campanha que citou o “Sr. Propina” brasileiro, está pressionar o governo da Suíça a mudar as leis em relação à proteção de sigilo bancário. “Longe dos contribuintes que o elegeram, Maluf comprou relógios de luxo e joias em casas de apostas em Nova York”, informou comunicado da Transparência Internacional.

A campanha salientou também que, a despeito das acusações contra o ex-governador e ex-prefeito de São Paulo e da existência de um mandado de prisão internacional contra ele, pela Interpol, Maluf não está preso.

Ex-prefeito vai recorrer de impugnação

A citação de seu nome pela ONG foi o segundo revés na candidatura de Maluf em menos de uma semana. Na última segunda, ele teve o registro para concorrer a novo mandato na Câmara Federal impugnado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), que o enquadrou na Lei da Ficha Limpa em razão de uma condenação no Tribunal de Justiça (TJ) paulista, ano passado, por superfaturamento em obra pública — no caso, nas obras do túnel Ayrton Senna durante sua última gestão municipal (1993-1996). Cabe recurso ao Superior Tribunal Eleitoral (STE).

Leia Também:  Diversidade de temas marca Ordem do Dia na sessão virtual da Alepi

“Decisão da justiça a gente cumpre”, afirmou hoje o parlamentar. “Mas o resultado (da votação no TRE) foi 4 a 3 — inclusive o relator decidiu a nosso favor ao dizer, muito claramente, que não houve dolo nem enriquecimento ilícito”, disse. Conforme o ex-prefeito, tão logo o acórdão com a decisão do tribunal seja publicado, sua assessoria jurídica vai apresentar recurso.

Fonte:Terra

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

POLÍTICA

Senado aprova projeto de Ciro que prioriza mulheres vítimas de violência em programas de habitação

Avatar

Publicados

em

O plenário do Senado Federal aprovou, nesta quinta-feira (06), um projeto (PL 4692/2019) do senador Ciro Nogueira (Progressista) que prioriza as mulheres de baixa renda vítimas de violência doméstica em programas de habitação como o Minha Casa, Minha Vida.

Ciro defendeu que, ao facilitar o acesso dessas mulheres à casa própria, elas terão uma nova oportunidade de recomeçar suas vidas em um ambiente seguro, livre de seus agressores. “Acredito que com a autonomia alcançada ao ter seu próprio lar, essas mulheres consigam deixar de vez o ciclo aprisionador de violência”, argumentou.

O senador citou dados do ministério dos Direitos Humanos, divulgados em março deste ano, que revelam que foram registradas 105.821 denúncias de violência contra a mulher nas plataformas do Ligue 180 e do Disque 100 em 2020. Segundo ele, as estimativas do IBGE apontam para cerca de 1,3 milhão de mulheres agredidas dentro de casa a cada ano no Brasil.

“Por não um terem um lugar para fugir ou levar seus filhos, essas mulheres muitas vezes ficavam presas ao agressor”, afirmou. Para ele, os números apontam para a necessidade de aprimoramento das políticas públicas, como forma de dar meios para que as vítimas possam escapar da situação de violência ainda no começo das agressões.

Leia Também:  Diversidade de temas marca Ordem do Dia na sessão virtual da Alepi

O PL 4692/2019 será agora analisado pela Câmara dos Deputados.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA