Líder indígena do Brasil ganha prêmio ambiental máximo

Internacional

Quando Alessandra Korap nasceu em meados da década de 1980, sua aldeia indígena, aninhada na floresta amazônica no Brasil, era um refúgio de reclusão. Mas à medida que ela crescia, a cidade vizinha de Itaituba se aproximava cada vez mais, com suas ruas movimentadas e atividade comercial.

Não era apenas sua aldeia que sentia a invasão de forasteiros não indígenas. Duas grandes rodovias federais abriram caminho para dezenas de milhares de colonos, garimpeiros ilegais e madeireiros nos vastos territórios indígenas da região, que cobrem uma área florestal aproximadamente do tamanho da Bélgica.

O fluxo representou uma grave ameaça para o povo Munduruku de Korap, 14.000 pessoas e espalhadas por toda a bacia do rio Tapajós, nos estados do Pará e Mato Grosso.

Logo a mineração ilegal, represas hidrelétricas, uma grande ferrovia e portos fluviais para exportação de soja sufocaram suas terras – terras que eles ainda lutavam para serem reconhecidas.

Korap e outras mulheres Munduruku assumiram a responsabilidade de defender seu povo, derrubando a liderança tradicionalmente masculina. Organizando-se em suas comunidades, eles orquestraram manifestações e apresentaram provas de crimes ambientais à Procuradoria-Geral da República e à Polícia Federal.

E se opunham veementemente aos acordos e incentivos ilícitos oferecidos aos Munduruku por garimpeiros, madeireiros, corporações e políticos sem escrúpulos em busca de acesso às suas terras.

Líder indígena do Brasil | reconhecimento

A defesa de Korap, líder indígena do Brasil, de seu território ancestral foi reconhecida com o Prêmio Ambiental Goldman na segunda-feira. O prêmio homenageia ativistas de base em todo o mundo que se dedicam a proteger o meio ambiente e promover a sustentabilidade.

Alessandra Korap, vencedora do Prêmio Ambiental Goldman 2023, olha pela janela de um hotel, segurando a vidraça com a mão.
Líder indígena do Brasil ganha prêmio ambiental máximo
Korap recebeu o Prêmio Ambiental Goldman em São Francisco, Califórnia, por seu trabalho na floresta amazônica brasileira [Eric Risberg/AP Photo]

“Este prêmio é uma oportunidade de chamar a atenção para a demarcação do território Sawre Muybu”, disse Korap à agência de notícias Associated Press. “É nossa principal prioridade, junto com a expulsão de garimpeiros ilegais.”

Sawre Muybu é uma área de floresta tropical virgem ao longo do rio Tapajós abrangendo 178.000 hectares (440.000 acres). O reconhecimento oficial da terra, ou demarcação, começou em 2007, mas foi congelado durante a presidência de extrema-direita de Jair Bolsonaro, que terminou em janeiro.

Ainda assim, o povo Munduruku comemorou uma vitória em 2021, quando a mineradora britânica Anglo American desistiu de tentar minerar dentro de territórios indígenas no Brasil, incluindo Sawre Muybu.

Estudos têm mostrado que as florestas controladas pelos indígenas são as mais bem preservadas da Amazônia brasileira.

Quase metade da poluição climática do Brasil vem do desmatamento. A destruição é tão grande agora que a Amazônia oriental, não muito longe dos Munduruku, deixou de ser um sumidouro de carbono – um absorvedor líquido do gás.

Em vez disso, agora é uma fonte de carbono, de acordo com um estudo publicado em 2021 no revista Nature.

Uma fila de pessoas desce em um trecho lamacento e desmatado da floresta amazônica.
Membros da comunidade indígena Munduruku trabalham para expulsar garimpeiros ilegais de suas terras em janeiro de 2017 [File: Fabiano Maisonnave/AP Photo]

Korap, no entanto, sabe que os direitos à terra por si só não protegem a terra.

Na vizinha Terra Indígena Munduruku, garimpeiros ilegais destruíram e contaminaram centenas de quilômetros de cursos d’água em busca de ouro, mesmo tendo sido oficialmente reconhecido em 2004.

Agora, o novo governo do Brasil criou o primeiro Ministério dos Povos Indígenas do país e, mais recentemente, montou operações para expulsar os garimpeiros.

Mas Korap continua cético em relação ao atual presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ela vê suas ações como contraditórias, observando que enquanto ele defende a proteção da floresta, ele também negocia acordos comerciais com outros países para vender mais dos principais produtos de exportação do país – carne bovina e soja – que são os principais motores do desmatamento no Brasil.

“Quando Lula viaja para o exterior, ele está sentado com pessoas ricas e não com defensores da floresta. De nada adianta um ministério se o governo negocia nossas terras sem reconhecer que estamos aqui”, disse ela.

Outros ganhadores do Prêmio Ambiental Goldman este ano são:

  • Tero Mustonen, professor universitário e ativista ambiental da Finlândia, que liderou a compra de turfeiras danificadas pela atividade industrial patrocinada pelo Estado.
  • Delima Silalahi, uma mulher Batak do norte de Sumatra, Indonésia, que organizou comunidades indígenas em todo o país para defender seus direitos às florestas tradicionais.
  • Chilekwa Mumba, um organizador comunitário da Zâmbia que lutou e ganhou uma indenização para os residentes prejudicados pela mineração de cobre perante a Suprema Corte do Reino Unido.
  • Zafer Kizilkaya da Turquia, um conservacionista marinho e fotógrafo de conservação que estabeleceu a primeira área marinha protegida administrada pela comunidade da Turquia no Mediterrâneo.
  • Diane Wilson, capitã de um barco de camarão americano que ganhou um caso histórico contra a gigante petroquímica Formosa Plastics sobre o descarte de resíduos plásticos na costa do Golfo do Texas, nos Estados Unidos.

Com informações da: Al Jazeera

Compartilhe este post
consultoria natura avonSabores da TerraCasa da Roca e PetCitopatologista Dra JosileneAri ClinicaAfonsinho AmaranteFinsolComercial Sousa Netoclinica e laboratorio sao goncaloCetec AmaranteEducandario Menino JesusMercadinho AfonsinhoAlternância de BannersPax Uni~ão AmarantePax Uni~ão AmaranteDr. JosiasPier RestobarPax Uni~ão AmaranteHospital de OlhosIdeal Web, em AmaranteMegalink AmaranteSuper CarnesInterativa