Coreia do Norte chama lançamento malsucedido de satélite espião de 'fracasso grave'

Coreia do Norte chama lançamento malsucedido de satélite espião de ‘fracasso grave’

Internacional

Funcionários do Partido dos Trabalhadores prometem lançar com sucesso um satélite espião logo após ‘criticar fortemente’ os responsáveis ​​pela primeira tentativa fracassada.

Autoridades norte-coreanas de alto escalão prometeram tentar uma segunda vez o lançamento de um satélite espião militar, chamando o primeiro e malsucedido lançamento de seu país no mês passado de seu “maior fracasso” este ano, de acordo com a mídia estatal.

A promessa veio em uma reunião do Partido dos Trabalhadores da Coreia realizada entre sexta e domingo, informou a Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA) na segunda-feira.

A reunião plenária ampliada ordenou que trabalhadores e pesquisadores analisassem o lançamento fracassado e “criticaram fortemente” os responsáveis ​​pela operação malsucedida, disse a KCNA.

A Coreia do Norte tentou colocar seu primeiro satélite espião militar em órbita em 31 de maio, mas o projétil e sua carga caíram no mar logo após o lançamento, devido ao que Pyongyang disse ter sido uma falha no foguete.

O acidente representou um revés para o esforço do líder norte-coreano, Kim Jong Un, de adquirir um sistema de vigilância baseado no espaço para monitorar melhor os Estados Unidos e a Coreia do Sul.

Washington e Seul condenaram o lançamento de 31 de maio, dizendo que violou as resoluções das Nações Unidas que proíbem Pyongyang de qualquer teste usando tecnologia de mísseis balísticos. Analistas disseram que há uma sobreposição tecnológica significativa entre o desenvolvimento de mísseis balísticos intercontinentais e as capacidades de lançamento espacial.

O relatório da KCNA não disse exatamente quando a Coreia do Norte pode tentar um segundo lançamento. Mas a agência de espionagem da Coreia do Sul disse anteriormente aos legisladores que provavelmente levaria “mais de várias semanas” para Pyongyang determinar o que deu errado com o primeiro esforço.

A Coreia do Sul disse nos últimos dias que recuperou com sucesso um grande pedaço do foguete que caiu do fundo do mar. Seul trabalhou por mais de duas semanas para recuperar os destroços, já que os destroços poderiam ajudar os cientistas a obter informações sobre os programas de vigilância por satélite e mísseis balísticos de Pyongyang.

‘Grandes passos’

Um satélite espião está entre vários ativos militares de alta tecnologia que Kim Jong Un prometeu publicamente adquirir para lidar com o que ele chama de hostilidade liderada pelos Estados Unidos. Outros sistemas de armas que Kim deseja possuir são um míssil com várias ogivas, um submarino nuclear, um míssil balístico intercontinental de propelente sólido e um míssil hipersônico.

Desde o início de 2022, a Coreia do Norte realizou mais de 100 testes de mísseis, alguns dos quais relacionados ao desenvolvimento de um satélite espião e outras armas poderosas na lista de desejos de Kim Jong Un.

Em abril, a Coreia do Norte testou pela primeira vez um míssil balístico intercontinental de combustível sólido. O combustível desses mísseis já está carregado internamente, então eles são mais móveis do que os foguetes que usam propelente líquido e são mais difíceis de serem detectados por pessoas de fora antes do lançamento.

Durante a reunião do partido, membros do Politburo reivindicaram “grandes avanços” nos esforços para expandir o arsenal de armas nucleares e mísseis da Coreia do Norte, que eles disseram apoiar a política do governo de manter “confronto frontal” contra seus inimigos, informou a KCNA.

Os membros do Politburo também analisaram a “situação de segurança extremamente deteriorada” na região causada pelos “movimentos de guerra imprudentes” de seus rivais, aparentemente referindo-se à expansão dos exercícios militares EUA-Coreia do Sul, disse o relatório.

Ele disse que eles aprovaram por unanimidade planos não especificados de combate.

Os membros do Politburo norte-coreano estabeleceram “tarefas importantes” não especificadas para defender os interesses nacionais e fortalecer a solidariedade com os países “opostos à estratégia bandida dos EUA pela supremacia mundial”, disse a KCNA.

A reunião também discutiu a garantia de auto-suficiência no abastecimento de alimentos, aumentando a produção agrícola do país e cumprindo a meta anual de produção de grãos.

No início deste ano, o Ministério da Unificação da Coreia do Sul disse que a situação alimentar na Coreia do Norte “parecia ter se deteriorado”.

O país isolado está sob estritas sanções internacionais por causa de seus programas de armas nucleares e mísseis balísticos e sua economia foi ainda mais prejudicada por rígidos bloqueios de fronteira auto-impostos com o objetivo de interromper os surtos de COVID-19.

Separadamente, o relatório da KCNA disse que Kim Yong Chol, que anteriormente atuou como diretor do Departamento da Frente Unida e é um assessor próximo de Kim Jong Un, foi nomeado membro suplente do Birô Político do Comitê Central do Partido.

Kim Yong Chol foi afastado depois que uma cúpula com os EUA em 2019 não conseguiu chegar a um acordo, disse um legislador sul-coreano na época. Ele conduziu as negociações para a cúpula trabalhando com seu então colega americano e ex-secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.


Com informações do site Al Jazeera

Compartilhe este post
consultoria natura avonSabores da TerraCasa da Roca e PetCitopatologista Dra JosileneAri ClinicaAfonsinho AmaranteFinsolComercial Sousa Netoclinica e laboratorio sao goncaloCetec AmaranteEducandario Menino JesusMercadinho AfonsinhoAlternância de BannersPax Uni~ão AmarantePax Uni~ão AmaranteDr. JosiasPier RestobarPax Uni~ão AmaranteHospital de OlhosIdeal Web, em AmaranteMegalink AmaranteSuper CarnesInterativa