AMARANTE

Internacional

Cinco melhores escolas de medicina na Rússia

Avatar

Publicado em

Internacional

Se você está procurando uma maneira perfeita de obter seu diploma de medicina, a Rússia pode ser uma boa opção. O país tem mais de 70 universidades médicas para escolher, todas sob a égide do Ministério da Saúde Pública da Federação Russa.

A Rússia combina ciência moderna com habilidades sociais bem estabelecidas, portanto, forma médicos com conhecimento abrangente e experiência prática, prontos para atuar em qualquer frente, seja na saúde pública, na pesquisa ou em outras áreas específicas.

As escolas médicas da Rússia aceitam alunos internacionais?

Sim. As universidades russas estão se tornando um destino popular para estudantes de todo o mundo, pois nelas você pode obter educação de qualidade premium por preços razoáveis.

O ambiente para estudantes internacionais proporciona o convívio com pessoas amigáveis e acolhedoras, uma rica cultura e, principalmente, diplomas de medicina reconhecidos mundialmente.

A maioria das universidades russas está preparada para receber os estudantes internacionais, inclusive ministrar aulas na língua inglesa, ao mesmo tempo que lhes ensina a língua russa. Isso ocorre porque, para obter educação superior na Rússia, você tem que trabalhar em seus hospitais, portanto, o idioma não deve ser um obstáculo.

Para se inscrever em qualquer universidade médica russa você precisa fornecer todos os documentos necessários, além de passar nos exames e testes fornecidos pela universidade escolhida. Você também pode obter uma bolsa de estudos como estudante internacional, o que é uma grande vantagem.

Quanto tempo dura um curso da área de saúde nas escolas médicas russas?

O currículo médico na Rússia é composto por disciplinas distribuídas ao longo de seis anos, ou um pouco menos, caso você escolha se tornar um dentista ou farmacêutico (5 anos), ou enfermeiro (4 anos).

Se você deseja continuar seus estudos na Rússia, há mais opções de pós-graduação disponíveis, como residência clínica e residência direcionada. Ambos têm como objetivo permitir um conhecimento aprofundado de especialidades médicas específicas que lhe permitirão trabalhar como médico privado. A residência dura mais dois anos.

Sua educação também pode ser direcionada para a pesquisa científica e para um doutorado, disponíveis na Rússia após o programa inicial de seis anos.

Conheça, então, as escolas médicas da Rússia.

1. Universidade Médica Pirogov – Moscou

A Universidade Nacional de Pesquisa Médica Russa Pirogov foi fundada em 1906 e, portanto, é uma das universidades mais antigas da Rússia. A instituição abriu suas portas para estudantes internacionais em 1959 e, desde 2013, oferece aulas na língua inglesa. A Pirogov é considerada uma das melhores escolas médicas da Rússia como resultado do grande sucesso de seus graduados, de um currículo médico sólido e das suas honrosas pesquisas científicas.

2. Universidade Russa da Amizade dos Povos – Moscou

Fundada em 1960, essa universidade se mantém firme em seu lema para promover o estudo, a pesquisa e as atividades sociais. A instituição oferece oportunidades iguais de educação, independentemente da nacionalidade dos seus alunos e de pontos de vista políticos. Isso pode ser uma grande vantagem quando você está na Rússia para estudar medicina.

3. Universidade Estadual de Medicina Pediátrica – São Petersburgo

Fundada em 1905, esta importante escola de medicina da Rússia é especializada em assistência infantil e resgate, e é a universidade pediátrica mais antiga do mundo. A instituição recebe estudantes internacionais há muitas décadas, oferecendo educação de alto nível para alunos de mais de 50 países. A partir de 2018, o inglês foi introduzido como um dos idiomas oficiais das palestras.

4. Primeira Universidade Médica de São Petersburgo I.P. Pavlov – São Petersburgo

Esta universidade foi estabelecida em 1897 como Instituto Médico para Mulheres, sendo o primeiro do tipo na Rússia e na Europa a oferecer ensino superior para mulheres. A I.P. Pavlov foi oficialmente nomeada em homenagem ao vencedor do Prêmio Nobel de Medicina, Ivan Petrovich Pavlov (1904). A universidade está aberta a estudantes internacionais com cursos de graduação em medicina, odontologia e medicina esportiva.

5. Universidade Médica Estadual de Kazan – Kazan

A universidade de Kazan, outra importante escola de medicina da Rússia, foi fundada em 1804 e tem evoluído muito desde então. Esta universidade está aberta a estudantes internacionais e atualmente conta com mais de 400 estrangeiros graduados em medicina, de 46 países. A instituição, assim como muitas outras, oferece o idioma russo como uma das disciplinas obrigatórias, pois isso será útil para o estágio e para o trabalho com pacientes. A Universidade de Kazan é reconhecida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e seus diplomas podem ser usados em todo o mundo.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Explosão em estação de trem deixa 18 mortos
Propaganda

Internacional

Situação do continente Africano na pandemia: entenda!

Avatar

Publicados

em

Desde que o coronavírus começou a se espalhar pelo mundo, os países tomaram atitudes diversas para reduzir a taxa de contaminação. Mas o que aconteceu na África? Entenda a situação do continente africano na pandemia.

O desenvolvimento da doença
Quando a pandemia mostrou seus primeiros sinais, ainda no ano passado, grandes líderes mundiais demonstraram preocupação com a situação do continente africano. Afinal, trata-se de uma região com recursos limitados.
Entretanto, para surpresa de todos, a África tem mostrado uma resposta diferente da prevista, com índices de contaminação e mortes muito menor do que visto em países como o Brasil, que tem uma população menor.
Os cientistas ainda estudam uma explicação para o baixo desenvolvimento da doença, e já conseguem elencar alguns fatores que podem impactar na situação.

Além de ter uma população mais jovem, a África passou recentemente pela epidemia do Ebola, o que fez com que os países tivessem planos emergenciais prontos.

A situação do continente africano na pandemia também não é tão grave pelo contato das pessoas com o exterior menor do que vemos em outras regiões.

Como fica o turismo no continente
Se a situação do continente africano na pandemia é surpreendentemente positiva, muita gente tem voltado sua atenção para os atrativos turísticos que a região oferece.
Os brasileiros, motivados pela alta do dólar e pelas restrições de viagens aos destinos mais famosos, começaram a perceber as possibilidades oferecidas pela África.
A maioria dos países do continente apresenta restrições moderadas quanto à entrada de turistas, o que faz com que haja a exigência da apresentação de resultado negativo para o teste de Covid-19 e quarentena de alguns dias na chegada ao destino.

Leia Também:  Iraque: ataques fazem pelo menos 37 mortos

Apesar disso, a situação do continente africano na pandemia permite que o turismo aconteça, ainda que tenha algumas adaptações.

Viajar para a África é possível?
Se você está pensando em viajar para a África e conhecer todas as belezas do local, saiba que essa é uma possibilidade.

Destinos como Egito, África do Sul, Etiópia e Zimbábue são alguns dos países que estão abertos aos turistas com restrições moderadas.

Já a Angola, que é um país com maior procura dos turistas, está com uma situação mais controlada.

Mas o setor de turismo mostra que é possível lidar com as restrições: os melhores hotéis em Benguela, por exemplo, utilizam medidas de proteção sanitária que colocam os turistas em uma condição de baixo risco.

O que saber antes de viajar para a África?
Além de ter certeza sobre a situação do continente africano na pandemia, é importante que o turista brasileiro se atente para alguns detalhes antes de embarcar em uma viagem.

O primeiro deles é o visto de entrada. Os maiores países da África não exigem um visto específico dos moradores do Brasil, mas existe uma parcela grande de destinos que solicita a apresentação da liberação de entrada.

Leia Também:  Reportagem do Fantástico destaca problema que existe em escolas de Campo Maior

A melhor forma de saber se o seu destino precisa ou não de visto é pelo Portal Consular do Itamaraty. Basta acessar o site e identificar o país que você pretende visitar para visualizar as informações.

Além disso, o continente africano exige o certificado internacional de vacina, que atesta que o turista foi vacinado contra a febre amarela.

Se você já foi vacinado, pode solicitar seu certificado pela internet. Para aqueles que não foram, a dica é fazer a solicitação no momento da vacinação, na agência de saúde.

Por fim, tenha em mente que apesar da situação do continente africano na pandemia ser positiva, é preciso tomar todos os cuidados para diminuir os riscos para você e para os outros.

Dessa forma, sua viagem será um momento para acumular boas lembranças e fazer uma imersão cultural – coisas que o continente africano tem experiência em oferecer.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA