EL PAÍS

A Corunha procura algoritmos que não destruam o planeta: “O consumo de energia do ChatGPT deve ser brutal”

Tecnologia

Uma lâmpada acendeu no cérebro da pesquisadora Verónica Bolón, especialista em inteligência artificial, em um dia de 2019 enquanto ela lia um artigo científico. “Ele disse que o treinamento de um modelo de linguagem AI emitia o CO₂ equivalente ao de cinco carros ao longo de sua vida útil. Eu estava surpreso. A inteligência artificial consome muita energia quando aprende, não só na sua utilização, mas até então nunca tinha pensado nisso”, recorda sentada numa das salas do Centro de Investigação em Tecnologias de Informação e Comunicação (CITIC) da Universidade da Corunha. Ela e outros sete pesquisadores (no total, quatro homens e quatro mulheres) formam uma das equipes na Espanha que atualmente estão imersas na busca por algoritmos verdes; ou seja, para resolver esse grande paradoxo que o boom dos supercomputadores, a agitação dos dados, a nuvem e o ChatGPT provocaram: “A inteligência artificial nos ajuda a resolver muitos problemas, alguns deles derivados da mudança climática, mas por sua vez é parte do problema”, alerta Bolón.

A inteligência artificial verde busca projetar soluções que atinjam os objetivos propostos, mas de forma sustentável para o meio ambiente, ou seja, com uso eficiente dos recursos computacionais. Este conceito, que mal tem três anos, contrasta com o red AI, que apenas valoriza os algoritmos pelo seu desempenho, mesmo que impliquem, por exemplo, consumos excecionais de energia. “Agora se dá alguma importância aos algoritmos verdes, embora não tanto quanto deveria”, diz Verónica Bolón. Ele acredita que por trás dessa falta de atenção da humanidade está o fato de que levar em conta a sustentabilidade vai contra os interesses da grande tecnologia na corrida vertiginosa da inteligência artificial. Microsoft, Google e OpenAI, explica, lideram os avanços neste campo com um “grande consumo” de energia. Os ecologistas, aponta o pesquisador, há anos lançam alertas sobre a pegada ambiental desse processo. Em 2010, o Greenpeace já alertava em relatório que os farms de milhares de servidores que compõem a nuvem “eles requerem enormes quantidades de energia para funcionar e se resfriar”.

O advento do ChatGPT, uma ferramenta fascinante com a qual milhões de pessoas mexem diariamente, exacerbou o problema. “Não sabemos exatamente o que ele consome, mas tem que ser brutal, no treinamento e no uso, porque precisa de muitos dados e redes neurais muito grandes. E não é algo que as pessoas parem para pensar, porque também não têm nenhuma informação sobre isso. [La empresa] Chama-se OpenAI, mas não é nada aberto”, diz Bolón sobre a empresa que lançou o popular aplicativo e que foi fundada em 2015 por Sam Altman e Elon Musk, entre outros, como uma organização sem fins lucrativos.

Um estudo da Universidade de Copenhaga estimou em 2020 que uma única sessão de treino do GPT-3 (gerador de texto em que se baseou o ChatGPT) teve o consumo energético equivalente a 126 casas dinamarquesas num ano, segundo o investigador galego. Quanto ao ChatGPT-4, sua próxima versão, até o momento não foram publicadas equivalências, mas há uma informação que dá uma ideia do seu impacto ambiental: foi treinado com 1 bilhão de parâmetros, contra os 175.000 milhões que foram usado com GPT-3. “Não estou dizendo que esse desenvolvimento tecnológico deva ser interrompido. Mas se você me perguntar se, eticamente, vale a pena todo esse esforço computacional para um modelo que se dedica a entreter ou ajudar a realizar tarefas, tenho sentimentos confusos. Estou impressionado com o progresso, mas acho que estamos colocando o foco onde não está. Não está sendo usado para questões fundamentais que afetam a sociedade”, ressalta.

Verónica Bolón, 39 anos, começou em 2018 a investigar como executar algoritmos em dispositivos muito pequenos que não tinham a capacidade computacional de um computador. Ele ainda não conhecia o conceito de inteligência artificial verde, mas logo percebeu que usar menos recursos de computação é mais sustentável porque consome muito menos energia. E o mesmo acontece se os dados não forem continuamente transferidos para a nuvem, explica. Em 2022, mesmo ano em que ingressou na Real Academia de Ciências Exatas, Físicas e Naturais da Espanha, foi premiado com um projeto de pesquisa nacional que durará até 2025. Sua equipe conseguiu executar algoritmos, sem perder a precisão nos resultados, com apenas 16 bits (um bit é a unidade mínima de informação) em vez dos 64 bits que os computadores comuns usam hoje. Eles ainda não sabem exatamente a redução de energia que a mudança implica porque trabalham com simulações, explica Bolón.

Sua equipe, formada por Brais Cancela, Jorge González, Noelia Sánchez, Laura Morán, David Novoa, Eva Blanco e Samuel Suárez, também explora outro caminho rumo à inteligência artificial verde, que consiste na aceleração de processos. Eles trabalham tentando fazer a mesma coisa em menos tempo. “É tudo uma questão de brainstorming para otimizar os modelos, para que funcionem tão bem com menos dados e uma rede menor. Agora todo mundo quer aplicar, por exemplo, aprendizado profundo (aprendizado profundo), mas há problemas que podem ser resolvidos com modelos bem mais simples. É matar moscas com tiros de canhão. É preciso fazer um esforço para discernir quando é necessário e quando não é”, diz Bolón, do CITIC.

Freio legal nas emissões de IA

Este centro científico conta com cerca de 200 investigadores e 75% dedica-se à área da inteligência artificial e ciência de dados. Faz parte do ecossistema universitário e empresarial para o qual A Corunha foi selecionada pelo Governo para ser a sede da Agência Espanhola de Supervisão da Inteligência Artificial (Aesia). Algoritmos verdes farão parte do trabalho deste órgão. A Espanha conta com um Plano Nacional de Algoritmos Verdes desde dezembro passado, que visa promover tanto a eficiência energética da inteligência artificial quanto sua aplicação para resolver problemas ambientais. O documento prevê a criação de até duas cátedras nesta disciplina, convocatória a que a Universidade da Corunha se submeteu e que será resolvida “em breve”, segundo fontes do secretário de Estado da Digitalização e Inteligência Artificial.

Dos 257,7 milhões de euros de fundos europeus de Nova Geração de que o plano está dotado até 2025, 6,9 milhões serão destinados a apoios financeiros a projetos de investigação neste domínio, informa o referido secretário de Estado. “É fácil falar da importância da sustentabilidade e da diminuição do consumo em informática, mas para isso é preciso fortalecer as linhas de pesquisa e são necessários recursos”, enfatiza Manuel González Penedo, diretor do CITIC, que defende melhorias na estrutura de financiamento do centros como o que comanda, continuidade nos programas e menos burocracia para atrair talentos de fora da Espanha.

Verónica Bolón pede uma lei que regule a inteligência artificial tanto do ponto de vista ético quanto da sustentabilidade: “A regulamentação é necessária e deve incluir o consumo. Vamos permitir que as tecnologias da informação sejam responsáveis ​​por 20% ou mais das emissões de CO₂ na atmosfera? Bom, teremos que frear isso, como em outras indústrias ou áreas”.

você pode seguir O PAÍS Tecnologia em Facebook y Twitter ou cadastre-se aqui para receber nossos newsletter semanal

Inscreva-se para continuar lendo

Leia sem limites


Com informações do EL Pais / Tecnología

Compartilhe este post
Macedo Carnes consultoria natura avon Sabores da Terra Citopatologista Dra Josilene Ari Clinica Afonsinho Amarante Finsol Comercial Sousa Neto clinica e laboratorio sao goncalo Cetec Amarante Educandario Menino Jesus Mercadinho Afonsinho Alternância de Banners Pax Uni~ão Amarante Pax Uni~ão Amarante Dr. Josias Pier Restobar Pax Uni~ão Amarante Hospital de Olhos Ideal Web, em Amarante Megalink Amarante Super Carnes Interativa