22 mulheres mortas, sem nomes: Interpol busca pistas em casos arquivados

22 mulheres mortas, sem nomes: Interpol busca pistas em casos arquivados

Internacional

PARIS (AP) – As 22 mulheres tiveram em sua maioria mortes violentas. Seus corpos, alguns desmembrados, foram encontrados na Alemanha, Bélgica e Holanda ao longo de 43 anos – o mais recente em 2019. A polícia diz que alguns apresentavam sinais de abuso ou fome.

Mas quem eles eram é desconhecido, frustrando as caçadas dos detetives por seus assassinos.

A polícia espera que isso mude com o lançamento na quarta-feira da Operação Identifique-me. O apelo internacional junto à Interpol está buscando ajuda pública para nomear as mulheres. Tal avanço permitiria, no mínimo, que a polícia não precisasse mais identificar as vítimas por suas características distintivas ou roupas – “a mulher com a tatuagem de flor”, “a mulher com unhas artificiais” – ou locais onde seus restos mortais foram encontrados. descoberto.

O mais antigo dos casos arquivados, “A garota no estacionamento”, data de 1976. Seu corpo foi encontrado ao longo da rodovia A12, na Holanda. Acredita-se que ela tinha entre 13 e 20 anos quando morreu. A Interpol, organização internacional de ligação com a polícia com sede em Lyon, na França, distribuiu reconstruções faciais em preto e branco de algumas das vítimas. O dela mostrava uma jovem com longos cabelos escuros e olhos brilhantes.

Em um comunicado que citou as polícias holandesa, alemã e belga, a Interpol disse que acredita-se que algumas das mulheres tenham vindo da Europa Oriental e que seus corpos possivelmente foram deixados na Bélgica, Holanda e Alemanha para confundir as investigações.

“A maioria das 22 vítimas morreu de forma violenta, e algumas também foram abusadas ou passaram fome antes de morrer”, disse a polícia holandesa.

A polícia espera que descobrir seus nomes também possa fornecer evidências sobre possíveis perpetradores. Também pode permitir que eles estabeleçam se algum dos casos está relacionado.

“Em investigações semelhantes, o estabelecimento da identidade da vítima acabou levando à prisão de um suspeito”, disse Anja Allendorf, da polícia alemã.

A Interpol está divulgando os detalhes de cada caso em seu site, em www.interpol.int/IM. Além de reconstruções faciais de algumas das mulheres, também inclui imagens de joias e outros itens encontrados com seus restos mortais e formulários de contato para pessoas que possam ter informações sobre os casos.

Susan Hitchin, que coordena a unidade de DNA da Interpol, disse que identificar as mulheres pode ajudar a encerrar o caso com seus familiares.

“É horrível passar todos esses anos sem ter notícias, sem saber o que aconteceu. E por mais terrível que seja receber a confirmação da morte de um ente querido, faz parte de um processo importante para o luto e para seguir em frente”, disse ela em entrevista por telefone.

“Espero que um membro do público seja capaz de trazer alguns novos elementos que a polícia possa usar para fornecer a identidade dessas vítimas e, idealmente, ajudar a levar ao perpetrador, se houver um.”


Fonte: AP News

Compartilhe este post
Sabores da TerraCasa da Roca e PetCitopatologista Dra JosileneAri ClinicaAfonsinho AmaranteMegalink AmaranteFinsolComercial Sousa Netoclinica e laboratorio sao goncaloCetec AmaranteEducandario Menino JesusMercadinho AfonsinhoAlternância de BannersPax Uni~ão AmarantePax Uni~ão AmaranteDr. JosiasPier RestobarPax Uni~ão AmaranteHospital de OlhosIdeal Web, em AmaranteSuper CarnesInterativa