AMARANTE

Política

Wellington Dias anuncia saída de policiais dos órgãos públicos do Piauí

Publicado em

Política

wellington dias segurança policiais

Como parte das primeiras ações do governador Wellington Dias após a posse no último dia 1º está a volta às ruas de policiais que fazem a segurança em órgãos públicos no estado.

A medida é parte do pacote de cortes de despesas. O decreto que determina a volta dos policiais às atividades de policiamento ostensivo foi assinado no dia da posse. No total, cerca de 500 policiais militares terão modificadas as suas rotinas diárias de trabalho.

Dentre os vários órgãos estão a Assembleia Legislativa e o Tribunal de Justiça do Piauí. O efetivo deverá ser substituído por policiais da reserva.

O comandante-geral da Polícia Militar diz que a ideia é aumentar a segurança da população. “Os policiais da reserva serão chamados e apresentados ao Poder Judiciário, que vai arcar com a gratificação de retorno, fardamento e, se for o caso, viaturas. Nós vamos ter um bom retorno de policiais para empregar no policiamento da capital.”

A medida para os moradores ainda não reflete a segurança necessária. Segundo o líder comunitário, Artêmio Ferreira, a polícia só aparece quando há ocorrências. “Você não vê uma viatura. Quando vemos é em casos de assaltos, e quando a polícia aparece, os bandidos já têm ido embora há muito tempo.”

Leia Também:  Jair Bolsonaro deve ser recebido esta semana no Piauí pelo senador Ciro Nogueira

Ao todo são 765 PMs locados em órgãos públicos e 220 na ativa. O projeto vai permitir o retorno de 500 policiais para a atividade de patrulhamento nas ruas da capital e do interior. Segundo o comandante-geral, o governador vai encaminhar a proposta assim que a Assembleia Legislativa do Piauí voltar do recesso. Além disso, órgãos que precisam de mais policiais devem solicitar na própria mensagem.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Política

Deputado Átila Lira é agraciado com a medalha do Mérito ABMES da Educação Superior

A honraria foi entregue na realização do Seminário ABMES | O futuro da educação superior em debate: os próximos 40 anos

Publicados

em

átila lira medalha mérito abmes

Para celebrar os 40 anos da fundação da ABMES (Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior), foi realizado na manhã de 9 de agosto de 2022, seminário híbrido especial com o tema “O futuro da educação superior em debate – os próximos 40 anos”. Com a mediação de Celso Niskier, os convidados debateram sobre os desafios e as perspectivas para o setor educacional, considerando o cenário econômico e político do país. Na ocasião, o presidente da Câmara de Educação Superior do CNE, José Joaquim Neto, falou sobre o futuro e as tendências da regulação do ensino superior brasileiro.

Em seguida, o Deputado Federal Átila Lira (PP) fez uma análise do cenário político brasileiro, considerando que este é um ano eleitoral e trazendo perspectivas em relação a políticas públicas para o setor.

“Nosso desafio será trabalhar a escola moderna e saber como esses jovens terão acessos a essa modernização. Nosso país é rico, porém, pobre na divisão, então, precisamos pensar como os não escolarizados irão ter acesso a tecnologia”, debate o deputado.

Leia Também:  Fábio Novo rebate deputados e defende médicos cubanos

Por fim, Rosa Maria D’Amato De Déa, reitora da Unigran Educacional, levou a visão das instituições de educação superior para o debate, apontando os desafios e os anseios do dia a dia das IES.

A programação contou ainda com a solenidade de outorga do Mérito ABMES da Educação Superior, ocasião na qual o grão-mestre da Ordem do Mérito ABMES de Educação Superior, Celso Niskier, condecorou os três palestrantes do evento: Joaquim Neto, Átila Lira e Rosa Maria D’Amato De Déa.

“Gratidão por esse reconhecimento! Trabalhar pela educação foi uma missão que assumi com muita determinação, pois acredito no seu poder transformador.”, agradeceu o deputado Átila Lira.

Estiveram presentes prestigiando o deputado seu filho Átila Filho e sua esposa Sra. Graça Melo Lira.

Fotos: Ascom

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA