AMARANTE

residência permanente

O que é necessário para se viver em Portugal com um Golden Visa?

Publicado em

Internacional

O esquema Golden Visa é um programa extremamente popular oferecido pelo governo português que envolve a oferta de autorizações de residência permanente a indivíduos que investem em bens imobiliários portugueses. Originalmente criado para ajudar o mercado de habitação após a crise de 2008, o programa foi extremamente bem-sucedido com cerca de 10.000 investidores desde o seu lançamento em 2012. Um dos ativos mais valiosos de Portugal é a sua adesão à UE e à área Schengen, permitindo que seus residentes viagem com isenção de visto para a grande maioria da Europa. 

Para além da viagem inicial com isenção de visto para a maior parte da Europa, os candidatos ao regime podem então candidatar-se a um passaporte português se o investimento for mantido por um período mínimo de 5 anos, permitindo ao seu titular o acesso sem visto a 188 países. O passaporte de Portugal é na verdade o sexto passaporte mais forte do mundo, o que é tentador para muitos investidores. Até agora, o maior grupo demográfico individual de investidores foram os chineses, com cerca de 5.000 investidores, seguidos pelos brasileiros e, em seguida, pelos turcos.

No entanto, o regime deverá atualizar as suas regras em 2022, uma vez que o governo português pretende utilizar este regime para ajudar a impulsionar as economias em áreas de menor densidade, como o interior de Portugal. O interior do país teve uma população em declínio constante nos últimos anos, à medida que os jovens se mudaram para as cidades costeiras de Portugal, como Lisboa e Porto, e agora a taxa de natalidade caiu abaixo da taxa de mortalidade, agravando o problema. Os candidatos ao Golden Visa só poderão candidatar-se se adquirirem um imóvel no interior de Portugal Continental e zonas selecionadas, bem como nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, a partir de 1 de Janeiro de 2022.

Os imóveis em Lisboa e no Porto, duas das cidades mais procuradas por investidores estrangeiros para a compra de imóveis, não serão incluídos na lista de localizações elegíveis. Em áreas de alta densidade, o investimento mínimo para ser elegível para o esquema será de €500.000 para uma nova construção, ou € 350.000 para uma propriedade antiga que necessite de alguma renovação. Muitos locais no interior de Portugal, no entanto, estarão inclusos na categoria de área de baixa densidade, que vem com um preço muito mais barato. Por exemplo, os investimentos imobiliários em zonas de baixa densidade do Algarve têm um preço mínimo de €280.000 se tiver mais de 35 anos e necessitar de renovação e €400.000 para novas construções. O processo de candidatura envolve também a abertura de conta em banco português e obtenção de um número NIF, assim como a deslocação ao país para que o governo registre os seus dados biométricos.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Obama está 'pronto' para atacar Síria, mas buscará autorização do Congresso
Propaganda

Internacional

Recordista mundial é encontrada morta no Quênia com sinais de esfaqueamento; marido está foragido

Publicados

em

Foto: AFP

A queniana Agnes Jebet Tirop foi encontrada morta na própria casa na cidade de Iten, no Quênia, com sinais de esfaqueamento. A morte dela foi confirmada pela Federação Queniana de Atletismo.

A atleta tinha 25 anos. Ela foi bronze nos 10.000 do Mundial de 2019 e também quarta colocada nos 5.000 m nas Olimpíadas de Tóquio. Sua morte aconteceu há um mês depois de bater o recorde mundial dos 10 Km em provas de rua.

Agnes Jebet Tirop foi encontrada morta pelos vizinhos, que afirmaram ter ouvido uma discussão na noite anterior. O marido da atleta está desaparecido. Ele é o principal suspeito da morte.

A corredora foi uma das maiores atletas na categoria em todo o mundo. O caso está sendo investigado pela Polícia, que confirmou que o marido está foragido desde o ocorrido.

Com informações do Daily Mail

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Derrota de Portugal para Alemanha vira motivo de zoação na internet
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA