AMARANTE

Geral

SP: Dia do Grafite tem shows e exposição na Biblioteca Parque Estadual

Publicado em

Geral


Em alusão ao Dia do Grafite, comemorado hoje (27), a Biblioteca Parque Estadual (BPE) recebe, a partir das 14h, um evento gratuito que reunirá exposição artística, shows de rap, feira de arte urbana e pinturas ao vivo.

O evento é realizado por uma rede de parceiros, entre os quais o Museu do Graffiti, a Escola Carioca de Graffiti e a Associação Região de Oficina Nacional de Grafite (Rongo-RJ), com apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro (Sececrj).

A secretária de Cultura e Economia Criativa, Danielle Barros, destacou que o grafite é uma expressão cultural urbana tradicional no estado. “Para incentivar estes artistas, lançamos no último ano um edital inédito, premiando 48 produções urbanas em território fluminense. Então, poder celebrar este dia, durante evento na nossa BPE, é a certeza de que seguimos atentos às demandas e de portas abertas para os profissionais que representam esta arte”.

Dia do Grafite

Grafiteiros pintam a fachada da Biblioteca Parque Estadual, no centro do Rio de Janeiro Grafiteiros pintam a fachada da Biblioteca Parque Estadual, no centro do Rio de Janeiro

Grafiteiros pintam a fachada da Biblioteca Parque Estadual, no centro do Rio de Janeiro – Tomaz Silva/Agência Brasil

O Dia do Grafite é comemorado mundialmente em 27 de março. A data é uma homenagem a um dos principais precursores da arte urbana no Brasil, o artista plástico etíope, naturalizado brasileiro, Alex Vallauri, que faleceu em 27 de março de 1987. Alex espalhou seus grafites pela cidade de São Paulo e, mais tarde, em Nova York.

O artista fez várias exposições e, em uma delas, em 1985, apresentou uma instalação na 17ª Bienal Internacional de São Paulo, em homenagem ao rapper e artista urbano Nino Rap, da banda Nocalte, primeira banda de Rap indicada ao Grammy Latino.

Inicialmente ligado à cultura hip hop, os desenhos e ilustrações do grafite também são uma forma de expressão pessoal e abordam diversos temas, como cidadania e respeito. O grafite é considerado ainda uma importante ferramenta de inclusão social.

Mural da Biblioteca Parque Estadual Mural da Biblioteca Parque Estadual

Grafiteiras participam da ação que pintou a fachada da Biblioteca Parque Estadual – BEATRIZ GIMENES/Direitos reservados

O grafiteiro Fael Tujaviu, fundador do Museu do Graffiti e da Escola Carioca de Graffiti, destacou que, para os artistas, o grafite tem a missão de transformar vidas pela ressignificação dos espaços onde são apresentados. “Por trás da criatividade e vontade de colorir a cidade, os grafiteiros carregam o dever de discutir problemas sociais em forma de arte”, afirmou.

Mobilização

Além das atividades presenciais, os organizadores estão fazendo uma mobilização virtual, através da divulgação de pinturas de grafite nas redes sociais. As publicações são identificadas com a hashtag #WorldGraffitiDayBr. Artistas do Brasil e do mundo estão convidados a participar da celebração.

A Biblioteca Parque Estadual fica na Avenida Presidente Vargas, 1261, região central da capital fluminense.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Morre maestro e compositor de trilhas sonoras Remo Usai
Propaganda

Geral

Eleições 2022 mantém maioria do eleitorado feminina, com 53%

Publicados

em

Nas eleições de outubro, mais uma vez, as mulheres são a maioria entre pessoas aptas a votar. Segundo levantamento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), dos mais de 156,4 milhões de eleitores que poderão participar do pleito nos dois turnos, 53%, pouco mais de 82,3 milhões, são do gênero feminino e 74 milhões do masculino, que equivale a 47%.

Na distribuição regional dos eleitores, os três maiores colégios eleitorais – São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro concentram quase a metade dos votos do país (42,64%).

O estado de São Paulo, que sozinho detém 22,16% dos eleitores, há cerca 18,3 milhões de mulheres e 16, 2 milhões homens em condições de votar.

Na segunda posição do ranking, o eleitorado mineiro é formado por 8, 5 milhões de mulheres e 7,7 milhões de homens.

Já o Rio de Janeiro, terceiro maior colégio eleitoral brasileiro, os votos femininos superam em 1 milhão os dos homens. No estado, 6,9 milhões de votantes são do gênero feminino e 5, 9 milhões do masculino.

A Bahia vem na quarta posição, com cerca de 11,2 milhões de eleitores. Lá, as mulheres correspondem a 52,5% dos votantes, enquanto os homens representam 47,5% do eleitorado baiano.

Leia Também:  Sem Censura desta segunda discute o Programa Espacial Brasileiro

Perfil

Segundo o TSE, a maior parte das eleitoras brasileiras (5,33%) tem de 35 a 39 anos, seguida das mulheres com idade entre 40 e 44 anos (5,32%). A faixa de 25 a 29 anos soma 5,2%. Apesar do voto no Brasil ser obrigatório entre 18 e 70 anos, um dado curioso é o de eleitoras com 100 anos ou mais: são 87,4 mil.

Exterior

Entre eleitores que moram no exterior, elas, também estão em maioria. Das quase 700 mil pessoas que moram fora do país e se habilitaram para votar para o cargo de presidente da República, 59% são mulheres e 41% homens.

Representação

Números tão expressivos ainda não se refletem em assentos políticos e de poder. Segundo o TSE, nesses espaços, as mulheres continuam sub-representadas. Nas Eleições Gerais de 2018, apenas seis das 81 vagas do Senado Federal foram conquistadas por mulheres. Na Câmara, dos 513 eleitos somente 77 eram do sexo feminino. Em 2018, apenas uma governadora foi eleita: Maria de Fátima Bezerra, no Rio Grande do Norte (RN).

Leia Também:  Confira o que abre e fecha no Carnaval em São Paulo

Para incentivar a entrada e a permanência das mulheres na política, o TSE lançou, em junho de 2022, a nova campanha Mais Mulheres na Política 2022. Exibida nacionalmente em emissoras de rádio e de televisão, redes sociais da Justiça Eleitoral e no Portal do Tribunal, a campanha enfatiza a diferença entre o Brasil real, de forte presença feminina, e o Brasil político, universo no qual as mulheres ainda são minoria.

Na avaliação do presidente da Corte Eleitoral, ministro Edson Fachin, a democracia sem a expressão do feminismo se atrofia, torna-se uma mera formalidade, perde a representatividade. Para o ministro, a democracia, para ser plena, tem que apresentar a sua face feminina.

“Além da questão da visibilidade das mulheres, há também a questão da efetividade das medidas que visam garantir a elas o acesso e a voz nos espaços da vida política do país. A Justiça Eleitoral está do lado da materialização dos direitos que são inerentes à condição feminina”, destacou à época do lançamento da campanha.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA