AMARANTE

Brasil

São Paulo mudará ensino médio público em 2016 e alunos vão escolher disciplinas

Avatar

Publicado em

Brasil

O governo do Estado de São Paulo vai iniciar no próximo ano um novo modelo de currículo no ensino médio. O plano da Secretaria Estadual da Educação é transformar a maior parte do curso em disciplinas optativas, modelo em que os estudantes podem escolher o que vão estudar. O novo ensino médio deve começar em 2016 em um número restrito de escolas e depois avançar para toda a rede.
A reforma dessa etapa deve transformar sobretudo os 2.º e 3.º anos, quando as disciplinas serão oferecidas para opção do aluno. Será o estudante que montará sua grade. Apenas o 1.º ano continuaria com o currículo fechado, em um “núcleo comum”, como é hoje em toda a educação básica.
Ao se confirmar, essa deve ser a maior mudança no ensino médio da rede estadual, a maior do País. O secretário da Educação de São Paulo, Herman Voorwald, informou ao Estado acreditar que a aposta no protagonismo do aluno é a melhor saída para essa etapa, considerada o maior gargalo da educação brasileira.
“Se eu quiser desenvolver a capacidade de escolha e de tomada de decisões nos jovens, tenho de permitir que ele opte. Este é o único caminho que tenho para que esse menino diga: ‘estou escolhendo as disciplinas que eu quero, que fazem parte do que eu quero seguir na minha vida’”, disse o secretário.
A proposta está sendo finalizada na área pedagógica da pasta para ser discutida no Conselho Estadual de Educação (CEE) no segundo semestre. A secretaria não revela detalhes, mas o plano é que a maior parte do que é estudado nos dois últimos anos seja construída a partir dos interesses do aluno. Deve haver a oferta de disciplinas fora da grade tradicional, como Teatro. “Ou mudamos ou vamos falir e esses meninos não vêm para a escola. Se ele odeia Matemática, pode optar por Artes, Idiomas”, diz Voorwald.
Modelo. Ainda não há um número definido de escolas que vão iniciar a nova grade, mas elas serão escolhidas por adesão ao projeto. Há preocupação na pasta de o modelo “travar” se for iniciado em um número muito grande de escolas ou na rede toda. Essa estratégia de adesão foi adotada no modelo de Escola de Tempo Integral, iniciado em 2011, que hoje envolve 257 escolas do fundamental ao médio.
Essas unidades de tempo integral têm grade flexível, com base em um conceito de protagonismo juvenil. Os alunos podem escolher disciplinas optativas, que vão da prática de ciência à moda. As boas experiências do modelo é que têm inspirado o novo currículo. “O aluno não será mais um número, muda até o conceito de gestão”, diz o secretário, que afirma que o plano existe desde 2011, quando assumiu a pasta no início do mandato anterior do governador Geraldo Alckmin (PSDB). “Mas o terreno não era fértil na época, como agora”, diz.
Perspectiva. O ensino médio paulista tem 1,9 milhão de alunos, concentrando 42% do total de alunos da rede, segundo dados da sinopse Estatística da Educação Básica de 2014. As mais de 3,6 mil escolas estaduais paulistas com ensino médio têm quase a mesma quantidade de alunos na etapa que Minas, Bahia e Rio juntos.
Uma das críticas recorrentes ao ensino médio é a falta de articulação com a realidade do jovem. Aluna do 2.º ano na Escola Estadual Canuto do Val, na Barra Funda, zona oeste da capital, Anna Carolina Marques da Silva, de 16 anos, tem consciência da importância da escola para sua vida, mas diz não se sentir estimulada nas aulas. “Seria incrível pode escolher fazer Matemática Financeira ou Música, isso faz muita falta na escola.”
Anna é carioca e até 2011 estudava em uma escola particular no Rio. “Senti muita diferença no começo. O comprometimento dos alunos faz metade da escola, mas em primeiro lugar é o governo que tem de oferecer algo de qualidade. E depois os professores de qualidade”, diz ela, que já pensa em cursar o ensino superior, mas tem dúvidas entre Publicidade e Biologia.
A colega Karen do Prado, de 17 anos, se queixa da centralização das decisões. “Quem está sempre certo são os professores”, diz. Assim como a amiga, Karen se empolga com a possibilidade de poder escolher o que estudar, mas vê outros problemas graves. “Na semana passada quase não tive aulas porque não havia professores.”
via Estadão.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Chuva deixa uma pessoa morta em Duque de Caxias
Propaganda

Brasil

Catequista faz teste de Covid-19 e desaparece em mata no Ceará ao ser orientado a ficar em isolamento

Avatar

Publicados

em

Depois de fazer o teste de Covid-19 e ser orientado pelo médico a ficar em isolamento, o catequista Raimundo Oliveira, 61 anos, desapareceu em uma mata na cidade do Crato, no Ceará. O caso aconteceu há seis dias e, nesta segunda-feira (17), ele não havia sido localizado.

Câmeras de segurança de um galpão na rua Saturnino Candeia, no bairro Alto da Penha, registraram o último paradeiro do idoso. Ele caminhava próximo a uma áea de mata.

As buscas estão sendo feitas pelo Corpo de Bombeiros desde o dia do desaparecimento. O capitão Humberto Júnior disse ao G1/CE que aeronaves da Coordenadoria Integrada de Operações Aérea (Ciopaer) estão auxiliando nos trabalhos.

“Cada dia que passa continua a angústia, a dificuldade, a região lá é uma região de mata fechada. O Ciopaer já fez um sobrevoo e durante o voo não conseguiu encontrar nada, já usamos drones, toda a tecnologia que os bombeiros têm condição de ter nesses buscas, nós estamos utilizando. Cães que vieram de Fortaleza. E por falta de localização precisa fica muito difícil”, afirma.

Leia Também:  PF prende responsável por carro que invadiu Ministério da Justiça

Ainda, de acordo com o capitão, as buscas ficarão mais difíceis se o catequista estiver escondido. “Se ele não quiser ser localizado vai ser muito difícil. Você pode passar muito perto dele e ele ficará calado e não vai dar nenhum sinal de vida. Nas condições de lá, uma mata fechada, tem água abundante, frutas, mas se ele estiver mais próximo à chapada ficará mais difícil ele sobreviver por mais alguns dias”.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA