AMARANTE

Saúde

Rio vacina contra a covid-19 crianças nas escolas

Publicado em

Saúde


A imunização de crianças da rede municipal de ensino do Rio de Janeiro contra a covid-19, dentro do Programa Vacina na Escola, terá início hoje (14). A iniciativa foi lançada na quinta-feira (10) , quando começaram a ser enviados para os pais os folhetos informativos sobre a vacina e o pedido de autorização para vacinar os estudantes de 5 a 11 anos no ambiente escolar.

A expectativa da prefeitura é vacinar 200 mil estudantes pelo programa, uma parceria entre as secretarias municipais de Educação e de Saúde. Até o momento, o painel da vacinação municipal indica que foram imunizadas 312 mil crianças de 5 a 11 anos de idade, faltando 248 mil para tomar a primeira dose.

O município tem 1.307 escolas públicas que atendem estudantes nessa faixa etária entre 5 e 11 anos, com um total de 347 mil matrículas. Os responsáveis que ainda não tiverem levado as crianças para vacinar e estiverem interessados, devem assinar um termo autorizando a aplicação no ambiente escolar, a ser feita em um dia informado com antecedência.

Leia Também:  Mais da metade dos médicos se diz esgotado após dois anos de pandemia

No dia agendado, a aplicação da vacina será feita no fim do turno de aulas: pela manhã, entre 11h e 12h30, e à tarde, entre 15h30 e 17h. Os pais que quiserem acompanhar a vacinação pessoalmente podem chegar no horário informado. A previsão é que em 45 dias todas as escolas recebam as equipes de saúde para a imunização dos alunos.

Os diretores das escolas e os coordenadores estão sendo capacitados para informar os responsáveis pelos alunos sobre a importância e segurança da imunização e sobre como a ação será realizada em cada escola.

Saúde da Família

A outra ação de busca ativa da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) pelas crianças não vacinadas é cruzar os cadastros da Estratégia Saúde da Família com os dados do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI). Dessa forma, será possível identificar crianças que não tenham registro da vacina da covid-19, além de outros imunizantes do calendário vacinal que possam estar em atraso.

Com isso, os agentes comunitários de saúde irão às casas dessas crianças e poderão vaciná-las no próprio domicílio, se o responsável estiver no local. Os responsáveis também serão orientados a comparecer na unidade de Atenção Primária para atualizar a caderneta de vacinação.

Leia Também:  Fiocruz: casos de síndrome respiratória aguda em crianças teve queda

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Ministério da Saúde lança Campanha Nacional de Vacinação    

Publicados

em

O Ministério da Saúde lançou hoje (7), em São Paulo, a Campanha Nacional de Vacinação contra a poliomielite e de multivacinação. O objetivo é recuperar a cobertura vacinal de crianças e adolescentes que deixaram de tomar os imunizantes previstos no calendário nacional. 

A partir de amanhã (8),  cerca de 40 mil salas de vacinação em todo o país estarão abertas para aplicar doses de 18 tipos de imunizantes previstos no calendário nacional de vacinação para esse público. A campanha terminará em 9 de setembro. 

A vacinação contra a poliomielite é destinada para crianças menores de 5 anos. A multivacinação é para crianças e adolescentes menores de 15 anos.

Para crianças estarão disponíveis os seguintes imunizantes:  Hepatite A e B; Penta (DTP/Hib/Hep B), Pneumocócica 10 valente; VIP (Vacina Inativada Poliomielite); VRH (Vacina Rotavírus Humano); Meningocócica C (conjugada); VOP (Vacina Oral Poliomielite); Febre amarela; Tríplice viral (Sarampo, Rubéola, Caxumba); Tetraviral (Sarampo, Rubéola, Caxumba, Varicela); DTP (tríplice bacteriana); Varicela e HPV quadrivalente (Papilomavírus Humano).

Para adolescentes: HPV; dT (dupla adulto); Febre amarela; Tríplice viral; Hepatite B, dTpa e Meningocócica ACWY (conjugada).

Leia Também:  Portaria define procedimentos cirúrgicos prioritários no SUS

Segundo o ministério, a partir dos três anos de idade, as vacinas de covid-19 podem ser administradas de forma simultânea ou com qualquer intervalo com os demais imunizantes. 

Ao participar do lançamento da campanha, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que o último caso de pólio no Brasil foi registrado em 1989. Segundo ele, a cobertura vacinal da população está diminuiu em todo o mundo, principalmente durante o período da pandemia de covid-19. O ministro também conclamou as famílias a levarem as crianças para vacinar.

“Peço aos pais que levem seus filhos para as salas de vacinação. É inaceitável que, hoje, no século 21, 100 anos depois do esforço extraordinário de Oswaldo Cruz para introduzir esses conceitos sanitários no Brasil, nós tenhamos ainda crianças com doenças que podem ser evitáveis por vacina”, afirmou.

O ministério espera vacinar cerca de 14.3 milhões de pessoas contra a polio. Todos os imunizantes ofertados têm registro pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Leia Também:  Fiocruz: casos de síndrome respiratória aguda em crianças teve queda

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA