AMARANTE

Saúde

Rio de Janeiro fará busca ativa para vacinar crianças contra covid-19

Publicado em

Saúde


Com apenas 52% das crianças vacinadas contra a covid-19, a prefeitura do Rio de Janeiro lançou hoje (10) duas estratégias de busca ativa para alcançar os pequenos que ainda não foram levados aos postos para iniciarem a imunização contra a doença: uma via secretaria de educação e outra via secretaria de saúde.

Atualmente a campanha de imunização está na fase de repescagem para todas as idades a partir dos 5 anos.

A primeira ação é voltada para o ambiente escolar, com o Programa Vacina na Escola. A Secretaria Municipal de Educação (SME) vai distribuir folhetos explicativos sobre a vacina contra a covid-19 a todos os estudantes de 5 a 11 anos, público que chega a 347 mil crianças matriculadas em 1.307 escolas públicas.

Junto com o folheto, será enviado um formulário que os responsáveis poderão preencher autorizando a aplicação das doses na escola, caso seja de interesse da família.

O secretário de Educação, Renan Ferreirinha, explica que a data será informada com antecedência e, no dia marcado, a aplicação da vacina nas crianças que estiverem com a autorização ocorrerá no fim das aulas, entre 11h e 12h30 para o turno da manhã e de 15h30 a 17h à tarde.

“Se a família não puder ir até a vacina por qualquer motivo, a vacina vem até a escola. Isso simplifica o processo e faz com que as nossas crianças possam ter a oportunidade de se vacinar, sempre com a autorização do responsável. Acreditamos muito nesta parceria família-escola para que a educação funcione muito bem. Vacinar as crianças permite mais abraços e mais segurança para as nossas escolas.”

Leia Também:  Capital paulista mantém vacinação no final de semana

De acordo com a prefeitura, os pais que quiserem acompanhar a vacinação da criança podem chegar no horário previsto para ter acesso ao local. A previsão é de que todas as escolas recebam as equipes de saúde dentro de 45 dias.

Segundo o secretário de Saúde, Daniel Soranz, os diretores e coordenadores das escolas estão sendo capacitados para informar sobre a segurança e eficácia das vacinas.

“Nossa expectativa é vacinar 200 mil crianças com essa programação. Esperamos que a busca ativa comece a dar resultado nas próximas semanas. Pedimos aos pais para não esperarem a busca ativa, que eles levem seus filhos o mais breve possível para se vacinar. As vacinas para covid-19 são extremamente seguras, eficazes e protegem contra internação e o agravamento da doença. Se conseguirmos vacinar 80% das crianças, a possibilidade de ter uma internação por covid-19, em quem tem de 5 a 11 anos, cai a praticamente zero”.

Saúde da Família

A outra ação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) é cruzar os cadastros da Estratégia Saúde da Família com os dados do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI). Dessa forma, a pasta pretende identificar as crianças que não tenham registro da vacina da covid-19, além de outros imunizantes do calendário vacinal que possam estar em atraso.

Leia Também:  São Paulo lança programa de terapia celular para tratamento de câncer

Com isso, os agentes comunitários de saúde irão às casas dessas crianças e poderão vaciná-las no próprio domicílio, se o responsável estiver no local. Os responsáveis também serão orientados a comparecer na unidade de Atenção Primária para atualizar a caderneta de vacinação.

O prefeito, Eduardo Paes, fez um apelo para que os pais e mães levem as crianças para vacinar.

“É um ato de amor. Essa vacina é segura, não acreditem em besteiras que falam por aí, vamos proteger nossos filhos. O que as secretarias de Saúde e de Educação estão fazendo é facilitar a vida dos pais que trabalham e têm dificuldade de levar as crianças para se vacinar”.

Até o momento, o painel da vacinação contra a covid-19 da prefeitura indica que foram aplicadas quase 290 mil doses na faixa etária de 5 a 11 anos. Ainda falta alcançar cerca de 270 mil crianças nessa idade.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Covid-19: Brasil registra 122 mortes e 45,5 mil casos em 24 horas

Publicados

em

O Brasil registrou, desde o início da pandemia de covid-19, 672.033 mortes pela doença, informa o boletim epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (4) pelo Ministério da Saúde. O número total de casos confirmados da doença está em 32.535.923.

Em 24 horas, foram registrados 45.501 casos. No mesmo período, foram confirmadas 122 mortes de vítimas do vírus.

Ainda segundo o boletim, 30.967.114 pessoas se recuperaram da doença e 896.776 casos estão em acompanhamento. No levantamento de hoje, não consta atualização dos dados de Mato Grosso do Sul.

Os números em geral são menores aos domingos, segundas-feiras ou nos dias seguintes aos feriados pot causa da redução de equipes que alimentam os dados sobre a doença. Às terças-feiras e dois dias depois dos feriados, em geral, há mais registros diários pelo acúmulo de dados atualizado.

Boletim Epidemiológico Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico – 04/07/2022/Divulgação/ Ministério da Saúde

Estados

De acordo com os dados disponíveis, São Paulo lidera o número de casos, com 5,74 milhões, seguido por Minas Gerais (3,65 milhões) e Paraná (2,63 milhões).

Leia Também:  Ministério recebe mais 1,6 milhão de vacinas pediátricas da Pfizer

O menor número de casos é registrado no Acre (127,1 mil). Em seguida, aparecem Amapá (161,8 mil) e Roraima (161,9 mil).

O estado de São Paulo é o que apresenta o maior número de mortes pela doença (171.072), seguido pelo Rio de Janeiro (74.183) e por Minas Gerais (62.197).

O Acre é o que registra o menor número de mortes (2.005), seguido por Amapá (2.141) e Roraima (2.153).

Vacinação

Até hoje, foram aplicadas 450,1 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, sendo 177,4 milhões com a primeira dose e 157,7 milhões com a segunda dose. A dose única foi aplicada em 4,9 milhões de pessoas e 95 milhões já receberam a dose de reforço.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA