AMARANTE

TECNOLOGIA

Em pesquisa, bióloga descobre genes que causam doenças em filhos de primos

Avatar

Publicado em

TECNOLOGIA

pesquisadora

Uma pesquisadora da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) descobriu dois novos genes que causam a deficiência intelectual autossômica recessiva, ou seja, a deficiência intelectual em filhos de primos. O trabalho é resultado da tese de doutorado em Biotecnologia de Thalita Figueiredo, de 28 anos, que vai ser apresentada na segunda-feira (6) no Hotel Village, em Campina Grande, em apresentação aberta ao público. A orientadora da pesquisa foi a professora Silvana Santos, do Departamento de Biologia da UEPB.
A pesquisa foi feita com duas grandes famílias consanguíneas em dois municípios diferentes do Sertão paraibano. Em cada família, um novo gene que causa a deficiência intelectual foi identificado. Um deles é o MED25 e o outro não pode ser divulgado porque o artigo científico que faz a apresentação dele ainda não foi publicado.
Até o momento, só haviam sido descritos 26 genes que causam deficiência intelectual com padrão de herança recessiva. Com essa nova descoberta, segundo a pesquisadora, há a possibilidade de prevenção e tratamento para a doença. No caso de uma das famílias estudadas, há a perspectiva de tratamento a partir da suplementação oral de uma substância de baixo custo e de ampla disponibilidade que não é produzida no corpo de quem tem a deficiência.
“Antes, eles recebiam um diagnóstico errado. O governo recusava o auxílio ao qual eles têm direito, achando que poderia ser algo comportamental, mas está no DNA deles, não tem que fazer. As chances do bebê desenvolver a deficiência é de 25% quando são heterozigotos”, comentou a pesquisadora.
O conhecimento produzido a partir deste trabalho pode ser usado para orientar políticas públicas e para definir a necessidade de oferta de serviços especializados na área de Genética Médica na região Nordeste, tendo em vista que esses serviços estão concentrados nos estados do Sudeste brasileiro.
“Eles continuam casando entre eles. A taxa de consanguinidade naquela área é altíssima. Com essa descoberta, pode ser feito um pré-natal, antes da mulher ter um filho, para saber se ela é portadora dessa mutação. A população de risco tem que saber que tem esse risco. E até quem já nasceu com a doença pode passar por um tratamento”, explicou.
O trabalho de Thalita Figueiredo já lhe rendeu o primeiro lugar no Prêmio Jovem Geneticista, concurso realizado durante o 20º Encontro de Genética do Nordeste, realizado em novembro do ano passado. A pesquisa foi desenvolvida com ajuda de neurologistas, alunos de iniciação científica e outros colaboradores do Núcleo de Estudos em Genética e Educação da UEPB, bem como do Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo (USP).
Deficiência intelectual autossômica recessiva
A deficiência intelectual resulta de alterações no desenvolvimento ou funcionamento cerebral e pode ser causada tanto por fatores genéticos quanto fatores ambientais, como distúrbios na gestação, problemas no parto ou na vida após o nascimento. Estima-se que haja mais de mil genes associados à deficiência intelectual autossômica recessiva. Um dos maiores desafios da ciência atual é identificar e decifrar a função desses genes, que são como se fossem “receitas” para a produção de proteínas do nosso corpo.
Fonte: G1

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Crie um site de escritório compartilhado com esses recursos
Propaganda

TECNOLOGIA

4 perguntas e respostas para você escolher o plano de internet ideal

Avatar

Publicados

em

Se você está procurando um bom plano de internet banda larga fixa para sua casa, você deve ter se deparado com uma infinidade de opções: 50, 100 ou até 500 megas, conexão com fibra óptica ou cabo, Wi-Fi ou outros serviços inclusos…

As ofertas são bombardeadas pela TV ou na própria internet, de modo que fica difícil não contratar “a promoção do momento” antes de pensar duas vezes. Mas será que essa oferta realmente é a melhor?

A resposta nunca é uma só. Dificilmente uma promoção será boa para absolutamente todos os usuários. Para escolher o plano de internet ideal para você, é necessário analisar diversos aspectos, para que você não acabe contratando um serviço insuficiente ou acabe pagando a mais por algo que nem precisava.

Levando em consideração que contratar um pacote de internet banda larga não é algo que fazemos todos os dias, vale a pena dedicar um pouco a mais de tempo para fazer uma boa pesquisa, não é mesmo? Para entender quais são os fatores que você não pode deixar de fora da sua análise, continue a leitura.

1. Quais são as opções disponíveis na sua região?
O número de opções, quando o assunto é internet banda larga fixa, aumentou muito nos últimos anos. Agora podemos contratar internet fibra óptica ou por cabos comuns, além das opções via rádio ou satélite, muito populares em cidades menores ou zonas rurais.

Por isso, antes de cair na tentação com alguma oferta da TV, é importante pesquisar quais opções estão realmente disponíveis no seu CEP. Em muitos casos, aquela conexão super rápida por um precinho minúsculo é válida para uns poucos endereços no centro da cidade… Em compensação, alguma operadora regional, da qual você nunca ouviu falar, pode estar oferecendo um plano ainda mais vantajoso.

Por isso, vale a pena pesquisar todas as operadoras. De modo geral, os sites têm uma função que permite pesquisar o seu CEP e descobrir quais serviços estão disponíveis para você. Com isso, você já pode começar a refinar suas opções.

Fibra ou cabo? Rádio ou satélite?
Como acabamos de dizer, você precisa descobrir quais opções estão disponíveis na sua região. De todas as tecnologias, o rádio e o satélite são as que oferecem menos velocidade, porém costumam ser mais acessíveis para quem mora fora dos grandes centros urbanos.

Leia Também:  Crie um site de escritório compartilhado com esses recursos

Se você mora em um local onde já existe fibra óptica, saiba que essa é a melhor opção: ela oferece velocidades mais rápidas, além de uma conexão mais estável (ou seja, com menos oscilações). Já os cabos são a tecnologia mais popular: já superados pela fibra, porém ainda são uma opção válida onde ela não é oferecida.

Conheça os planos da Claro internet!
2. O que dizem por aí sobre cada operadora?
A internet permitiu que todo mundo fale ou publique o que quiser. Isso é ótimo para os consumidores, que podem pesquisar opiniões nas redes sociais e em plataformas como o ReclameAqui. Portanto, evite contratar um plano de internet antes de pesquisar opiniões: o ideal é acessar a página da empresa em todas as plataformas e ler os comentários.

Além disso, pergunte para seus amigos e familiares como é o serviço na casa deles. Como o nosso país é enorme, a mesma operadora que é muito mal vista em um estado pode oferecer um serviço ótimo em outra região. Como dissemos na introdução, nenhum plano é o melhor para todos os usuários e o mesmo vale para as operadoras.

Nesse sentido, uma ótima referência é a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações): a partir de 2020, o órgão disponibilizou todos os dados de suas pesquisas de satisfação com os usuários. É possível pesquisar qual operadora tem os clientes mais felizes no seu estado e ver as notas atribuídas para cada critério da pesquisa (como velocidade ou suporte).

3. Como e para que você utiliza a internet?
Vamos supor que, no seu endereço, exista uma gama bem ampla de opções, com diversas velocidades de internet, por vários preços. Como escolher a melhor? Para isso, você precisa entender o seu perfil de consumo — isto é, como e para que você usa a internet na sua casa.

Quantos aparelhos vão ficar conectados à rede?
Se você mora sozinho e usa a internet apenas no seu celular ou notebook, não é preciso ter uma internet ultra rápida. Agora, se estamos falando de uma família com filhos, com várias pessoas acessando a rede ao mesmo tempo no celular, notebook, tablet, videogame, smart TV e outros aparelhos, a situação é diferente. Quanto mais aparelhos, mais internet.

Leia Também:  Prefeitura anuncia que vai levar internet banda larga à zona rural de Amarante

A internet será usada para quais atividades?
Se você apenas enviar e-mails, acessar redes sociais e ler notícias, qualquer conexão das oferecidas atualmente deve ser o bastante, porque essas atividades exigem pouca internet. Assistir a vídeos, filmes e séries via streaming, bem como fazer lives e chamadas de vídeo, demandam uma conexão um pouco mais robusta. Por fim, os jogos online necessitam das melhores redes: além de alta velocidade, a internet precisa ser mais estável, para não travar no meio de uma partida.

Analisando quantos aparelhos vão ficar conectados e para quais atividades, você pode fazer uma escolha muito mais realista da velocidade da sua internet. Conexões de até 30 ou 50 mb são o suficiente para os lares menos exigentes. Quem assiste muitos vídeos, faz chamadas ou joga online pode partir para aquelas com 100 mb ou mais. Se há muita gente na sua casa fazendo tudo isso, um plano com mais de 200 mb pode ser necessário.

Por outro lado, não compensa pagar por um plano de internet com 500 mb se você mora sozinho e só acessa redes sociais, né? Por isso, é tão importante pesquisar e analisar todos os fatores: essa é a melhor forma de economizar. Para terminar, não se esqueça de ler as letras pequenas das promoções: muitos valores são válidos apenas pelos primeiros três ou seis meses, com preços dobrando após o fim da promoção.

Caso você queira “encurtar” o caminho de toda essa pesquisa, você pode acessar o Portal de Planos. Ele é um site especializado em serviços de telefonia, que traz informações concisas e rápidas sobre os principais planos e operadoras do mercado. Além disso, você pode utilizar o comparador de planos, colocando lado a lado todas as ofertas disponíveis no seu endereço.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA