Moçambique aprova retomada de projeto de gás de US$ 20 bilhões em Cabo Delgado

Moçambique aprova retomada de projeto de gás de US$ 20 bilhões em Cabo Delgado

Internacional

O projeto, no qual a TotalEnergies detém uma participação operacional de 26,5%, foi interrompido em 2021 devido à crescente insegurança.

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, disse que é seguro reiniciar o projeto de gás natural liquefeito (GNL) de Cabo Delgado, que foi interrompido em abril de 2021 após ataques rebeldes a civis.

Nyusi disse na quarta-feira numa conferência sobre mineração e energia em Maputo que Moçambique quer tirar partido dos actuais preços elevados do GNL e da mudança global para fontes de energia mais limpas.

A violência de grupos armados afiliados ao ISIL (ISIS) na província do norte de Moçambique já custou milhares de vidas desde 2017, interrompendo investimentos multibilionários, incluindo o projeto de $ 20 bilhões de GNL no qual a TotalEnergies tem uma participação de 26,5 por cento.

“O ambiente de trabalho e a segurança no norte de Moçambique permitem à Total retomar as suas atividades a qualquer momento”, disse Nyusi.

A porta-voz da TotalEnergies, Stephanie Platat, disse que a decisão de reiniciar o projeto depende de garantias de segurança e direitos humanos em Cabo Delgado e “uma visão clara dos custos do projeto após uma interrupção de mais de dois anos – que deve ser mantida e não aumentada” .

“O reinício é uma decisão do Mozambique LNG, não uma decisão da TotalEnergies, que detém apenas 26,5 por cento do projeto. Dado o contexto, a decisão terá que ser unânime e a posição da TotalEnergies é de que é oportuno aproveitar o tempo para ter as garantias esperadas antes de considerar um possível reinício”, disse Platat.

A petroleira francesa comprou uma participação operacional no projeto por US$ 3,9 bilhões em 2019. Atrasos no projeto fizeram com que o Fundo Monetário Internacional reduzisse suas previsões de crescimento econômico para o país.

Em fevereiro, a TotalEnergies disse que a situação em Cabo Delgado tinha “melhorou significativamente” depois que os países africanos enviaram tropas para ajudar as forças de segurança de Moçambique a lidar com o levante armado em 2021.

O presidente e executivo-chefe da energia, Patrick Pouyanne, visitou Moçambique há dois meses para se encontrar com Nyusi e analisar a situação humanitária e de segurança em Cabo Delgado.

Após a visita de Pouyanne, a TotalEnergies anunciou a nomeação de Jean-Christophe Rufin, que diz ser um especialista em acção humanitária e direitos humanos, para avaliar de forma independente a situação na província de Cabo Delgado.

Esta avaliação ajudaria a TotalEnergies e seus parceiros a decidir se estavam reunidas as condições para retomar o projeto.


Com informações do site Al Jazeera

Compartilhe este post
Canal da SorteMacedo CarnesSabores da TerraCitopatologista Dra JosileneAri ClinicaAfonsinho AmaranteFinsolComercial Sousa Netoclinica e laboratorio sao goncaloCetec AmaranteEducandario Menino JesusMercadinho AfonsinhoPax Uni~ão AmarantePax Uni~ão AmaranteDr. JosiasPier RestobarPax Uni~ão AmaranteHospital de OlhosIdeal Web, em AmaranteMegalink AmaranteSuper CarnesInterativa