AMARANTE

Geral

Funbio será gestor do programa Floresta Viva

Publicado em

Geral


O Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) irá gerir o programa Floresta Viva. O anúncio foi feito nesta terça-feira (19) pelo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, e pelo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano.

O programa Floresta Viva é voltado para restauração de biomas brasileiros e recuperação de bacias hidrográficas. Lançado em novembro do ano passado, ele é considerado o maior matchfunding – modelo de financiamento que junta recursos não reembolsáveis do BNDES com os de outras instituições apoiadoras – ambiental do país.

O Funbio é uma organização sem fins lucrativos, que atua há mais de 25 anos em projetos de conservação da biodiversidade no país. Com a decisão, a organização será responsável pelo processo de seleção dos projetos a serem apoiados. Também será a Funbio que receberá os recursos do BNDES e das demais instituições apoiadoras.

“A ideia é criar um ambiente em que possamos debater e empreender conjuntamente pois inovação se faz de forma coletiva e focada no propósito e no impacto.”, disse o presidente do BNDES.

Leia Também:  Trem arrasta veículo por mais de 800 metros e condutor morre preso às ferragens

A meta de investimento é de R$ 500 milhões ao longo de sete anos, com até 50% de recursos do BNDES. O objetivo é alcançar entre 16 mil e 33 mil hectares de área restaurada, com a remoção de aproximadamente 9 milhões de toneladas de carbono da atmosfera.

“Esses recursos que serão aplicados no Floresta Viva que podem gerar crédito [de carbono] para deixar essa máquina rodando. A política do governo federal está em empreender e inovar, em gerar emprego em economia verde e gerar negócios verdes”, afirmou ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite .

O programa já conta com 11 parceiros, entre eles, a Vale, o Grupo Heineken e a Petrobras.

“Nós temos uma preocupação muito grande com toda essa pauta ambiental, de sustentabilidade, social, entendendo que todas as empresas têm uma grande responsabilidade, mas sem dúvida, a Petrobras por ser hoje a maior companhia do Brasil, ser essa referência para o cidadão brasileiro, ela tem uma responsabilidade redobrada”, disse o presidente da empresa, José Mauro Ferreira Coelho.

Leia Também:  Mostra em museu paulistano recria ateliê do modernista Brecheret

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Geral

Acadêmia Brasileira de Letras reabre bibliotecas para o público

Publicados

em

A Academia Brasileira de Letras (ABL) reabriu esta semana, para o público, as bibliotecas Lúcio de Mendonça e Rodolfo Garcia.

A Biblioteca Lúcio de Mendonça reúne obras dos acadêmicos, e em função do seu perfil especializado, funcionará em regime de agendamento, que pode ser feito no site da ABL. Já a Biblioteca Rodolfo Garcia (BRG), devido ao seu caráter geral, abrirá de segunda-feira a quinta-feira, no horário das 13h às 17h, para consulta local e empréstimo de obras.

Segundo o diretor das bibliotecas, acadêmico Arno Wehling, ocupante da cadeira 37 da instituição, o recesso forçado pela pandemia do novo coronavírus (covid-19) e pelo isolamento social, a partir de março de 2020, limitou as atividades da academia. Mudadas as circunstâncias, disse o acadêmico à Agência Brasil, após a amenização da crise sanitária este ano, a ABL anunciou a reabertura das duas bibliotecas, com todos os cuidados ainda exigidos pela situação.

Biblioteca Rodolfo Garcia Biblioteca Rodolfo Garcia

Biblioteca Rodolfo Garcia – Divulgação da Biblioteca Rodolfo Garcia

“Será importante recebermos na biblioteca a visita de todos os interessados na difusão do conhecimento”, disse Wehling. “A cultura só é fecunda se contribui para a circulação e o debate das ideias. A ABL, desde sua fundação, tem esse objetivo. Nunca é demais lembrar o que repetiu Machado de Assis na sessão de encerramento, quando da fundação da academia: A ocupação mais honrosa e útil dos homens é trabalhar pela extensão das ideias humanas”, disse o diretor.

Acervos

A BRG fica no segundo andar do Palácio Austregésilo de Athayde, sede da ABL, região central do Rio de Janeiro. O espaço é composto por terminais de acesso ao acervo, rede wi-fi, salas de estudo individuais. O público pode levar seu próprio material de estudo ou notebook e, ainda, utilizar o serviço de empréstimo de livro.

Com um acervo de aproximadamente 130 mil obras, a BRG objetiva perpetuar o conhecimento e integrar a sociedade para além do âmbito institucional. A biblioteca foi inaugurada em setembro de 2005 com a proposta de atender um público diversificado, como estudantes, profissionais de múltiplas áreas e pesquisadores. O nome homenageia o quarto ocupante da cadeira 39 da academia, o historiador e intelectual Rodolfo Garcia.

O acervo reúne obras de temática cultural, ampla, voltada para a literatura, filosofia, linguística, história e ciências sociais. É composto por obras de referência, periódicos, monografias, materiais especiais (audiovisuais, por exemplo) e de coleções particulares de personalidades históricas dos meios políticos, intelectuais e literários, além de raridades dos séculos 19 e 20, informou a ABL.

Já a Biblioteca Acadêmica Lúcio de Mendonça teve origem na própria época de criação da ABL, a partir da doação do romance Flor de Sangue, por Valentim Magalhães, registrada na ata de 28 de dezembro de 1896. Sua criação oficial, entretanto, ocorreu em 13 de novembro de 1905, por proposta de Rodrigo Octavio, seu primeiro diretor, sob a presidência de Machado de Assis.

Desde sua fundação, a ABL recebe doações de coleções particulares de acadêmicos, de personalidades do mundo literário e cultural e de bibliófilos. Fazem parte do seu acervo primeiras edições de obras clássicas da literatura mundial, além de um grande número de obras raras dos séculos 16 a 20. Destaque para a edição princeps (primeira edição) de Os Lusíadas, de 1572, e um raríssimo exemplar das Rhythmas, impresso em Lisboa, no ano de 1595, de Luís de Camões.

A Biblioteca Lúcio de Mendonça atende aos acadêmicos da casa e pesquisadores com um acervo bibliográfico de aproximadamente 20 mil volumes. O acervo é formado pelas coleções Acadêmica, ABL, Referência, Camoniana, Periódicos e obras raras dos séculos 16 a 18, além de coleções particulares de Alberto de Oliveira, Afrânio Peixoto, Domício da Gama, Machado de Assis, Manuel Bandeira e Olavo Bilac.

Instalada no 2º andar do Petit Trianon, a biblioteca ocupa área de 250 metros quadrados e é dividida em três ambientes. Além de livros, tem um acervo museológico composto por móveis de época, esculturas e quadros de grandes pintores.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Vestido de Danielle Winits no Prêmio Multishow custa R$ 13 mil
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA