AMARANTE

Entretenimento

Ecad estima queda de 62% na arrecadação no carnaval

Publicado em

Entretenimento

O relatório O que o Brasil ouve, elaborado pelo Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), revela que a suspensão de eventos e de blocos carnavalescos terá forte impacto para a indústria da música, resultando em queda de mais de 60% na arrecadação de direitos autorais.

A previsão do Ecad é arrecadar R$ 6 milhões no período do carnaval, o que representa redução de 62% no valor arrecadado em 2020, antes da pandemia da covid-19. Até o final do mês de janeiro, foram arrecadados 41% dessa estimativa, que se refere a eventos já licenciados e pagos previamente.

Segundo o Ecad, o prejuízo financeiro e cultural também será grande para a indústria da música, principalmente para aqueles que vivem da música e do direito autoral. No carnaval de 2020, foram pagos R$ 24 milhões em direitos autorais para mais de 14 mil compositores e demais artistas, pelas músicas tocadas durante o período.

A superintendente executiva do Ecad, Isabel Amorim, lembra que este ano o carnaval ainda não vai voltar a todo vapor. “Diversas capitais já anunciaram o cancelamento de shows e eventos, o que vai impactar a arrecadação e distribuição de direitos autorais de música. A instabilidade do cenário pode levar a uma arrecadação ainda menor que a prevista no início do ano”, disse.

Leia Também:  Impacto da feira Agrishow, em Ribeirão Preto, chega a R$ 400 milhões

Estados

Tem sido registrada também grande queda na quantidade de eventos e shows previstos para este ano. Até a primeira semana de fevereiro, 94 shows e eventos de carnaval estavam cadastrados no Ecad, com previsão de realização neste período. A retração alcança 98%¨ em comparação ao ano de 2020, quando os eventos estavam liberados.

Os três estados que se destacavam na arrecadação de direitos autorais no carnaval, devido à quantidade de eventos realizados, a Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo, foram bastante prejudicados. A Bahia teve queda de 89% na arrecadação, seguida por Rio de Janeiro e São Paulo, com retração de 81%, cada.

Distribuição

A exemplo do que ocorreu no ano passado, a pandemia da covid-19 terá impacto negativo no carnaval de 2022 sobre a renda de compositores, intérpretes e músicos. A previsão é que haverá diminuição, este ano, de pelo menos 50% na distribuição de direitos autorais, em relação aos valores do ano passado, quando os eventos também não foram realizados no país.

Em 2021, com o objetivo de minimizar os efeitos negativos para compositores, intérpretes e músicos, as associações de música que administram o Ecad realizaram adiantamento de R$ 10 milhões à verba de carnaval. Sem essa medida, o repasse seria de R$ 2,6 milhões, valor 87% menor que o distribuído em 2020.

Leia Também:  Shakira faz show para o 'Fantástico' antes de cantar no encerramento da Copa

Ranking

O levantamento feito pelo Ecad das músicas mais tocadas no Brasil nos últimos cinco carnavais, entre 2016 e 2020, destaca as tradicionais marchinhas. Os primeiros lugares foram assumidos pelas músicas “Me dá um dinheiro aí”, de autoria de Ivan Ferreira, Glauco Ferreira e Homero Ferreira; “Cachaça”, de Marinósio Filho, Heber Lobato, Lúcio de Castro e Mirabeau; e “Maria sapatão”, de João Roberto Kelly, Carlos, Chacrinha e Leleco.

O ranking das dez mais tocadas inclui ainda “O teu cabelo não nega”, de Raul do Rego Valença, Lamartine Babo e Joao Valença; “Sassaricando”, de Mario Gusmão Antunes, Luiz Antonio, Castelo e Candeias Jota Jr.; “Mamãe eu quero”, de Jararaca e Vicente Paiva; “Marcha da cueca”, de Celso Teixeira, Carlos Mendes e Livardo Alves da Costa; “Saca-rolha”, de Zé da Zilda, Zilda do Zé e Waldir Machado; “Peguei um ita no Norte”, de Arizão, Bala, Guaracy, Dema Chagas, Celso Trindade; e “A jardineira”, de Humberto Carlos Porto e Benedito Lacerda.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Entretenimento

‘GU3LA’ lança seus primeiros projetos de Brazilian Bass e Deep House depois de 4 anos

Publicados

em

gu3la Brazilian Bass Deep House

Durante os últimos 4 anos, Everton da Silva, conhecido no meio artístico como GU3LA, teve muitas inspirações com os gêneros Trap e Funk Brasileiro. Ele desenvolveu vários projetos voltados para esses estilos determinados de musicas. GU3LA pensou em não focar somente em dois estilos de musicas já que tem certa inspiração e criatividade na parte de produção no lado House brasileiro.

Os dois últimos singles lançados por GU3LA em 2022 para o gênero funk foram as duas tracks Sítio do Tio Harry no Funk e Aulas e Cursos no Funk pelo qual gênero se baseou, foi o Funk brasileiro e o trap com muitas visualizações pelas redes socias como o Youtube, Palco mp3 e até percorreu os vídeos do Tik Tok.

Como o produtor, o artista já possui a sua característica e seu conhecimento no meio Deep House e Brazilian Bass, o que tornou muito mais fácil o seu retorno na musica eletrônica novamente. GU3LA começou nos anos de 2016 na musica eletronica, mas acabou abandonando o gênero e partindo para os estilos Funk e Trap brasileiro.

Leia Também:  Ipea analisa impacto de propostas legislativas para mercado de crédito

GU3LA já esta com vários projetos prontos, finalizados e muitos em andamentos para ser lançados ainda, desde musicas autorais assim como vários remix de musicas brasileiras e musicas internacionais.

O objetivo, segundo ele, é trazer a mesma pegada da antiga, trazendo o estilo clássico MPBE (Musica Popular Brasileira Eletronica) o Deep House que é um estilo muito usado por DJ’s americanos e DJ’s Lituanos. Uma das vertentes também é trazer, principalmente, o Brazilian Bass que é muito usado pelos djs brasileiros e que se tornou mundial ogênero e é usado internacionalmente pelos maiores DJ’s do momento.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA