Menu...

23 de junho de 2018

Prefeitura revitaliza o ‘Boi de Amarante’ após 10 anos inativo: ‘Era um sonho’, diz Diego Teixeira


Hospital de Olhos

Depois de dez anos sem atividade, o Boi de Amarante, voltou a realizar neste domingo (23) os ensaios nos primeiros preparativos para as apresentações que vão acontecer nas festividades do mês de junho e na Semana Cultural, que será realizada em agosto.

O Boi de Amarante, atualmente com 35 integrantes, surgiu no município em 1935 e está desde 1940 sob o comando de Manoel Pereira da Silva, 78, conhecido como Manoel Senhor.

Com exibições já realizadas em vários municípios do Piauí, dentre eles Teresina, São Pedro, Floriano e Palmeirais, o Boi de Amarante é o único a adotar fila dupla com o boi no meio na sua forma de apresentação ao público. “Em nenhum outro lugar o boi é dançado assim”, afirmou Manoel Senhor.

Os integrantes são identificados hierarquicamente como Caboclo Real, Vaqueiro, Alfere, Chico, Catirina, Maroca, dentre outros, que vão dançando ao som dos instrumentos maracá, tambor e palmas.

A volta dos ensaios neste domingo contou com a presença do prefeito Diego Teixeira, dos secretários Ronaldo Brandão (Cultura), e Ana Tércia (Assistência Social).

“A gente estava sem nenhuma atividade há 10 anos. Eu estou gostando de ver o interesse do prefeito e do secretário de Cultura em fazer nossa festa voltar. Essa é a primeira vez que um prefeito vem nos visitar”, disse Manoel Senhor.

As apresentações, de acordo com o integrante Francisco Oliveira, aconteciam sob forma de disputa nos anos 40, vindo os dois únicos grupos de Amarante a se unificar nos anos seguintes. “O objetivo da disputa era apenas enriquecer a cultura.”

Uma das preocupações dos integrantes do Boi de Amarante está na continuidade da tradição por parte da nova geração. “Os jovens se voltam mais à tecnologia e não têm tanto interesse em continuar com essa tradição. Isso traz muita dificuldade para o nosso Boi, mas a gente está tentando resgatar. Cordão deitado é um momento da apresentação que requer excelentes condições físicas que os idosos já têm dificuldade para fazer”, conclui Oliveira.

Como medida, a participação de crianças e adolescentes é um dos pontos considerados de suma importância para a continuidade do Boi. “Eu herdei esse conhecimento do meu tio Paulo Pereira, e agora já busco deixar essa tradição com meus filhos e netos”, encerrou Manoel Senhor.

O secretário de Cultura, Ronaldo Brandão, enfatiza a “revitalização do boi” como essência da história cultural amarantina. “A gente fica feliz com o resgate da nossa cultura de Amarante. Estamos revitalizando o boi, e aos poucos nós vamos resgatando Amarante e fazendo com que nosso município seja a cidade cultural do estado do Piauí.”

Ele acredita que “esse é o momento de Amarante ter a sua identidade reforçada culturalmente”. Segundo Ronaldo Brandão, o Boi de Amarante estava desativado “por falta de incentivo da antiga gestão do município e também da secretaria de Cultura”

“Com a determinação do prefeito Diego Teixeira em resgatar todas as manifestações culturais, nós vamos agora apoiar o Boi nas apresentações locais, a nível de estado e também interestadual. Nós vemos aqui (nos ensaios deste domingo) crianças dançando, essa cultura não podemos deixar se apagar”, encerra.

O prefeito Diego Teixeira fala no resgate do Boi como “um sonho da população de Amarante”. Ele fala ainda em fortalecer os laços culturais para apresentar o potencial cultural em todo o Estado.

“[O Boi de Amarante]É parte do nosso folclore. O nosso Boi é mais bonito. É a nossa cultura. Nós queremos fortalecer os laços culturais que temos e mostrar nosso potencial cultural”, disse.

Diego Teixeira enfatiza a necessidade de revitalização de outras manifestações culturais do município, a exemplo do Cavalo Piancó. “O boi vai estar presente na Semana Cultural, em agosto. Vamos resgatar o Pagode do Mimbó, as danças do Mimbó, o Cavalo Piancó, a Dança Portuguesa e também os artistas locais. As pessoas de outros lugares precisam conhecer a riqueza do nosso folclore”, completa ao dizer que o boi estava adormecido e agora está sendo revitalizado.

Manoel Senhor desconhece a origem das influências que originaram o Boi de Amarante, como também não é possível precisar qual foi a data da primeira apresentação antiga tradição no município.

O Boi de Amarante tem como sede a residência do dono e mestre, Manoel Senhor, que fica na rua do Piquizeiro, por trás do Banco do Brasil, no centro de Amarante.

Primeiro ensaio de revitalização do Boi de Amarante (Fotos: Denison Duarte)

boi de amarante prefeitura cultura

Tags:

Comente aqui

dapibus tempus venenatis leo. id, sem, ante. velit, pulvinar eget Lorem