AMARANTE

PIAUÍ

Wellington Dias articula autorização para uso da vacina Sputnik V

Avatar

Publicado em

PIAUÍ


O governador do Piauí e presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias, se reuniu, nesta quinta-feira (8), por videoconferência, com a assessora da presidência da Argentina e coordenadora da pauta de vacinas no país, Cecília Nicolini, a fim de articular a autorização da vacina Sputnik V, já amplamente utilizada naquele país.

Wellington Dias não mede esforços para conseguir a licença excepcional para importação da Sputnik V, a vacina russa contra o coronavírus, por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em agenda na última quarta-feira (7), a Anvisa determinou a necessidade de relatórios de outros países que já utilizam a vacina russa, por essa razão Dias conversou com a coordenadora argentina.

“Essa vacina está sendo utilizada desde o início da vacinação, de modo especial na região da grande Buenos Aires e com bons resultados. A Argentina se prontificou, já encaminhando o relatório sobre os baixos efeitos colaterais, a imunização adequada. Inclusive, eles usam outras vacinas e a Sputinik é colocada como aquela de maior imunização. Esse mesmo estudo foi realizado também pelo México e em 58 países do mundo e queremos usar no Brasil, pois precisamos de mais vacinas para salvar vidas, para menos hospitalização e para menos óbitos”, afirmou Wellington Dias.

Leia Também:  MPPI apresenta etapas do Programa de Desenvolvimento de Líderes- PDL.

O Consórcio de Governadores do Nordeste já negocia com o governo russo a compra de 37 milhões de doses da Sputnik V, o imunizante é mais uma opção para a imunização da população brasileira, que conta com baixo número de vacinas. Conforme o governador do Piauí, a legislação brasileira prevê a validação da autorização excepcional quando um imunizante tiver recebido o aval de autoridade sanitária de uma série de países.

“Temos esse contrato do Consórcio Nordeste, junto com estados do Norte, para comprar 37 milhões de doses e agora precisamos só da autorização da Anvisa para chegar vacina ainda em abril e temos outro contrato para a compra de 10 milhões de doses. Então, tudo que pudermos fazer para ajudar, como esse contato que estamos fazendo com a Argentina, vamos fazer. Entendemos que é uma operação para salvar vidas”, enfatizou Wellington Dias.

Segunda dose da vacina Butantan

Wellington Dias pediu ainda uma agenda com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para discutir um planejamento de aplicação de doses da vacina produzida pelo Instituto Butantan, a CoronaVac. O governador explicou que, por ter entregado 27 milhões de doses em março, o Butantan só poderá entregar 10 milhões neste mês, o que pode afetar a aplicação da segunda dose.

Leia Também:  Campanha de Vacinação contra Pólio é prorrogada até dia 30 de novembro

“Temos uma situação em que o Butantan, principal fornecedor de vacina no Brasil, como fez uma antecipação, ampliando o número de vacinas produzidas e entregue no mês março 27 milhões, agora em abril, ele tem uma entrega menor, segue produzindo, mas com uma entrega menor, algo em torno de 10 milhões. Quando vacinamos 27 milhões em um mês, no mês seguinte vamos precisar da metade das doses, pois completa os 28 dias, neste caso, algo em torno de 14 milhões de doses. Por essa razão, cada estado terá um planejamento para o uso de vacina e assim ninguém ficar sem a segunda dose. Neste sentido, estou pedindo uma agenda com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para evitar que isso aconteça”, relatou.

Fonte: Governo PI

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

PIAUÍ

Representantes do MPPI participam de workshops do CNJ sobre Primeira Infância

Avatar

Publicados

em


A coordenadora do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância e Juventude (CAODIJ), Sílvia Reis, e a promotora de Justiça Joselisse Nunes de Carvalho, titular da 45ª PJ, participaram de workshops do Seminário do Pacto Nacional Pela Primeira Infância – Região Nordeste, organizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Durante solenidade de abertura, o MPPI realizou a adesão ao Pacto Nacional pela Primeira Infância.

Ocorrido na quinta e sexta-feira, dias 15 e 16, o evento é uma ação integrante do projeto “Justiça Começa na Infância: fortalecendo a atuação do sistema de justiça na promoção de direitos para o desenvolvimento humano integral” que busca conhecer a realidade dos estados da Região Nordeste e aperfeiçoar o diálogo entre os operadores do direito, as equipes técnicas e os demais profissionais da rede sobre a importância do Marco Legal da Primeira Infância, fomentando a implementação da prioridade absoluta prevista no artigo 227 da Constituição Federal.

(Promotora de Justiça Joselisse Nunes de Carvalho durante apresentação)

No 1º dia de evento, a promotora de Justiça Joselisse Nunes de Carvalho apresentou experiências acerca do fluxograma que orienta o atendimento às crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil e de rua, assim como garantir a efetiva proteção de direitos. A exposição ocorreu durante o workshop 2 – prevenção e enfrentamento da violência na primeira infância.

(Coord. do CAODIJ, Sílvia Reis)

Já na sexta-feira, a coordenadora do CAODIJ realizou a moderação do workshop 1, em que foi debatido a garantia do direito à convivência familiar entre filhos e pais privados de liberdade. Participaram como debatedores o juiz auxiliar do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas do CNJ, Antônio Carlos Castro Tavares; a pesquisadora do Instituto Brasiliense de Direito Público, Carolina Costa Ferreira; e o psicólogo da Associação Brasileira Terra dos Homens, Raum Batista. Ao final, ocorreu apresentação da campanha #SerfamílianãoéCrime.

Leia Também:  Presidente do TJ-PI pede a juízes prioridade em julgamento de casos de violência doméstica

“Hoje é um momento muito importante de troca de conhecimentos, em que podemos efetivamente contribuir para a questão do direito à convivência familiar e para o cumprimento do marco legal da primeira infância. Sabemos do valor da família e como a criança tem esse direito à convivência familiar e comunitária, assim como todos os direitos fundamentais presentes no artigo 227 da Constituição Federal, seja este o direito ao respeito, à liberdade e à dignidade”, pontuou Sílvia Reis durante o momento.

O evento contou com dez workshops temáticos através do canal CNJ no youtube e já se encontram disponíveis.   

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA