AMARANTE

PIAUÍ

Teresina tem 100% da área urbana atendida com água tratada; serviço de esgoto avança na capital

Avatar

Publicado em

PIAUÍ


No Dia Mundial da Saúde, comemorado nesta quarta-feira (7), a Águas de Teresina celebra resultados que são reflexos da ampliação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário na área urbana da capital. Conforme a edição 2021 do Ranking do Saneamento Básico divulgado pelo Instituto Trata Brasil, Teresina figura entre as cidades cujo índice no atendimento urbano com água é de 100%, resultado alcançado ano passado, sendo esta a primeira meta contratual atingida pela concessionária.

Para o diretor-presidente da Águas de Teresina, Cleyson Jacomini, a evolução representa mais qualidade de vida aos teresinenses, sobretudo, no cenário atual quando a população mundial ainda enfrenta a pior crise sanitária do século com a pandemia do novo Coronavírus. “O investimento em saneamento básico é um investimento direto em saúde pública. Nossas ações são importantes dentro das políticas de prevenção e dedicamos todos os nossos esforços em fazer o melhor e tornar Teresina referência em saneamento básico no Nordeste”, frisa.

O relatório divulgado pelo Trata Brasil também demonstra os avanços conquistados no atendimento ao serviço de esgotamento sanitário. Teresina teve uma evolução de 14,03 p.p. na coleta total de esgoto, maior que a média geral que foi de 6,46p.p., no intervalo de 2015 a 2019. No indicador de tratamento de esgoto, as capitais avançaram, em média, 8,62 p.p., sendo que Teresina também obteve índice maior, que foi de 10,73 p.p, considerando o mesmo intervalo de 2015 a 2019.

Leia Também:  Emater conclui reformas em regionais com recursos do PRO Piauí

A performance de gestão aliada à capacidade de investimento têm sido fundamentais para que a Águas de Teresina alcance resultados tão positivos. Desde a entrada da concessionária, em julho de 2017, os investimentos em saneamento básico da capital (abastecimento de água e esgotamento) têm sido superiores se comparados a anos anteriores. Somente em 2019, a Águas de Teresina investiu mais do que a soma dos anos de 2015 a 2017, aplicando quase R$ 115 milhões na ampliação dos serviços de água e esgoto. Isso coloca a concessionária entre as empresas que mais investiram, de acordo com o estudo do Trata Brasil.

Próximas ações

Com previsão de aplicar mais de R$ 100 milhões na ampliação dos serviços, a Águas de Teresina seguirá em 2021 com obras para requalificar o sistema de distribuição de água tratada e levar a mais teresinenses o serviço de coleta e tratamento de esgoto.

Nas próximas semanas, serão finalizadas as obras de esgotamento sanitário nos bairros Gurupi e Santa Isabel, onde foram implantados mais de 4 mil metros de linha de recalque de esgoto para atender 7 mil moradores. Em maio, as obras de esgotamento sanitário irão iniciar nos bairros que compreendem o Programa Lagoas do Norte, visando atender diretamente mais de 12 mil teresinenses. Até julho, será entregue a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Tancredo Neves, na zona Sudeste. A ETE e as redes implantadas nessa região beneficiarão cerca de 1.200 famílias.

Leia Também:  Rumo ao Litoral: infiltrações aumentam risco de rompimento da BR-343

Dando continuidade às ações para regularizar o abastecimento em áreas de ocupação, iniciadas em 2018, e que no ano passado ficaram mais evidentes durante a pandemia, a concessionária fará a implantação de rede de água para atender a mais de 5.700 pessoas. São famílias residentes nas comunidades Vila Torquato Neto, Recanto dos Pássaros e Torrões que deixarão o fornecimento irregular a partir de gambiarras e passarão a contar com água tratada nas torneiras pela primeira vez.

Fonte: Governo PI

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

PIAUÍ

Representantes do MPPI participam de workshops do CNJ sobre Primeira Infância

Avatar

Publicados

em


A coordenadora do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância e Juventude (CAODIJ), Sílvia Reis, e a promotora de Justiça Joselisse Nunes de Carvalho, titular da 45ª PJ, participaram de workshops do Seminário do Pacto Nacional Pela Primeira Infância – Região Nordeste, organizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Durante solenidade de abertura, o MPPI realizou a adesão ao Pacto Nacional pela Primeira Infância.

Ocorrido na quinta e sexta-feira, dias 15 e 16, o evento é uma ação integrante do projeto “Justiça Começa na Infância: fortalecendo a atuação do sistema de justiça na promoção de direitos para o desenvolvimento humano integral” que busca conhecer a realidade dos estados da Região Nordeste e aperfeiçoar o diálogo entre os operadores do direito, as equipes técnicas e os demais profissionais da rede sobre a importância do Marco Legal da Primeira Infância, fomentando a implementação da prioridade absoluta prevista no artigo 227 da Constituição Federal.

(Promotora de Justiça Joselisse Nunes de Carvalho durante apresentação)

No 1º dia de evento, a promotora de Justiça Joselisse Nunes de Carvalho apresentou experiências acerca do fluxograma que orienta o atendimento às crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil e de rua, assim como garantir a efetiva proteção de direitos. A exposição ocorreu durante o workshop 2 – prevenção e enfrentamento da violência na primeira infância.

(Coord. do CAODIJ, Sílvia Reis)

Já na sexta-feira, a coordenadora do CAODIJ realizou a moderação do workshop 1, em que foi debatido a garantia do direito à convivência familiar entre filhos e pais privados de liberdade. Participaram como debatedores o juiz auxiliar do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas do CNJ, Antônio Carlos Castro Tavares; a pesquisadora do Instituto Brasiliense de Direito Público, Carolina Costa Ferreira; e o psicólogo da Associação Brasileira Terra dos Homens, Raum Batista. Ao final, ocorreu apresentação da campanha #SerfamílianãoéCrime.

Leia Também:  Colisão de automóvel com caminhão deixa 4 mortos em rodovia do Piauí

“Hoje é um momento muito importante de troca de conhecimentos, em que podemos efetivamente contribuir para a questão do direito à convivência familiar e para o cumprimento do marco legal da primeira infância. Sabemos do valor da família e como a criança tem esse direito à convivência familiar e comunitária, assim como todos os direitos fundamentais presentes no artigo 227 da Constituição Federal, seja este o direito ao respeito, à liberdade e à dignidade”, pontuou Sílvia Reis durante o momento.

O evento contou com dez workshops temáticos através do canal CNJ no youtube e já se encontram disponíveis.   

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA