AMARANTE

SAÚDE

Rio está longe de uma “situação confortável”, diz Paes sobre covid-19

Avatar

Publicado em

SAÚDE


O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, disse que a cidade ainda está longe de uma “situação confortável”, em relação à pandemia de covid-19, e que não é para esperar que a administração do município corra atrás das pessoas nas praias, para fazer cumprir as medidas restritivas que impedem a permanência de frequentadores nas areias durante o fim de semana.

De acordo com as medidas, prorrogadas por meio de decreto até o dia 10 de maio, no sábado e no domingo fica permitida apenas a prática esportiva individual, como caminhadas e surf. Já de segunda a sexta-feira, os banhistas podem permanecer nas praias e está permitido também o trabalho de ambulantes fixos e os que circulam na areia. O decreto do prefeito do Rio, Eduardo Paes, com a prorrogação foi publicado hoje (30) no Diário Oficial do Município.

“Já temos a cidade bastante aberta, enfim, as atividades econômicas podendo funcionar quase na sua plenitude. Existem algumas restrições sendo impostas ainda, principalmente esse negócio da praia no fim de semana. A gente está permitindo que as pessoas possam fazer as suas práticas esportivas e o seu lazer na praia. Durante a semana pode ficar, no fim de semana, não. Mas não esperem que a gente vai ficar também correndo atrás das pessoas nas praias. É uma tentativa de minimizar grandes aglomerações e grandes deslocamentos nos fins de semana”, disse hoje (30), durante a apresentação do 17º Boletim Epidemiológico da Prefeitura do Rio.

Na avaliação da prefeitura, como o número de casos suspeitos de síndrome gripal e de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) nas redes de urgência e de emergência, que apresentava queda, se estabilizou em um nível ainda alto nos últimos dias, o prefeito decidiu continuar com as restrições em vigor e foi mantida também a classificação de risco muito alto. Paes lembrou que esse é o dado que a prefeitura observa para decidir sobre as medidas restritivas a serem adotadas no município.

Leia Também:  Estudo mostra eficiência de até 73,8% da CoronaVac em equipe do HC-SP

“A gente nota que, infelizmente, há uma certa estabilizada nesta curva, mas mantendo um platô bastante alto. Só olhar a curva que a gente vê isso. Tomamos as medidas com bastante antecedência quando começou a ter um aumento na rede de urgência e de emergência. Esse dado é o mais primário de todos. Ali, começa a se identificar que as pessoas podem estar contraindo a doença. A gente se animou quando há umas três semanas ele parou de crescer e começou a cair um pouco, mas agora deu uma estabilizada. Mais uma vez esse é o dado que está mais nos norteando”. observou.

Paes disse que também é avaliado o número de óbitos, que é o dado final que ninguém quer que exista, mas é muito importante entender que ainda há uma incidência muito grande de pessoas procurando a rede municipal de saúde com sintomas da doença. “Isso mostra que a gente está longe de estar em uma situação confortável, por isso, a manutenção das medidas restritivas, permitindo que a cidade funcione. A gente sabe que não dá para fechar tudo para todo o sempre”, pontuou, alertando para a gravidade do comportamento da doença.

“A gente chama novamente a atenção das pessoas para que tenham esse cuidado, esse zelo. É uma situação melhor do que era quando a gente começou a impor medidas restritivas, mas ainda não é uma posição de situação confortável”.

Leia Também:  Direito coletivo deve prevalecer no combate à pandemia, diz estudo

Bares e restaurantes

Com as medidas prorrogadas, bares, lanchonetes, restaurantes, quiosques da orla e outros estabelecimentos semelhantes, só podem receber clientes sentados às mesas e até as 22h, com tolerância de uma hora para que o atendimento seja encerrado com o esvaziamento completo das pessoas e o fechamento total do estabelecimento para o público. Após esse horário, é permitido o funcionamento interno, com as portas fechadas, mas exclusivamente para entrega em domicílio (delivery), retirada no local (take away) ou drive thru.

O prefeito contou que, desde o início das medidas restritivas no Rio, ele não ia a um restaurante para jantar, mas ontem resolveu ir, e o estabelecimento respeitou as determinações. Para Paes, a adoção de horários de funcionamento acabou alterando os hábitos dos consumidores, que acabam saindo um pouco mais cedo.

Ele voltou a pedir a colaboração da população para que siga as medidas: “a gente espera voltar a avançar, mas é um momento de muita conscientização das pessoas e de muita colaboração da população. Sei que algumas pessoas até ironizam quando faço referência a colaboração da população, mas não vou parar de pedir a colaboração da população, porque essa é a única maneira de fato para combater o vírus”.

Em 2021, a cidade do Rio registrou 63.536 casos de covid-19, sendo 15.458 graves. No período, 5.462 pessoas morreram em consequência da doença. A taxa de incidência alcançou 953,8 por 100 mil habitantes, a de letalidade chegou a 8,6% e a taxa de mortalidade 82,9 por 100 mil habitantes.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Queiroga diz que ministério estuda campanha de testagem contra covid

Avatar

Publicados

em


O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou neste domingo (16) que está em estudo na pasta uma ampla campanha de testagem da população brasileira para o novo coronavírus, causador da covid-19. A declaração foi dada em Botucatu, no interior paulista. O município começou a vacinar hoje toda a população entre 18 e 60 anos contra a covid-19, em uma iniciativa que faz parte de estudo inédito sobre a eficácia do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, em parceria com a AstraZeneca e a Funadação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

Sobre a interrupção na produção de vacinas contra o coronavírus pelo Instituto Butantan pela falta do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), Queiroga ressaltou que a carência da matéria-prima é mundial. “É importante passar uma mensagem positiva para a sociedade brasileira, e não essa cantilena de que está faltando [IFA]. O Brasil precisa de tranquilidade para superarmos juntos essa dificuldade sanitária”, disse.

Ainda sobre a dificuldade na aquisição de vacinas, o ministro lembrou que o Brasil faz parte do acordo Covax Facility, que alocou US$ 150 milhões para garantir a cobertura vacinal de 10% da sua população. “A prova dessa dificuldade de doses é que mesmo a OMS [Organização Mundial da Saúde] tem dificuldade de entregar as doses que se comprometeu conosco e nem por isso nós ficamos criticando a OMS.”

Leia Também:  Governo proíbe entrada de estrangeiros em voos provenientes da Índia

Queiroga acrescentou que o Brasil tem um trabalho diuturno para ter mais vacinas. Ele disse que, nesse sentido, o país é o quinto que mais distribui doses. “O Brasil está indo bem na campanha de vacinação. Poderia ir melhor? Claro que sim, se tivéssemos mais doses”, ressaltou.

Marcelo Queiroga destacou ainda que a curva epidemiológica brasileira em relação não só a óbitos como internações hospitalares vem tendo queda e, por isso, incentivou outras medidas. “Nós precisamos, além da vacinação, de incentivar as medidas não farmacológicas, como uso de máscaras e distanciamento social.”

O ministro destacou que o momento é de união e citou ações do governo como o pagamento do auxílio emergencial. “Vamos construir juntos um cenário que permita resgatar a saúde pública e devolver as condições econômicas no nosso país”, afirmou.

Pesquisa

O município de Botucatu tem cerca de 150 mil habitantes, dos quais 106 mil são maiores de 18 anos. Pelo projeto de vacinação em massa, todos esses receberão imunização contra a covid-19, e os casos positivos na regiã, serão sequenciados. A expectativa é saber a efetividade da vacina produzida pela Fiocruz contra todas as cepas que circulam na cidade.

Leia Também:  Duque de Caxias justifica vacinação para pessoas acima de 60 anos

Além da efetividade contra as variantes, o estudo servirá para comparar o quão eficiente foi a vacinação em massa em relação aos demais municípios da região. Botucatu abriga uma unidade do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) e, por isso, tornou-se um polo de referência na região.

O estudo terá duração estimada de oito meses. O período incluiu a aplicação das duas doses – com intervalo de 90 dias – e o acompanhamento da população imunizada.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA