AMARANTE

ESPORTES

Pira Olímpica Rio 2016 é acesa em homenagem aos Jogos de Tóquio

Publicado em

ESPORTES


A cidade do Rio de Janeiro, sede dos Jogos Olímpicos 2016, teve hoje cerimônia de reacendimento da Pira Olímpica Rio 2016, próximo a Igreja da Candelária, centro da capital.

O evento contou com as presenças do prefeito Eduardo Paes, do cônsul-geral do Japão, Ken Hashiba, e do vice-cônsul, Takashi Goto. 

A pira olímpica ficará acesa durante todo período dos Jogos de Tóquio, que começam oficialmente amanhã e vão até 8 de agosto.

O monumento, que estava inoperante havia anos, foi revitalizado pela prefeitura. Pouco depois das 18h30, Eduardo Paes chegou ao local com uma tocha olímpica de 2016, que passou para o cônsul japonês. Em seguida, o diplomata a entregou para duas crianças de vilas olímpicas, que aguardavam em cima de uma grua. Ambas foram elevadas à altura da pira olímpica e reacenderam o monumento.

O prefeito elogiou, em seu discurso, a organização feita por Tóquio nos jogos, em meio à pandemia, e deu ênfase ao legado que os Jogos de 2016 deixaram para o Rio de Janeiro.

Leia Também:  Ceará derrota Atlético-CE e garante vaga nas semifinais do Cearense

*Sob a supervisão de Mario Toledo

Edição: Aline Leal

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ESPORTES

Coluna – E se o Michael tivesse marcado o gol no fim da decisão?

Publicados

em


O “SE” não entra em campo e já seria um grande motivo para não tratarmos qualquer assunto relativo ao futebol com essa conjunção adverbial condicional. Isso de forma oficial, visto que nada é capaz de mudar depois de acontecido. Mas, de maneira imaginária, a brincadeira é possível. E eu pergunto: e se aquele chute do Michael, aos 40 minutos do segundo tempo, tivesse entrado?

Para início de conversa, poderia ser o gol decisivo, mas nada nos impede de imaginar que o Palmeiras poderia empatar de novo, ainda mais se pensarmos que, em 2019, o mesmo Flamengo virou sobre o River Plate nos minutos finais. Mas vou seguir com a possibilidade da vitória rubro-negra.

Creio que o Renato Gaúcho não seria o técnico do Flamengo no ano que vem, mas ficaria até o fim da temporada, para encerrar o Brasileirão. As críticas ao comportamento dele na partida contra o Grêmio continuariam sendo decisivas, mas o técnico sairia por cima, com portas mais facilmente abertas em outros clubes. Seria merecedor?

O departamento médico do Flamengo talvez nem passasse por uma reformulação tão drástica, quanto se anuncia. Afinal de contas, em caso de vitória, teria a favor dele o fato de Arrascaeta ter jogado 90 minutos e o time ter suportado a decisão fisicamente bem. A terra já não estaria tão arrasada. Seria um bom negócio para o futuro do Flamengo?

Leia Também:  Aparecidense é o primeiro semifinalista da Série D

A torcida estaria pensando numa reformulação grande da equipe, que passaria a contar com bicampeões brasileiros e sul-americanos? Com relação ao time haveria algo de bom: o Andreas Pereira não teria falhado de forma tão bisonha, logo ele que era um dos destaques do jogo.

E o Abel Ferreira? Será que o Palmeiras renovaria o contrato dele? O torcedor palmeirense o acharia um gênio ou um retranqueiro que não soube enfrentar o Flamengo, em nenhum dos jogos da temporada (até então, eram quatro jogos, com três vitórias rubro-negras e um empate, na decisão da Supercopa que ficou no Rio de Janeiro)? O goleiro Weverton ocuparia a vaga de “culpado pela derrota” do Andreas Pereira, por suposta falha no gol do Gabigol?

Nem tudo mudaria, mas muita coisa, sim. E as mudanças são necessárias para se evoluir. É importante observar que a vitória, às vezes, acoberta erros, que são pagos depois, talvez com juros. E da mesma forma a derrota nos abre os olhos, de forma a corrigir um rumo e percorrer um caminho melhor depois. O Flamengo, na final da Libertadores de 2019, jogou mal e ganhou graças à individualidade de Gabigol; não fez um jogo brilhante contra o River Plate. Ganhou o Brasileirão de 2020 porque o Internacional, na última rodada, não marcou sequer um golzinho contra o Corinthians. São dois fatores reais, por mais doloroso que possa ser para o coração de um rubro-negro que está lendo agora.

Leia Também:  Olimpíada: Alison dos Santos é bronze nos 400 m com barreiras

Não estou dizendo, com isso, que o Flamengo não tenha merecido. De forma alguma! Mas foram dois sinais de que o time de outro patamar já não estaria sozinho nesse degrau mais alto, quando os adversários mais fortes e próximos fizessem um investimento melhor. O Flamengo ainda tem os melhores jogadores? É possível, mas tanto o Palmeiras, quanto o Atlético-MG, chegaram ao patamar rubro-negro. Com uma diferença: ao longo de 2021, ambos tiveram apenas um técnico. E talvez essa tenha sido a diferença, na hora da decisão.

A rivalidade estadual ainda existe, mas os adversários do Flamengo, agora, são de outros estados. Se a torcida aceitar, o Estadual deveria ser o período de preparação para as grandes competições, onde estão os novos rivais. Resta saber se ela tem essa compreensão. O problema é que o “SE” não entra em campo.

Sergio du Bocage é apresentador do programa No Mundo da Bola, da TV Brasil

Edição: Verônica Dalcanal

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA