AMARANTE

SAÚDE

Pesquisadores da USP desenvolvem robô para auxiliar em neurocirurgias

Avatar

Publicado em

SAÚDE


Pesquisadores da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (USP) desenvolveram um “robô neurocirurgião” para tornar procedimentos no cérebro de crianças mais rápidos e seguros.

O monitoramento de crises de epilepsia em crianças, por exemplo, pode ser feito com o implante de eletrodos no cérebro. Nesse tipo de neurocirurgia pediátrica, os médicos costumam fazer a maior parte do trabalho de forma manual. Com o auxílio do robô, o procedimento pode ganhar praticidade e agilidade, segundo o professor do departamento de engenharia Glauco Caurin.

“Na verdade, o que a gente chama de robô é um braço mecanizado que tem várias articulações que permitem a esse dispositivo posicionar ferramentas que auxiliam o cirurgião. Ele consegue ser manipulado e posicionado de forma a carregar as ferramentas que vão ser usadas na cirurgia, próximas da cabeça do paciente.”

O pesquisador acrescenta que o robô neurocirurgião conta com sensores e um sistema de inteligência artificial que dá maior precisão no posicionamento dessas ferramentas.

“A gente tem também um sensor, um sistema de imagem 3D que captura tanto a posição do robô quanto de elementos de referência na cabeça do paciente. Então, a gente sabe qual a posição precisa da cabeça do paciente para que eu possa fazer a inserção de ferramentas. Finalmente, eu tenho um computador que fica capturando todas essa informação, compartilhando entre o médico e o robô e um software de navegação.”

Leia Também:  Pesquisa mostra que pandemia afastou homens dos consultórios médicos

Na avaliação de Caurin, o robô será um equipamento auxiliar que vai garantir mais segurança ao médico.

“Quando ele precisa acompanhar ou seguir o que planejou antes da cirurgia, olhando as imagens em 3D do cérebro, ele vai conseguir reproduzir localmente aquilo que ele deseja com precisão submilimétrica.”

A tecnologia está sendo testada em um ambiente que simula o procedimento do início ao fim e ainda não foi aplicada em pacientes.

O projeto é realizado em parceria com a Faculdade de Medicina da USP, do campus de Ribeirão Preto, desde 2014. A estimativa é que, no futuro, pelo menos 1 mil crianças atendidas no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto possam ser beneficiadas com o uso da nova tecnologia.

Ouça na Radioagência Nacional:

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Mais 628 mil vacinas da Pfizer chegam ao Brasil nesta quarta-feira

Avatar

Publicados

em


Novo lote da vacina contra a covid-19 da Pfizer/Biontech chega ainda nesta quarta-feira (5) ao Brasil. São 628.290 novas doses que serão entregues ao governo brasileiro. O imunizante tem chegada prevista para as 21h no Aeroporto de Viracopos, em Campinas, no interior paulista. Anteriormente a previsão era 19h55, mas houve atrasos no voo.

De acordo com a empresa, as doses fazem parte do acordo feito no dia 19 de março, que prevê a disponibilização de 100 milhões de vacinas ao país até o final do terceiro trimestre deste ano.

O Ministério da Saúde começou na segunda-feira (3) a distribuir a primeira remessa com 1 milhão de doses da vacina da Pfizer às 27 unidades da federação. A logística de distribuição levou em conta a capacidade das localidades de armazenar as doses do imunizante, que precisa ficar em temperaturas mais baixas do que as demais vacinas.

Os imunizantes da Pfizer ficam a uma temperatura de 25 graus Celsius negativos e são descongelados para temperaturas positivas entre 2º C e 8ºC para serem usados em um prazo de até cinco dias.

Leia Também:  Farmacêuticos poderão participar da campanha contra a covid-19

O ministério informou que a vacina da Pfizer está sendo destinada para vacinação de pessoas com comorbidades, gestantes e puérperas e pessoas com deficiência permanente. A comprovação das comorbidades pode ser feita com exames, receitas, relatório ou prescrição médica, entre outros.

Números

Segundo a pasta da Saúde, até o momento, 45 milhões de doses foram aplicadas, sendo 30,6 milhões da primeira dose e 14,6 milhões da segunda. 

Ontem (4), o Brasil registrou 2.966 mortes em decorrência de complicações da covid-19. No mesmo período, foram confirmados 77.359 novos casos da doença. O total de vidas perdidas no país para a pandemia somava 411.588 nesta terça-feira.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA