AMARANTE

SAÚDE

OMS anuncia grupo que estudará novos patógenos

Publicado em

SAÚDE


A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou hoje (13) a criação de um grupo de experts científicos para auxiliar, como conselheiros, na análise do surgimento de novos patógenos. Um patógeno é um organismo capaz de gerar enfermidades em um ser humano, como um vírus ou uma bactéria.

O brasileiro Carlos Morel foi incluído no grupo, formado por 26 especialistas de diversos países. Ele é o diretor do Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O grupo, cuja sigla em inglês é Sago, vai contribuir com subsídios à OMS no desenvolvimento de um conjunto de diretrizes para definir e guiar estudos sobre a origem e o reaparecimento de patógenos com potencial epidêmico e pandêmico.

A pandemia do novo coronavírus evidenciou os riscos da disseminação em escala global de novos patógenos. Mas o vírus, denominado tecnicamente de Sars-Cov-2, é um entre outros que já tiveram impactos importantes.

Investigações científicas

Em relação a essa atual pandemia, o grupo irá fazer uma avaliação sobre as investigações científicas sobre a origem do vírus e indicar novas necessidades de pesquisas sobre o tema.

Leia Também:  Covid-19: casos sobem para 21,71 milhões e mortes, para 605,1 mil

Ao fazer o anúncio, a OMS destacou que o novo coronavírus não será o último vírus ou patógeno com potencial epidêmico ou pandêmico. Por isso, o grupo recebeu a incumbência de elaborar propostas de linhas gerais e protocolos de ação.

Foram selecionados especialistas em diversas áreas, como epidemiologia, ecologia, saúde animal, virologia, biologia molecular, medicina clínica, segurança alimentar, biossegurança e saúde pública.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Covid-19: aumenta circulação de subvariante Delta em Belém do Pará

Publicados

em


Uma subvariante Delta do novo coronavírus, que pode não ser detectada em testes rápidos, tem circulado de forma cada vez mais intensa em Belém, no Pará. A informação foi confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde (Sesma), após sequenciamento de 16 amostras do vírus SARS-CoV-2 obtidas de pacientes na capital paraense.

“Nessas análises a Sesma detectou uma uma subvariante Delta, a AY.33, circulando em Belém e que pode não ser detectada por testes rápidos e pelos protocolos padrões de RT-qPCR”, informou, em nota, a secretaria.

Diante da constatação, a prefeitura local está orientando que qualquer pessoa que apresente sintomas compatíveis com covid-19 fique em isolamento social por 14 dias. Na nota divulgada pela Sesma, foram apresentados resultados de análises feitas desde julho, que revelaram uma inversão das variantes identificadas.

Em julho e agosto, dos 1.612 casos da covid-19 notificados em Belém, foram enviadas, para sequenciamento, 72 (4%) amostras de pacientes sintomáticos que apresentaram RT-qPCR positivo. Desses casos, 84,7% de casos foram provocados pela variante Gamma, enquanto os casos da variante Delta representaram 9,7%.

Leia Também:  DF vai contratar empresa para montagem de hospitais de campanha

Dos 332 casos notificados em setembro, 24 (7%) dos pacientes sintomáticos tiveram resultado positivo no RT-qPCR. Destes, 50% foram casos provocados pela variante Delta e 50% dos pacientes haviam sido infectados pela variante Gamma do vírus SARS-CoV-2.

Nos primeiros 20 dias do mês de outubro, foram notificados 152 casos. As 20 amostras genotipadas (13%) revelaram uma inversão, com a predominância da variante Delta, responsável por 75% dos casos, enquanto a variante Gamma foi identificada em 25% das análises.

“Diante deste cenário, se faz a necessário que a população siga com as medidas de prevenção e controle como: isolamento domiciliar da pessoa que estiver com suspeita ou em período de transmissão da doença, lavagem frequente das mãos com água e sabão e/ou álcool em gel, além do uso obrigatório de máscara e manter o distanciamento social”, informou a Sesma.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA