AMARANTE

GERAL

Observatório Nacional transmite eclipse raro nesta manhã

Publicado em

GERAL


Um eclipse solar bastante especial, mas que não será visível para quem mora no Brasil, acontece nesta manhã. O melhor lugar para ver o fenômeno é na faixa que vai do centro-sul do Canadá, passa pela Groenlândia e termina no nordeste da Rússia. Nessas regiões, vai ocorrer o que os pesquisadores chamam de eclipse anular.

É quando a sombra da Lua, que fica entre a Terra e o Sol, não é suficiente para cobrir a nossa estrela. Mas é quase. No auge do eclipse anular, foi possível ver um aro de fogo solar ao redor da Lua. O eclipse parcial pode ser visto na costa leste da América do Norte e no norte da Europa e da Ásia.

O próximo eclipse anular visível a partir do Brasil será no dia 14 de outubro de 2023.

Alguns canais transmitem esse espetáculo natural pela internet. Entre eles, o do Observatório Nacional, no YouTube. De acordo com a instituição, o eclipse desta quinta-feira começou por volta das 5h da manhã e o ponto máximo foi às 7h42, no horário de Brasília.

Leia Também:  Corpo de criança é achado em área de naufrágio no AP

O fim do eclipse parcial será às 10h11, de acordo com o Observatório Nacional. “Importante ressaltar que esses horários não são todos para um mesmo local, mas sim para o primeiro local que vai ver o início e o último local que vai ver o fim. Em um determinado local a duração do eclipse anular é de somente alguns minutos”, explica o Observatório Nacional.

A live é conduzida e comentada pela pesquisadora do Observatório Nacional Josina Nascimento e pelo astrônomo James Solon, do Grupo de Astronomia de Pernambuco (AstroPE).

Confira a live do Observatório Nacional:

Edição: Kelly Oliveira

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

Nova espécie de sapo é descoberta na Mata Atlântica

Publicados

em


Uma nova espécie de “sapinho-pingo-de-ouro” foi descoberta na Mata Atlântica. O animal é o sexto de um grupo específico deste tipo de sapo e foi batizado de Brachycephalus ibitinga. O estudo foi desenvolvido por pelo menos 7 anos, envolveu diversos pesquisadores e foi liderado por Thais Condez, da Universidade do Estado de Minas Gerais (UFMG). A descrição do vertebrado reforça a importância das Unidades de Conservação.

A espécie foi encontrada no trecho paulista da Serra do Mar, o entorno de uma das maiores regiões metropolitanas do mundo. “[Isso] mostra o quanto a gente ainda tem a descobrir a respeito da nossa biodiversidade, mesmo com o avanço das cidades, mesmo com as dificuldades todas de conservar, de proteger a biodiversidade, a gente ainda tem boas surpresas”, apontou o biólogo Leo Malagoli, gestor de Unidades de Conservação da Fundação Florestal de São Paulo e co-autor do estudo.

Características da nova espécie

O animal possui a região da cabeça e do dorso cobertas por placas ósseas fluorescentes. De acordo com os pesquisadores, isso deve ser importante para a comunicação, seja entre eles ou com predadores. O sapo descoberto tem menos de 2 centímetros quando adulto. “As placas ósseas são diferentes das outras espécies, porque possuem margens irregulares, é meio recortado, e tem uma linha muito tênue que margeia essas placas e é uma linha mais pálida, dá pra gente chamar de esbranquiçada”, descreve o biólogo.

Leia Também:  Prefeitura de SP suspende sepultamentos à noite

O DNA também foi um aspecto analisado pelos cientistas para descrever o novo animal. Além disso, observou-se diferença na vocalização, a forma como o sapinho coaxa. “Você se lembra de relógio de corda? Pensa quando está dando a corda no relógio, é meio parecido com o canto dessa espécie. Baixinho, mas com atenção você consegue ouvir.”

Malagoli explica que, na floresta, ele habita o folhiço ou a serrapilheira, que são as folhagens que ficam no chão da mata. “É uma espécie que você não enxerga andando na trilha. Você tem que agachar, revolver parte da serrapilheira para poder encontrar”, explica. Ainda não há estudos sobre a densidade populacional do novo sapinho, mas o pesquisador adianta que ele ocorre em baixa densidade.

Habitat

A nova espécie pode ser encontrada em diversas Unidades de Conservação localizadas no entorno das Regiões Metropolitanas de São Paulo e da Baixada Santista, como Parque das Neblinas, Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba, Reserva Biológica do Alto da Serra de Paranapiacaba, Núcleos Bertioga, Caminhos do Mar, Itutinga-Pilões e Curucutu do Parque Estadual Serra do Mar, além do Parque Natural Municipal Varginha. 

Leia Também:  Exames mostram que Bruno Covas tem dois novos pontos de câncer

“São espaços protegidos que essas espécies novas costumam sofrer menos esses impactos humanos”, aponta. Ele avalia que a descoberta mostra as oportunidades do que ainda pode ser descoberto, mas, ao mesmo tempo, “acende um alerta: bom, a gente precisa conservar”. 

O pesquisador destaca os benefícios para o meio ambiente e para os seres humanos. “Eles fazem o controle de inúmeros insetos, fazem parte da cadeia alimentar e essa espécie de sapinho, assim como outras, tem um verdadeiro arsenal químico na pele”, enumera. Malagoli explica que novas descobertas permitem encontrar compostos químicos que podem contribuir para, por exemplo, produção de medicamentos.

Edição: Nélio Neves de Andrade

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA