Covid-19: casos passam de 117,9 mil para 237,4 mil em três semanas

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


O Ministério da Saúde apresentou em entrevista coletiva hoje (3) os dados mais recentes sobre a pandemia de covid-19 e confirmou o crescimento de casos e mortes da doença no país nas últimas semanas. Na semana epidemiológica 45 a quantidade de casos foi de 117,9 mil. Já na semana epidemiológica 48, entre os dias 22 e 28 de novembro, foram registrados 237,4 mil, um acréscimo de pouco mais de 100%. Na comparação com a semana anterior (47), o incremento foi de 17%.ebc Covid-19: casos passam de 117,9 mil para 237,4 mil em três semanasebc Covid-19: casos passam de 117,9 mil para 237,4 mil em três semanas

A semana epidemiológica é um indicador usado para medir a evolução de uma pandemia. A semana analisada neste boletim abarcou os dias 22 a 28 de novembro. O Ministério não divulgou o monitoramento em novembro e gestores da pasta atribuíram a ausência do documento a uma tentativa de ataque sofrida no início do mês passado.

A curva de casos vinha apresentando uma tendência de queda desde a semana epidemiológica 30, no fim de julho, com alguns aumentos, como em agosto e outubro. Mas a partir da semana 45, no início de novembro, a curva passou a ter uma nova subida dos casos.

Em entrevista coletiva, o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério, Arnaldo de Medeiros, disse que ocorreu “recrudescimento de casos”. Ele apontou que a forte alta a partir da semana epidemiológica 45 pode estar relacionada à instabilidade dos dados.

“Por isso que muitas vezes a queda da semana epidemiológica 44 para a 45 e a subida desta para a 45 talvez reflita a demora na estabilização para a notificação dos casos devido à instabilidade do sistema. Mas nos últimos 14 dias tivemos aumento de 21%”, declarou.

Quando consideradas as mortes, o movimento é semelhante. Na semana 45, no início de novembro, foram contabilizados 2,3 mil óbitos. Já na última semana epidemiológica foram 3,5 mil, um aumento de mais de 50%. Em relação à semana anterior (47), o acréscimo foi de 7%.

A curva de mortes em função da pandemia teve um platô maior de maio ao fim de julho, quando começou uma trajetória de queda, agora revertida pelo movimento de ascensão registrado a partir da semana epidemiológica 45.

O secretário de Vigilância em Saúde destacou o movimento de ampliação menor no caso dos óbitos. “Esses dados nos mostram que a evolução dos óbitos das duas últimas semanas é um pouco deslocada da notificação de casos novos para covid-19”, disse.

Regiões

Os crescimentos das curvas  foram diferentes entre regiões do país. Quando considerada a evolução dos casos, as variações positivas da última semana epidemiológica em relação à anterior foram de 38% no Nordeste, 23% no Centro-Oeste, 17% no Sul e 16% no Norte e negativa no Sudeste, após uma ampliação grande na semana 45.

Na análise das mortes por covid-19, os maiores acréscimos entre as semanas 47 e 48 se deram no Sul (36%), Centro-Oeste e Norte (17%) e Nordeste (10%), com o Sudeste mantendo praticamente uma estabilidade (-1%).

Mortes

Das mais de 175 mil mortes para covid-19 até agora, 73,8% foram de idosos, pessoas de 60 anos ou mais. A faixa com mais fatalidades é a de 70 a 79 anos, onde ocorreram mais de 25% dos falecimentos.

Quanto ao gênero, permanece a proporção de boletins epidemiológicos anteriores, com 42% das vítimas fatais mulheres e 58% homens. No quesito raça e cor, 36,9% eram pardos, 34,9% eram brancos, 5,5% eram pretos, 1,1% eram amarelos, 0,4% eram indígenas e 21,2% não se identificaram.

Vacinas

O secretário de Vigilância em Saúde abordou o plano de imunização. Ele destacou que a vacina precisa ter elevada eficácia, segurança, possibilidade de uso em todas as faixas etárias e ter tecnologia de baixo custo para permitir vacinar a população.

Medeiros voltou a apresentar os critérios das quatro fases do plano de imunização contra a covid-19 anunciado nesta semana pelo ministério. Ele recomendou às pessoas que procurem os postos de saúde para se cadastrar ou atualizar os registros feitos no passado.

A coordenadora do Programa Nacional de Imunização, Francieli Fantinato, disse que a escolha dos públicos foi feita em cima do risco de agravamento da doença e da exposição ao vírus.

“A partir do momento que se tem mais vacinas licenciadas e mais quantitativos disponíveis, há que se pensar e planejar a inserção de novos grupos, principalmente no que diz respeito à manutenção dos serviços essenciais no país”, afirmou.

Edição: Bruna Saniele

Fonte: EBC Saúde

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist