Menu...

25 de setembro de 2018

Presidente da Transpetro pede licença temporária do cargo – notícias em Operação lava jato


Hospital de Olhos

Em meio a denúncias de que teria participação no suposto esquema de pagamento de propina na Petrobras, o presidente da Transpetro, Sérgio Machado, pediu licença temporária do cargo nesta segunda-feira (3), segundo informou nota divulgada pela companhia (leia a íntegra da nota no final). A Transpetro é uma subsidiária da Petrobras, responsável pelo transporte de combustíveis e por processamento de gás natural.

“Decido de forma espontânea requerer licença sem vencimento pelos próximos 31 dias. Tomo a iniciativa de afastar-me temporariamente para que sejam feitos, de forma indiscutível, todos os esclarecimentos necessários.Trata-se de um gesto de quem não teme investigações”, diz Machado na nota.

Em depoimento à Justiça do Paraná, o ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa citou Machado como responsável pelo pagamento de R$ 500 mil em propina oriunda de contratos da estatal supostamente superfaturados, entre 2009 e 2010. Machado nega.

Na nota divulgada à imprensa, Sérgio Machado afirma que, com a licença, pretende evitar atrasos na divulgação do balanço da Petrobras referente ao terceiro trimestre.

Ele também disse ter orgulho da gestão à frente da subsidiária e que é vítima de “imputações caluniosas” feitas por Paulo Roberto Costa. Segundo Machado, os relatos do ex-diretor à Justiça em delação premiada são “levianos e absurdos”.

“Estou certo do pleno rigor e lisura de minha gestão na Transpetro, e tranquilo quanto ao curso das investigações. Tenho todo o interesse de que tudo seja averiguado rapidamente”, disse.

Machado ressaltou, ainda, que no período à frente da Transpetro a companhia teve as contas auditadas e aprovadas sem irregularidades pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Na nota divulgada à imprensa, o presidente licenciado da subsidiária da Petrobras destacou não responder a processo no tribunal ou ser réu em ação penal.

Em 10 de outubro, em meio a especulações no meio político de que Sérgio Machado, indicado pelo PMDB, seria demitido do cargo, a presidente Dilma Rousseff, em entrevista no Palácio da Alvorada, afirmou a jornalistas que Machado havia sido chamado pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, a prestar esclarecimentos sobre as denúncias.

“Quem está conversando com o servidor da Petrobras [Machado] é o ministro Lobão, no sentido de esclarecer, de fato, o que há e o que não há”. Na ocasião, Dilma chegou a afirmar que não basta alguém fazer uma denúncia sem apresentar provas para que uma pessoa seja condenaada.

Deflagrada pela Polícia Federal em março deste ano, a Operação Lava Jato investigou esquema de desvio de recursos públicos na Petrobras. Em razão das denúncias de superfaturamento e pagamento de propina, diversos órgãos públicos decidiram investigar a estatal – entre os quais o Ministério Público, a Controladoria-Geral da União, o Tribunal de Contas da União e o Congresso Nacional.

Leia a íntegra da nota de Sérgio Machado:

Nota à imprensa

Tenho muito orgulho do trabalho que desenvolvi nos últimos 11 anos e 4 meses na presidência da Transpetro. Nesse período, a empresa obteve resultados notáveis – e passou sem problemas pelo crivo de inúmeras fiscalizações internas e externas.

As contas da Transpetro e a execução de seus principais programas são periodicamente auditadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que jamais encontrou irregularidades nos contratos e no último dia 30 de outubro expediu certidão negativa atestando não haver nenhuma pendência em meu nome reativamente a contas julgadas até o presente momento.
A empresa também é objeto da análise permanente de auditorias independentes, entre elas a KPMG e a PricewaterhouseCoopers (PwC).

Além de não responder a nenhum processo no TCU, não sou réu em nenhuma ação penal e não tenho contra mim nenhuma ação de improbidade admitida pela Justiça. Ao longo de mais de 30 anos de vida pública, jamais fui processado em decorrência de meus atos.

Na presidência da Transpetro desde junho de 2003, estive à frente do processo que a transformou na maior empresa de transporte e logística de combustíveis do Brasil. Entre 2003 e 2013, o faturamento aumentou em média 13,5% ao ano e o Ebitda, um importante indicador financeiro, teve crescimento médio de 15,1% ao ano. Se analisado apenas o ano de 2013, os dados são igualmente expressivos: em relação a 2012, o faturamento cresceu 12% e o lucro líquido aumentou 30,1%.

Durante a minha gestão, a criação do Programa de Modernização e Expansão da Frota (Promef) permitiu o renascimento da indústria naval brasileira, com a encomenda de 49 navios e 20 comboios hidroviários a estaleiros nacionais. Nos últimos 3 anos, 7 novos navios entraram em operação. Atualmente, 16 estão em construção. Isso depois de o Sistema Petrobras ter ficado 14 anos sem receber um único navio construído no Brasil (1997-2011).

A indústria naval gera hoje mais de 80 mil empregos diretos no país. No fim da década de 90, esse número era de apenas 2 mil postos de trabalho. Atualmente, o Brasil tem a terceira carteira mundial de encomendas de petroleiros e a quarta de navios em geral.

Reafirmo: tenho muito orgulho de minha gestão na Transpetro. E acrescento: nada devo nem temo em relação à minha trajetória.

Apesar de toda uma vida honrada, tenho sido vítima nas últimas semanas de imputações caluniosas feitas pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, cujo teor ainda não foi objeto sequer de apuração pelos órgãos públicos competentes. A acusação é francamente leviana e absurda, mas mesmo assim serviu para que a auditoria externa PwC apresentasse questionamento perante o Comitê de Auditoria do Conselho de Administração da Petrobras.

Embora o Conselho de Administração tenha adiado qualquer deliberação sobre tal questionamento, decido de forma espontânea requerer licença sem vencimento pelos próximos 31 dias. Tomo a iniciativa de afastar-me temporariamente para que sejam feitos, de forma indiscutível, todos os esclarecimentos necessários.

Trata-se de um gesto de quem não teme investigações. Pretendo com isso, também, evitar eventuais atrasos na divulgação do balancete do terceiro trimestre da Petrobras.

Estou certo do pleno rigor e lisura de minha gestão na Transpetro, e tranquilo quanto ao curso das investigações. Tenho todo o interesse de que tudo seja averiguado rapidamente.

Sergio Machado
Presidente da Transpetro

via:G1

Tags: , ,

Comente aqui

Sed ut mattis Phasellus leo Aenean venenatis