Polícia Federal combate abuso e exploração sexual infantil

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


Rio de Janeiro/RJ – Nesta sexta-feira, 6/11, a Polícia Federal deflagrou a Operação Rastreado em combate ao abuso e à exploração sexual infantil. Estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão, expedidos pela 2ª e 8ª Vara Federal Criminal, nos bairros do Méier, Caju e Benfica.

Os dois investigados, alvos da operação, foram presos em flagrante na posse de vídeos e/ou arquivos que retratam pornografia infantil, indicando fins sexuais e adequando-se à tipificação legal prevista nos artigos do ECA – Estatuto da Criança e Adolescente.

Os presos tiveram as suas atividades, na rede mundial de computadores, rastreadas pela PF por meio de ferramentas de inteligência artificial e outras técnicas sofisticadas de investigação cibernética.

O suspeito, de 54 anos, comercializava vídeos, em formato DVD, em uma plataforma de e-commerce com descrição do seu conteúdo, indicando que alguns tinham sido produzidos no Brasil e outros na Europa, em cenários como reuniões familiares, festas, clubes e praias, contendo preço e forma de envio.

Já o outro, de 48 anos, utilizava-se de diversas contas na internet para transmitir e compartilhar arquivos de crianças exploradas sexualmente. Destaca-se que, no período de apenas três meses, em meio à pandemia, o suspeito transmitiu aproximadamente 18 mil arquivos de violência sexual contra menores.

As ordens judiciais foram cumpridas com a finalidade de se obter outros elementos de prova, bem como a participação de outras pessoas nos crimes ora investigados, ou ainda envolvidas na divulgação e comercialização das mídias.

Todo o material apreendido será periciado para identificar as vítimas e outros suspeitos de participação nos crimes.

Os presos responderão pelos crimes previstos nos artigos 241, 241-A e 241-B, todos do ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente – além de outros que possivelmente virão à tona em decorrência das ações deflagradas hoje, como, por exemplo, a produção ou gravação dos vídeos, estupro de vulnerável, dentre outros.

As penas previstas para os crimes podem chegar a oito anos de prisão.

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Rio de Janeiro

cs.srrj@dpf.gov.br | www.pf.gov.br

(21) 2203-4404 / 4405 / 4406 / 4407

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist