Teresa Britto cobra explicações do Governo do Estado sobre gastos com a Covid-19

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


A deputada estadual Teresa Britto (PV) cobrou do secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto, o urgente encaminhamento de todos os gastos efetuados pelo governo estadual com a pandemia do coronavírus no ano passado, lembrando que já havia apresentado requerimento e feito solicitação verbal durante audiência pública na legislatura anterior, mas até hoje não obteve resposta.

“Não adianta dizer que gastou R$ 20 milhões, R$ 50 milhões e a gente não ter conhecimento como órgão de controle e fiscalização. O secretário tem que responder. Eu quero essa explicação. O nosso requerimento foi aprovado aqui neste plenário e ele nem ligou, não forneceu nenhum dado. Queremos saber todas as despesas ítem por ítem, principalmente agora que a Polícia Federal e o Ministério Público estão investigando esses dados”, comentou.

Em aparte, o deputado Marden Menezes (PSDB) disse que o Piauí está vivendo mais um escândalo de corrupção na utilização de recursos públicos, com superfaturamentos que chegam a mais de 500% dos valores de mercado dos produtos adquiridos pela Secretaria de Saúde. Para ele, o fechamento dos hospitais de campanha foi uma tragédia sentida agora quando o governo anuncia que está em colapso a oferta de Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

“O governador usa o sofrimento do povo do Amazonas para fazer mídia nacional, mas não enxerga o sofrimento dos piauienses do interior que estão morrendo devido a falta de vagas nos hospitais. Estamos trazendo a público a maneira improvisada com que o governo trata os pacientes da pandemia”, denunciou.

Retomando o pronunciamento, Teresa Britto lamentou o fechamento dos hospitais de campanha Pedro Balzi e do Verdão sem nenhuma discussão com a Assembleia Legislativa e com os conselhos de Medicina e Enfermagem e defendeu que o decreto estadual seja revisto para que as pessoas tenham liberdade de trabalhar.

“Ele determinou a restrição de horários e até mesmo proibiu o funcionamento e o trabalho de algumas categorias. Desde o ano passado muitos perderam a vida e outros perderam o emprego, a fonte de renda. O que é preciso é que as pessoas trabalhem e sejam fiscalizadas com rigor, mas o fim de tudo isso virá somente com a vacina, que até agora só alcançou 1% dos piauienses”, lamentou.

Teresa Britto também disse que a suspensão das cirurgias eletivas está prejudicando muita gente, pois as vagas dos hospitais são quase que exclusivamente para os pacientes da Covid-19. “Até mesmo pacientes do interior estão sendo discriminados, enquanto o governador esquece dos piauienses para se passar por liderança nacional”.

Durvalino Leal – Edição: Katya D’Angelles
 

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist