Levantamento aponta que 83,5% dos municípios piauienses não realizam coleta seletiva

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


WhatsApp Image 2021 02 03 at 13.48.10 Levantamento aponta que 83,5% dos municípios piauienses não realizam coleta seletiva

O Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI) divulgou na manhã quarta-feira (03) um relatório técnico com levantamento acerca dos serviços de limpeza pública e manejo de resíduos sólidos por parte dos municípios piauienses. Um trabalho minucioso foi realizado pela equipe técnica do Tribunal durante o ano de 2020, a respeito do exercício da gestão municipal de 2019, e constatou um baixo investimento nas políticas locais de manejo dos resíduos, bem como em seus serviços de limpeza pública.

O trabalho foi realizado pela Secretaria de Controle Externo, por meio da Diretoria de Fiscalização da Administração Municipal e Diretoria de Fiscalização de Obras e Serviços de Engenharia. Em resumo, o valor dos gastos com os serviços de limpeza pública pelos municípios foi de R$ 258.028.367,19, que representa 2,69% de suas despesas correntes e um gasto anual médio por habitante de R$ 78,83, sendo que, desse total, o município de Teresina gastou mais de R$ 116 milhões, o que representa 45,10% do total gasto por todos os municípios, representando um gasto anual médio de R$ 134,55 por habitante. Foi estimado que os municípios piauienses produzem um total de 85.125,22 ton/mês de resíduos sólidos.

Durante o exercício de 2019 foram identificados 235 procedimentos licitatórios que deram origem às despesas municipais com limpeza pública. Desse total, fora a modalidade Pregão Presencial e Eletrônico (3% e 1%, respectivamente), 62% foram na modalidade Tomada de Preços, seguida pela modalidade Convite, com 30%, e Concorrência, com 4%.

O relatório constatou que prevalece nas atividades municipais de limpeza pública a utilização de veículos do tipo caminhão. A maior parte dos entes municipais conta com apenas 01 (um) veículo para a coleta e transporte dos rejeitos, sendo que 5% das licitações relativas a serviços de coleta de resíduos sólidos e atividades de asseio e conservação urbana não especificaram o objeto adequadamente; 33% não disponibilizaram planilha orçamentária; 53% não especificaram a área de abrangência da coleta; 47% não estimaram a quantidade de resíduos sólidos a ser coletado/transportado; 66% não dimensionaram a extensão das vias a serem varridas e 60%, bem como 73%, não especificaram, respectivamente, a área a ser roçada e capinada.

Os dados apontam, ainda, que pouco mais de um terço dos municípios possui Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS) e Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) publicado ou promulgado. Por outro lado, aproximadamente 9% possuem Plano de Gestão de Resíduos da Construção Civil (PGRCC) e, 28%, Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS). Apontam também que 83,5% dos municípios não realizam coleta seletiva e 71% não desenvolvem ações voltadas à educação comunitária sobre descarte de lixo. Prevalece, como local de destinação final dos resíduos sólidos, a utilização de vazadouros a céu aberto (lixão). Somente 8% possuem aterro controlado e 2%, aterro sanitário.

“Ressalto que o trabalho é resultado da mudança de postura do Tribunal de Contas no acompanhamento da realidade municipal e na exigência do cumprimento de objetivos relevantes aos entes fiscalizados, principalmente em áreas que envolvem direitos difusos, como o direito a um meio ambiente ecologicamente equilibrado”, pontuou Elbert Silva Luz Alvarenga, diretor de Fiscalização da Administração Municipal.

O documento completo foi apresentado em plenário por meio do processo TC nº 010547/2020, tendo como relator o conselheiro Kleber Eulálio, que votou pelo acolhimento das recomendações emitidas pela equipe técnica de auditoria do TCE-PI. Entre as recomendações, promover a divulgação dos resultados, inclusive dos painéis/infográficos decorrentes do levantamento; compartilhar os resultados do estudo com o Ministério Público Estadual, Ministério Público Federal e Tribunal de Contas da União; dar ciência do presente relatório à Associação Piauiense de Municípios (APPM), à Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMAR), à Secretaria Nacional de Saneamento (SNS), do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), e ao Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos (SINIR), do Ministério do Meio Ambiente (MMA). Para ter acesso a todas as recomendações emitidas aos municípios, acesse o processo aqui.

Com o intuito de dar ciência e alertar a todos os municípios quanto à importantância dos serviços adequados de limpeza pública e o manejo dos resíduos sólidos, o TCE-PI informa que todos os resultados do presente estudo podem ser consultados no painel interativo disponibilizado no site do Tribunal. Clique aqui.

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist