Ativista árabe que defende o direito de dirigir das mulheres é presa

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


source
ativista
Reprodução

A ativista está em uma prisão de segurança máxima há mais de dois anos e meio

Presa há dois anos e meio em uma prisão de segurança máxima, a ativista pelo direito das mulheres  da Arábia Saudita dirigir, Loujain Al-Hathloul, de 31 anos, foi condenada nesta segunda-feira (28) a 5 anos de prisão. 

Ela foi presa em 2018, semanas antes das mulheres ganharem o direito de dirigir na Arábia Saudita, junto de outros ativistas acusados de ter contatos com ‘organizações hostis’. Desde então, várias organizações a favor dos direitos humanos pedem a libertação de Loujain. 

Mesmo assim, o Tribunal Criminal Especializado Saudita, criado para julgar casos de terrorismo, a condenou por ameaçar a segurança nacional e favorecer a agenda estrangeira. A sentença final de Loujain é de 5 anos e 8 meses de prisão. Dois anos e dez meses de pena foram suspensos. 

Loujain e a família negam as acusações e afirmam que a ativista foi torturada na prisão. As autoridades sauditas negam as acusações de tortura e de que a prisão foi por conta do ativismo dela. 

Parentes da ativista disseram que ela foi mantida incomunicável por três meses após a prisão e sofreu choques elétricos, chicotadas e assédio sexual . A família ainda afirma que foi oferecida libertação em troca de declarações públicas negando as torturas.

Em novembro, a Anistia Internacional condenou a transferência do caso para o Tribunal Penal Especializado, afirmando que isso expunha “a brutalidade e hipocrisia” das autoridades sauditas. Especialistas em direitos humanos condenam o julgamento e afirmam que ele foge dos padrões internacionais.

Fonte: IG Mulher

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist