Exposição inédita Zero fica até domingo no Museu Oscar Niemeyer

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook
A mostra Zero fica em exposição até o próximo domingo (03), no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba. Com curadoria de Heike van den Valentyn, a exposição instalada no Olho é inédita no Brasil e traz uma visão geral dessa vanguarda internacional que, no período pós-guerra (final da década de 1950 e início da década de 1960) revolucionou a arte com pinturas seriais e vibrantes estruturas luminosas.

No último dia da exposição haverá apresentação de dança com o grupo de balé do Teatro Guaíra: “Suporte para Violetas”, às 15h, e visita mediada pela exposição com Fabricio Vaz Nunes, professor de História da Arte na Escola de Belas Artes e Músicas do Paraná (Embap) e mestre em História da Arte pela Unicamp, às 16h30.

São 24 obras de artistas da Europa e da América do Sul, que revelam os modernos modos de pensamento e de trabalho da Zero. As obras refletem as relações entre artistas europeus, como Yves Klein, Günther Uecker, Otto Piene e Hans Haacke, e sul-americanos, como Lucio Fontana, Almir Mavignier e Jesús Rafael Soto.

O diálogo artístico da exposição Zero é ampliado ainda com as obras de Hércules Barsotti, Lygia Clark e Abraham Palatnik (Brasil) e Gego (Venezuela), assim como Gyula Kosice (Argentina). “A exposição reflete a mútua tomada de influências de artistas de ambos os continentes e amplia esse diálogo em torno de abordagens sul-americanas selecionadas que se aproximam formalmente do grupo Zero”, aponta a curadora Heike van den Valentyn.

A exposição segue depois para a Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre (de dezembro de 2013 a março de 2014), e depois para a Pinacoteca do Estado de São Paulo (de abril a junho de 2014).

ZERO – Nos anos 1950, um grupo de artistas alemães tentou criar um novo conceito artístico ao proclamar o nascimento da arte do pós-guerra no país europeu. Em praticamente uma década, o grupo se transformou em um dos mais conceituados movimentos de vanguarda do século 20. Otto Piene, Heinz Mack e Günther Uecker foram os nomes que marcaram o início desta nova vanguarda.

Zero designou um novo começo em termos históricos e artísticos por ter deixado princípios da arte para trás. Em 1950, na sequência de experiências opressivas da guerra e em distinção do expressionismo abstrato europeu de pintura gestual, o informalismo, Zero elaborou conscientemente uma linguagem monocromática pictórica repleta de luz.

Desde o início, o grupo Zero foi concebido como rede internacional. A superação de fronteiras, tanto nacionais quanto artísticas, teve importância central em uma Europa marcada pela guerra.

SERVIÇO: Programação para o dia 3/11 no encerramento da exposição ZERO:

Balé Teatro Guaíra

“Suporte para Violetas”

Concepção Coreográfica: Reinaldo Pereira

Músicas : Harmonium – Max Richter ; Karlheinz Stockhausen – XV e XVI

Horário: 15h

Local: Olho

Entrada: gratuita

Visita mediada

Exposição Zero

Mediação: Fabrício Vaz Nunes

Horário: 16h30

Local: Olho

Entrada: gratuita

EXPOSIÇÃO ZERO

Data: até o dia 03/11, domingo

Horário: terça a domingo, das 10h às 18h, com ingressos a R$6,00 e R$3,00 (meia-entrada), exceto no domingo (3), quando a entrada é gratuita.

Local: Museu Oscar Niemeyer – Sala 10 – Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico – Curitiba – PR

Mais informações: (41) 3350- 4400

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist