Rio de Janeiro sediará Mundial de Bocha Paralímpica em 2022

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


A cidade do Rio de Janeiro sediará a edição de 2022 do Campeonato Mundial de Bocha Paralímpica. O anúncio foi feito pela federação internacional da modalidade (BISFed, sigla em inglês) nesta quarta-feira (27), por meio de uma live. A capital fluminense superou a concorrência dos munícipios como Portimão (Portugal) e Sevilha (Espanha).ebc Rio de Janeiro sediará Mundial de Bocha Paralímpica em 2022ebc Rio de Janeiro sediará Mundial de Bocha Paralímpica em 2022

O evento será no Parque Olímpico da Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade, entre 4 e 12 de agosto de 2022. A expectativa é que mais de 170 atletas participem do campeonato, que terá 11 disputas por medalhas. Será usada a estrutura das Arenas Carioca 1 (jogos) e 2 (aquecimento) – na Paralimpíada do Rio de Janeiro, em 2016, a bocha reuniu 104 jogadores e somente a Arena Carioca 2 foi utilizada. Além disso, como já ocorrerá este ano nos Jogos de Tóquio (Japão), o Mundial terá chaves individuais masculinas e femininas. Até a Rio 2016, homens e mulheres competiam juntos.

Evelyn Oliveira, bocha paralímpica, Rio 2016 Evelyn Oliveira, bocha paralímpica, Rio 2016

Para Evelyn Oliveira, medalha de outro na classe BC3 da bocha paralímpica,  evento no Rio de Janeiro contribui para a valorização do paradesporto – Ale Cabral/CPB/Direitos Reservados

“É uma competição importante ao esporte paralímpico e, em especial, à bocha, que é voltada a pessoas com deficiências mais severas. Entendo que eventos como esse ajudam na valorização do paradesporto e, sobretudo, a desenvolver as modalidades. Apesar de ser um torneio de menor porte [que a Paralimpíada], é a oportunidade de construir um novo legado de visibilidade”, destacou Evelyn Oliveira, campeã paralímpica da bocha na Rio 2016.

É a segunda vez que o Rio receberá o Mundial. A primeira foi em 2006, quando o torneio foi realizado na praia de Copacabana, na zona sul da cidade. Lisboa (Portugal), Pequim (China) e Liverpool (Inglaterra) abrigaram as edições de 2010, 2014 e 2018, respectivamente.

“O Mundial que organizamos em 2006 foi histórico e nossa ideia é fazer um evento melhor que aquele, que fique marcado na memória das pessoas que vivem a bocha paralímpica. Há muita coisa a ser feita, mas estamos trabalhando e muito felizes”, comemorou Artur Cruz, presidente da Associação Nacional de Desporto para Deficientes (Ande), entidade responsável pela modalidade no país.

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist