Primeiro Mundial de Futebol de Areia Raiz começa na próxima terça

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


O primeiro Mundial de Futebol de Areia Raiz – uma versão do beach soccer, popularizado nos anos de 1990  – terá início na próxima terça-feira (8) no Parque Olímpico do Rio de Janeiro e prosseguirá até domingo (13). As partidas serão transmitidas ao vivo,  a partir das 17h (horário de Brasília), na TV Brasil.ebc Primeiro Mundial de Futebol de Areia Raiz começa na próxima terçaebc Primeiro Mundial de Futebol de Areia Raiz começa na próxima terça

Desde 2005, a Fifa chancela o Mundial de beach soccer. Já o futebol de areia raiz surgiu em Porto Alegre, em 1988. Mas o que é, afinal, o futebol de areia raiz? Muitas respostas são uma ideia vaga, do que uma definição exata.  “É aquele futebol de quando você ia para a praia, colocava dois cocos na areia (para formar a baliza) e jogava aquela peladinha”, recorda Toinho, defensor na seleção brasileira de futebol de areia raiz. 

Companheiro de Toinho na equipe nacional, o pivô Jonatan também recorre à memória para tentar descrever o que esta modalidade tem de “raiz”. “É um futebol de comunidade, que é onde surgiu o futebol. Você joga em qualquer lugar”, define.

Tabela, jogos, Mundial de Futebol de Areia Raiz - de 08 a 12/12/2020 - Parque Olímpico - RJ Tabela, jogos, Mundial de Futebol de Areia Raiz - de 08 a 12/12/2020 - Parque Olímpico - RJ

Tabela, jogos, Mundial de Futebol de Areia Raiz – de 08 a 12/12/2020 – Parque Olímpico – RJ – Mundial de Futebol de Areia Raiz/Divulgação

À primeira vista, o futebol de areia raiz lembra bastante o beach soccer, mas é possível perceber as diferenças nas regras. São seis jogadores em quadra, ao invés de cinco. Dois tempos de 20 minutos,  e não três tempos de 12 como é no beach soccer. E há outras características específicas do futebol de areia raiz: a areia utilizada costuma ser batida, sem tantas ondulações. Não há “carrinho”. É possível optar por cobrar faltas antes do meio da quadra, no local da infração, ou diretamente do meio. 

O status das duas modalidades também ajuda a escancarar as diferenças. É verdade que o beach soccer não possui tanta estrutura no Brasil quanto o futebol de campo, mas ainda há caminhos para que um atleta se torne profissional, ainda que as verdadeiras oportunidades estejam na Europa. Entre os adeptos da modalidade “raiz”, isso não é possível. Há quem se mantenha financeiramente na modalidade como Jonatan,  que em 2020 defendeu o Brasil de Farroupilha, no Rio Grande do Sul, e em janeiro do ano que vem embarca para a Finlândia para jogar pelo FC Aland. Alguns enveredam pelo Fut7, uma espécie de soçaite. Já Toinho, por exemplo, ganha a vida como lojista.

A difusão da modalidade pelo mundo é um sinal de que as coisas vêm melhorando. Nove seleções se juntam ao Brasil na disputa pelo primeiro título mundial de futebol de areia raiz: México, Chile, Tunísia, Uruguai, Colômbia, Paraguai, Angola, Bolívia e França. Houve cinco desistências por conta das restrições sanitárias causadas pela pandemia de covid-19: Alemanha, Argentina, Canadá, Croácia e Israel. Tais países estavam confirmados para o evento, inicialmente programado para ocorrer em em março deste ano. 

beach soccer beach soccer

Nove seleções se juntam ao Brasil na disputa pelo primeiro título mundial de futebol de areia raiz: México, Chile, Tunísia, Uruguai, Colômbia, Paraguai, Angola, Bolívia e França. Prefeitura de Itanhaem-SP

Toinho destaca o Uruguai como possível pedra no caminho do Brasil rumo ao título inédito. Segundo ele, a evolução dos adversários em um esporte genuinamente brasileiro é notável. “Tempos atrás, os jogadores de outros países não tinham esse conhecimento que o brasileiro tem, de saber correr da forma certa na areia, saber conduzir a bola. Eles investiram trazendo brasileiros e hoje estão muito, muito melhores”, atesta.

Faturar o primeiro título mundial de uma modalidade é algo simbólico. Mas conquistar fãs talvez seja ainda mais valioso. São dois objetivos bem definidos da seleção para a próxima semana. O primeiro depende exclusivamente do desempenho na areia. O segundo pode ser impulsionado pela transmissão em TV aberta, que pode  compensar a ausência de torcedores sedentos por conhecer a modalidade. Quem assina embaixo é o técnico da seleção, China, que fez parte dos vitoriosos times do Grêmio na década de 80.

“Queremos honrar as cores do Brasil e levar essa modalidade a lugares que não tiveram a oportunidade de ver o futebol de areia raiz”.

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist