Mirassol-SP projeta título inédito para encerrar temporada histórica

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


A temporada 2020 é histórica para o Mirassol-SP, independente do que ocorrer neste sábado (6), na final da Série D do Campeonato Brasileiro com o Floresta-CE no estádio José Maria de Campos Maia, o Maião, em Mirassol (SP), a partir das 16h (horário de Brasília), com transmissão ao vivo da TV Brasil. Após o terceiro lugar no Campeonato Paulista, atrás somente dos finalistas Palmeiras e Corinthians, e do acesso à Série C, um eventual título nacional coroaria o melhor momento do clube em 95 anos de fundação.ebc Mirassol-SP projeta título inédito para encerrar temporada históricaebc Mirassol-SP projeta título inédito para encerrar temporada histórica

Há uma semana, o atacante Netto decretou a vitória do Leão da Alta Araraquarense por 1 a 0 no primeiro jogo da decisão, no estádio Carlos de Alencar Pinto, o Vovozão, em Fortaleza. A equipe do interior paulista levanta a taça em caso de empate. O Floresta tem de ganhar por ao menos dois gols de diferença para ser campeão no tempo normal. Se o triunfo cearense for por um gol, o título será definindo nos pênaltis.

“Foi uma grande vitória [em Fortaleza] porque o Floresta é muito forte tendo o mando de campo e o Mirassol foi maduro para conseguir o resultado. Dentro de nossas características, buscamos o jogo o tempo todo. É uma boa vantagem, mas não há nada resolvido, haja vista que eles vieram em Novo Horizonte [SP, no jogo de volta da semifinal] e venceram o Novorizontino-SP por 2 a 0. É uma vantagem boa, mas nada que nos faça perder o foco”, garante o técnico Eduardo Baptista.

O treinador chegou ao Mirassol após o Paulistão, na segunda reformulação que o clube teve de fazer ao longo da temporada 2020. A primeira foi na paralisação do Estadual, por quatro meses, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Dezoito atletas deixaram a equipe, que se reforçou com 11 jovens formados na base e, mesmo assim, foi à semifinal ao eliminar o São Paulo nas quartas. Do grupo, seis jogadores continuam no elenco, sendo três crias do próprio time: o zagueiro Danilo Boza, o lateral Vinícius (ambos atualmente titulares) e o volante Eduardo.

A aposta na base se justifica. Em dezembro de 2019, o Mirassol inaugurou um centro de treinamento (CT) em uma área de 1,5 mil metros quadrados, com quatro campos de futebol, 20 apartamentos (que podem receber até 40 pessoas), academia e refeitório, entre outras facilidades. O Leão investiu R$ 9 milhões na estrutura, sendo que 2/3 do valor veio da venda do atacante Luiz Araújo ao Lille (França) pelo São Paulo, em 2017. O time do interior detinha 20% dos direitos econômicos do jogador, que foi revelado no clube antes de ir para o Tricolor.

“É um dos CTs mais bem estruturados do país, não só do interior. O CT do Mirassol não perde para os CTs dos clubes da Série B e até mesmo da Série A. É um investimento alto, sério, competente, que tem trazido resultado”, elogia Baptista, que trabalhou em equipes como Palmeiras, Fluminense e Sport, onde foi campeão da Copa do Nordeste em 2014, no trabalho que o projetou e que ele já divide, na estante de feitos da carreira, com o que desenvolve atualmente no Leão paulista.

“Eu coloco esse trabalho [no Mirassol] junto de outros grandes, como o do Sport e o da Ponte Preta [oitavo lugar na Série A de 2016]. Começamos desde a montagem, a idealização do elenco, até a finalização. Conseguimos resultados positivos de maneira rápida. O entendimento dos atletas foi muito bom”, destaca o treinador.

É do Mirassol a melhor campanha geral da Série D, com 47 pontos somados desde o empate por 1 a 1 com o Bangu-RJ, no Maião, em 20 de setembro do ano passado, quando estreou na primeira fase. Aquela, aliás, foi a única vez que o Leão não saiu de campo vitorioso atuando em casa. De lá para cá, foram dez vitórias em dez jogos e 35 gols marcados como mandante, o equivalente a 73% do total de bolas na rede do clube paulista em toda a campanha.

“Estamos muito felizes de poder decidir em casa, na atmosfera do Maião. É uma importância grande. Vencemos o jogo de ida, mas já é passado, temos de escrever a nova página no sábado e, se Deus quiser, com dedicação, fé e trabalho, as coisas vão acontecer e o título vai sair”, afirma o atacante Fabrício Daniel, artilheiro do Mirassol com 11 gols e que está a um de se igualar aos dois goleadores da Série D, os também atacantes Zé Love (Brasiliense-DF) e Wallace Pernambucano (América-RN).

Sem poder dividir o sucesso do fator casa com o público no estádio, devido à pandemia, jogadores e comissão técnica sentem o carinho do torcedor nas ruas, o que não é difícil, já que Mirassol é pequena, com aproximadamente 60 mil habitantes. O município fica a cerca de 450 quilômetros de São Paulo e é vizinho a São José do Rio Preto (SP), cidade que perdeu força no futebol com a decadência dos times locais (América e Rio Preto), abrindo espaço para o Leão e o Novorizontino, ambos promovidos à Série C, tomarem o protagonismo regional.

“Aqui no interior de São Paulo, os times locais são sempre muito queridos. Não só o pessoal de Mirassol tem apoiado bastante, mas a região toda. O clube está bem no cenário nacional, jogando [a primeira divisão do] Paulistão e [garantido] na Série C, então o pessoal de Rio Preto e das cidades próximas têm torcido por nós, querendo o bem do nosso clube”, conta Fabrício, que é natural de Araraquara (SP) e foi revelado pela Ferroviária-SP.

“Infelizmente, o torcedor não pode estar presente no estádio e isso faz falta. Mas quando vou ao mercado, à igreja ou à praça, o calor da torcida é muito grande. A expectativa por um título nacional inédito para a equipe e para Mirassol é grande. Nos sentimos abraçados pela cidade”, completa Baptista.

Edição: Fábio Lisboa

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist