Coluna – Retrospecto diz que São Paulo será o campeão brasileiro

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


Explicar futebol com a frieza dos números não é o mais correto, mas eles nos ajudam a projetar o andamento de um campeonato e, por que não, prever como será o término dele. Por exemplo: desde 2006, quando o Brasileirão começou a ser disputado por 20 equipes, em apenas quatro edições o campeão do primeiro turno não ficou com o título no fim: em 2008, o Grêmio acabou superado pelo São Paulo; em 2009, o Internacional perdeu o título para o Flamengo; em 2012 foi a vez de o Fluminense superar o Atlético-MG; e em 2018, o Palmeiras levou o título e o São Paulo, campeão do turno, foi o primeiro a não ficar sequer no G4, terminando em quinto lugar. Então, a chance de o campeão do turno ser o campeão brasileiro é superior a 70%. Ao menos para a matemática.ebc Coluna - Retrospecto diz que São Paulo será o campeão brasileiroebc Coluna - Retrospecto diz que São Paulo será o campeão brasileiro

Isso quer dizer que o São Paulo, campeão do turno de 2020, tem boas chances de ganhar o Brasileirão. Mas a favor dele há uma outra estatística – desde 2011, ou seja, no início da década de 20, o líder da 30ª rodada se sagrou campeão. Em 100% das edições. Ou seja, caso tenhamos outro time chegando na frente, na 38ª rodada, será algo inédito nos últimos dez anos.

É interessante observar, ainda, que nesses nove anos, em cinco uma das equipes do G4 da rodada 30 perdeu seu lugar no final – nas outras o G4 se manteve. Isso mostra que há uma chance de 86% de o time que está no G4 agora garantir vaga direto na Copa Libertadores do ano que vem. A título de curiosidade, os cinco que perderam a vaga foram Botafogo (em 2011 para o Fluminense), Atlético-MG (em 2014 para o Internacional), Santos (em 2015 para o São Paulo), e São Paulo, duas vezes (em 2018 e 2019 para o Grêmio).

E na parte de baixo? A história muda muito pouco também. Mas em sete edições houve uma mudança no Z4, não mais do que isso. Em outras duas, ninguém escapou da queda – risco de queda, então, é de 80%. E fugir da Série B não foi tarefa fácil. Em 2011, por exemplo, o Atlético-MG precisou de um desempenho de 62% nas últimas rodadas, similar ao do Internacional, atual segundo colocado na tabela, para escapar. O mesmo fez o Fluminense em 2019. Já o Sport, em 2012, chegou a 58% dos pontos, mas mesmo assim caiu. Se olharmos para o atual Z4, em que o Bahia, 17º colocado, não chega a 34% dos pontos disputados, vemos que a situação é bem difícil para essas equipes.

A cada ano observado, a situação na 30ª rodada se mostrou bem diferente. A diferença de pontos entre o primeiro e o quarto colocados, por exemplo, variou bastante. Em 2019 ela era de 19 pontos; 18, em 2015; 16, em 2012; e 12, em 2013. Em 2014, 2017 e 2018, 9 pontos separavam o líder do quarto colocado. Em 2016, eram 7. Mas em 2011, a distância do líder Corinthians para o Flamengo era de apenas 3 pontos, algo bem semelhante ao que vemos na atual edição, em que Atlético-MG e Flamengo têm um jogo a menos que o São Paulo. Aliás, no Z4, a pontuação também é muito parecida, pois o Atlético-MG abria a zona do rebaixamento com 30 pontos (o Bahia tem 29 em 29 jogos) e o lanterna era o América-MG, com 24 (o Botafogo tem 23).

Então, se a matemática (e a estatística) resolver mostrar sua força, o São Paulo será o campeão de 2020 e entre Internacional, Atlético-MG e Flamengo, um deles sairá do G4. Na parte de baixo, o corte, em 2011, ficou em 42 pontos, ou 36,8% de aproveitamento. E um também escapou, o que significa que um outro ficou pelo caminho. É esperar pra ver.

 

Sergio du Bocage é apresentador do programa No Mundo da Bola, da TV Brasil

Edição: Marcio Parente

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist