Coluna – Qual o melhor time brasileiro exatamente agora?

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


Há muitos anos, e confesso não lembrar de quem foi, ouvi uma dica de um amigo radialista: “quando falar no ar, e perceber que errou, não corrija. Fale o certo depois e deixe a dúvida com o ouvinte.” Em resumo: jogue a culpa no ouvido de quem está do outro lado do radinho. Faz tempo isso, ainda existia o radinho de pilha, mas atualmente o que vemos, lemos e ouvimos, nos mais diversos meios de comunicação, não é simplesmente uma mudança de informação, mas de opinião. E no atual Campeonato Brasileiro, chega a ser curioso o que temos percebido.ebc Coluna - Qual o melhor time brasileiro exatamente agora?ebc Coluna - Qual o melhor time brasileiro exatamente agora?

Quem é o favorito ao título do Brasileirão? A cada rodada surge um. Se olharmos a tabela, é óbvio que não dá para cravar um palpite. O Atlético Mineiro tem 39 pontos, em 22 jogos; o Grêmio, em oitavo lugar, tem 34, com um jogo a menos – mesma pontuação do Santos, o sétimo, com 22 partidas disputadas. Entre eles estão Flamengo, São Paulo, Internacional, Fluminense e Palmeiras. É um intervalo de pontos muito pequeno para tanta gente, sem dúvida.

Mas a questão é: até semanas atrás, o São Paulo, do Fernando Diniz, era o time que tinha sido eliminado duas vezes no Morumbi, da Libertadores e da Sul-Americana, e que não chegaria a lugar algum. O Grêmio, do Renato Gaúcho, perdeu toda força com a saída do Everton e ia priorizar a Copa do Brasil, sem chances no Brasileirão. O Palmeiras, desde a saída do Luxemburgo, desceria uma ladeira. O Internacional, sem o Coudet, acabou. O Flamengo errou ao contratar o Ceni, pois o time perdeu toda a liga deixada pelo Jesus. E o Atlético Mineiro é irregular e não tem time para se manter no topo por muito tempo.

Sejamos sinceros. Tudo isso foi ouvido nas últimas semanas nas mesas de debates, nas rádios e TVs. Assim como que o São Paulo está inovando, que o Atlético do Sampaoli apresenta o melhor futebol; que o Renato renovou o Grêmio; que o Palmeiras é outro; que o Flamengo voltou a 2019 etc.

E por quê? Porque as opiniões mudam de acordo com o resultado. É como se o rádio tivesse se transferido para todos os canais de comunicação e o ouvinte que fique ligado, atento, para acompanhar o que cada um diz, a cada rodada, ou jogo – já que Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores/Sul-Americana se alternam a cada quatro dias.

Existe culpado? Não, apenas as coisas ficaram mais velozes, e as redes sociais tem uma parcela de participação nisso tudo que acontece. De lá vêm as cobranças imediatistas, e alguns programas simplesmente repercutem o que vem de lá, dando espaço à voz do torcedor.

Se isso é certo ou errado, reconheço que não sei. Mas me incomoda essa volatilidade. E ela me faz lembrar de um comentarista, radialista, muito famoso: Ruy Porto. Tive o prazer de apresentar a mesa redonda da TVE, nos anos 80, em que ele participava, ao lado de Luiz Mendes, Achilles Chirol, Sergio Noronha e outros mestres. Tudo ia bem, quando o Ruy lançava uma opinião totalmente contrária no ar, e a discussão esquentava. No fim, ele vinha falar comigo: “eu não concordo com o que disse, mas falei pra provocar o debate”.

Grande Ruy Porto. Um gênio que provocava polêmica e recebia likes e retuítes, desde os tempos do radinho de pilha.

 

*Sergio du Bocage é apresentador do programa No Mundo da Bola, da TV Brasil

Edição: Carol Jardim

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist