Coluna – Parceria Brasil-Japão

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


Além da parceria com o Comitê Paralímpico das Américas (APC, sigla em inglês) para capacitar profissionais que trabalhem com paradesporto, o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) firmou acordo com a Nippon Sport Science University (NSSU), de Tóquio (Japão), que realiza um programa de qualificação para técnicos e atletas de países com pouca ou nenhuma experiência em Paralimpíada. As sessões virtuais de capacitação iniciaram há três semanas, com participação dos professores de atletismo Rosicler Ravache e Eduardo Leonel, ligados à área da Educação do CPB.ebc Coluna - Parceria Brasil-Japãoebc Coluna - Parceria Brasil-Japão

“O Brasil é um país desenvolvido no paradesporto, realizou os Jogos [Paralímpicos] em 2016 e tem promovido cursos de educação paralímpica. Então, tem profissionais experientes em ministrar aulas e com conhecimento da realidade dos países americanos. Para nós, acabou sendo perfeito”, explica Sharly Natsu Yazaki, pesquisadora brasileira,  há seis anos e meio no Japão, que faz parte da NSSU há quatro.

“As sessões são elaboradas conforme a necessidade dos participantes, o que eles gostariam de aprender, mas também para que venham da melhor maneira possível para os Jogos de Tóquio [em 2021]. São sessões diferentes. Com os países africanos, [a sessão é sobre] periodização, planificação de treinos, como chegar bem nos Jogos e estar bem nas competições até lá. Para os das Américas, a gente tem falado de classificação funcional [categorização dos atletas de acordo com o grau de deficiência] e o tipo de treinamento”, completa.

Paralimpíada, cerimônia, encerramento, Rio 2016 Paralimpíada, cerimônia, encerramento, Rio 2016

Segundo Masamitsu Ito, professor-doutor e diretor da NSSU, um quarto das medalhas olímpicas japonesas foram obtidas por alunos (ou ex-alunos) da entidade. Marco Antonio Teixeira/MPIX/CPB

O programa se chama NSSU Expansion of Para sports Participants (expansão de participantes no paradesporto, em inglês) e integra um projeto do governo japonês chamado Sports for Tomorrow (esportes para o amanhã), idealizado em 2013, após a escolha de Tóquio como sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Esse projeto visa levar esportes a mais de 10 milhões de pessoas, de cerca de 100 países, até 2020, levando em conta três pilares: academia, antidoping e o relacionamento entre diferentes nações.

“A Olimpíada é um evento consagrado. A Paralimpíada está crescendo. Então, o Japão quer ter o máximo de participantes em Tóquio. Eles [governo] vieram até nós para darmos esse suporte aos comitês paralímpicos nacionais e desenvolver atletas e técnicos, principalmente de países em desenvolvimento. Conversamos sobre como poderíamos fazer e concordamos que talvez pudéssemos fazer”, conta Masamitsu Ito, professor-doutor e diretor da NSSU.

“Começamos pelo desenvolvimento dos treinadores. Nossa universidade é esportiva, temos experiência em desenvolver técnicos e atletas de alto rendimento. Então, temos de usar essa experiência para auxiliar os países a elevarem seu nível de treinamento. Se desenvolvermos somente os atletas, quando eles pararem, tudo para. Se capacitarmos com sucesso os técnicos, é uma maneira mais sustentável”, completa.

Segundo Ito, um quarto das medalhas olímpicas japonesas foram obtidas por alunos (ou ex-alunos) da NSSU. Por sua vez, na Paralimpíada Rio 2016, o bronze de Sae Shiguemoto nos 400m da classe T47 (amputados de braço) do atletismo e a prata de Mai Tanaka, piloto-guia da ciclista paralímpica Yurie Kanuma na classe B (deficientes visuais), foram as primeiras conquistas de atletas da instituição no maior evento paradesportivo do planeta.

“Antes de 2013, claro que conhecíamos o paradesporto e sabíamos como trabalhar com os atletas, mas não tínhamos vivenciado tanto. A partir dali, a universidade recebeu mais atletas paralímpicos. Essa foi uma grande mudança, provocada pela oportunidade de recebermos os Jogos. A NSSU fez acordo com uma fundação que oferece bolsa a paradesportistas que estudem em nossa instituição e tenham potencial de chegar ao nível mundial. O acordo iniciou em 2017 e visa formar em torno de 50 atletas até os Jogos de Tóquio”, conta o diretor.

O Japão é um dos 20 países com mais medalhas paralímpicas na história (362 no total, sendo 106 douradas). Ito, porém, avalia que buscar parcerias com outras nações de tradição no paradesporto, como o Brasil, agrega ao programa de capacitação e ao movimento como um todo.

“O Brasil foi a casa da última Paralimpíada e vocês realizaram um evento fantástico há quatro anos. Temos que conectar as pessoas e levar a mensagem de uma cidade a outra, como também estamos nos conectando a Paris [França, sede dos Jogos de 2024]. Não devemos deixar a chama ser apagada. Se pudermos trabalhar juntos, faremos um trabalho maior e melhor. As cidades-sede colaborando para apoiar a Paralimpíada é uma grande mensagem que podemos passar. De não sermos apenas sede, mas ajudarmos a promover o esporte enquanto ferramenta de inclusão”, conclui.

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist